Olímpicos | Recorde nos dez mil metros. Apuramento a dobrar no triplo salto luso

O atletismo começou em grande com a quebra do recorde mundial dos 10 mil metros pela etíope Almaz Ayana. Patrícia Mamona e Susana Costa, garantiram apuramento para o triplo salto. A natação esteve também em destaque na sexta-feira com Phelps a ganhar mais uma medalha de ouro. A ginasta americana, Bile, conquistou cinco e tornou-se a atleta mais completa da história. No sábado a selecção portuguesa despediu-se dos Jogos Olímpicos, ao perder por 4-0 contra a Alemanha

Ndia 12 a natação voltou a estar em evidência com Michael Phelps a aumentar a colecção de ouro, ao vencer nos 200 metros estilos, e com Simone Manuel e Penny Oleksiak a conquistarem o lugar mais alto do pódio nos 100 metros livres femininos.
Emocionante e com final raro foi a prova dos 100 metros livres femininos, considerada a prova rainha dos Jogos, que teve um par vencedor, a norte-americana Simone Manuel e a canadiana Penny Oleksiak, cujos 52,70 constituíram ainda novo recorde olímpico.
O Rio 2016 soma já vários nomes marcantes e, além dos da natação – Phelps, Ledecky e Hosszu a ginástica faz-se representar com Simone Biles. A texana, de 19 anos, campeã por equipas e no concurso individual, ganhou a quinta medalha no sábado ao conquistar o ouro na prova: cavalo, solo e trave. Garantiu assim o domínio dos EUA na ginástica feminina, atingindo aqui um novo recorde: primeiro país a ganhar por quatro vezes o all around feminino.

Águas agitadas

Depois das provas de remo terem sido adiadas na quarta-feira, finalmente entregaram-se medalhas, sendo que apenas uma das seis de ouro não ficou na Europa, sendo entregue à Nova Zelândia. A juntar aos sucessos da catalã Mirea Belmonte na natação, a Espanha festejou o ouro da canoísta basca Maialen Chourraaut nas águas bravas, no K1 slalom. Ainda nas águas bravas, disputou-se a final do C2 slalom masculino, com vitória dos primos eslovacos Ladislav e Peter Kantar.

A marchar

Na prova de Marcha o título foi parar às mãos do chinês Wang Zhen com o tempo de 1.19.14, deixando a prata para o compatriota Cai Zelin, que demorou mais 12 segundos. Em terceiro lugar ficou o Australiano Dane Bird- Smith, a 13 segundos do primeiro lugar. Nesta prova participaram os irmãos João e Sérgio Vieira que ficaram em 31º e 53º respectivamente. Ambos consideraram a prova dura mas mostraram-se satisfeitos com a prestação. João ficou a 3.49 minutos do chinês Wang Zhang e o irmão a 8.25minutos.

Dar ao pedal

No “Sprint” em ciclismo de pista, a equipa feminina chinesa voltou a arrebatar o 1º lugar, batendo o seu próprio recorde. Gong Jinjie e Zhong Tianshi terminaram o exercício em 31,928 superando os 32,034, que já lhes pertencia desde o Mundial de 2015.
A Grã-Bretanha, com Bradley Wiggins, melhorou pela segunda vez o recorde do mundo na perseguição em ciclismo de pista, ao percorrer os quatro quilómetros, na final, em 3.50,265 minutos. Ed Clancy, Seven Burke e Owain Doull, que formam equipa com o vencedor do Tour2012, já tinham batido o melhor registo mundial, com 3.50,570, superando o tempo (3.51,659) obtido por Ed Clancy, Geraint Thomas, Steven Burke e Peter Kennaugh em Londres2012. A medalha de prata foi conquistada pelos australianos Sam Welsford, Michael Hepburn, Jack Bobridge e Alex Edmondson, que cumpriram a prova em 3.51,008, enquanto a Dinamarca arrebatou a medalha de bronze, em 3.53,789, impondo-se na disputa pelo terceiro lugar à Nova Zelândia (3.56,753).

Prova Mãe

Dia 13 teve lugar a grande estreia da prova rainha nos Jogos olímpicos, o atletismo. Começou logo a fazer história com uma prova meteórica da atleta etíope, Almas Ayana, fazendo o tempo recorde de 29,17,45, nos 10 mil metros (ver breve). Esta marca quebrou o recorde em 15 segundos, que estava na posse da chinesa Wang Junxia, desde Setembro de 1993. No segundo lugar ficou Vivian Jepkemol Cheruiyot com o tempo de 29,32,53 e no terceiro Tirunesh Dibaba com 29,42,56, campeã em Pequim 2008 e Londres 2012 . Todas representando a Etiópia.
Destaque maior para Patrícia Mamona e Susana Costa, que garantiram o apuramento para a final do triplo salto.

Partilhas

Michael Phelps e Joseph Schooling partilharam o pódio, mas já tinham partilhado uma selfie, em 2008. Na altura, o então menino de 13 anos, admiração pelo já campeão nadador americano. “Quando era miúdo queria ser como ele”, disse o jovem atleta de Singapura, que agora conquistou o ouro frente a Phelps. O americano ficou em segundo lugar, levando a medalha de prata, nos 100 metros mariposa, naquela que foi a sua última prova individual, antes de se retirar. Encontraram-se a primeira vez depois do nadador conquistar oito medalhas nos Jogos olímpicos de Pequim e oito anos depois defrontaram-se na piscina. Schooling que conquistou a primeira medalha de ouro para Singapura não escondia o contentamento, concluindo, “ele é a razão pela qual eu quis ser melhor nadador”.

Adeus futebol

Portugal foi eliminado, no sábado, nos quartos de final do torneio de futebol dos Jogos Olímpicos Rio2016. Perdeu com a Alemanha, por 4-0, em jogo disputado no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. A equipa orientada por Rui Jorge ficou assim pelo caminho retirando a esperança que os portugueses depositaram na sua selecção.

Fé e transparências

Assim que a atleta etíope quebrou o recorde do mundo dos dez mil metros, suspeitou-se imediatamente de doping. No entanto, Almaz Ayana referiu, “tenho três coisas a dizer primeiro: treinei especificamente para esta prova. Segundo, rezo muito e Deus dá-me tudo. O meu doping é o meu treino e a minha fé, Terceiro, sou transparente como cristal”. Que se saiba não foi feita qualquer despistagem, servindo as palavras da atleta como garantia.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários