Supermercados desistem de licença para vender comidas frescas

Opresidente da Associação da União dos Fornecedores de Macau, Ip Sio Man, pediu ao Governo que alargue as políticas acerca de produtos alimentares frescos. Para o responsável, muitos operadores “desistiram” de pedir licenças para vender tais produtos devido aos obstáculos para fazer esse requerimento.
Durante a inauguração de uma loja da rede da Vang Kei Hong, empresa da qual é presidente-executivo, Ip Sio Man frisou que, embora Macau esteja num momento de recessão económica, mantém-se estável o consumo dos residentes. Citado pelo Jornal do Cidadão, Ip Sio Man conta numa entrevista que o consumo de população não caiu, estando “estável”. Mais ainda, as vendas de produtos de uso diário e de produtos alimentícios que “os jovens gostam” têm aumentado.
Ip Sio Man diz ainda que, como a principal origem dos produtos vivos e frescos é ainda o interior da China, é preciso mexer nas políticas. “Face ao licenciamento de vendas de produtos vivos e frescos, mesmo que em Abril o Governo tenha alargado as políticas relevantes, não aumentaram os pedidos de licença. É muito difícil e complicado solicitar a licença e muitos operadores do sector desistiram, portanto, não há muitos supermercados que tenham estes produtos à venda.”
O responsável sugere que as autoridades relaxem um pouco as exigências, caso contrário será a sociedade quem sai prejudicada.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários