PARTILHAR
As autoridades de Wanchai encerraram o terminal marítimo que fazia ligação com o Porto Interior e os residentes e associações não estão contentes com a decisão. Mais demoras, mais filas – tudo piora com a falta destas rotas, já para não falar da diminuição do comércio

D[/dropcap style='circle']esde os usuários à empresa de Ferry Zhuhai-Macau, ninguém está contente com o encerramento sem aviso prévio do Terminal Marítimo de Wanchai, por parte das autoridades da China. As rotas até ao Porto Interior estão encerradas, mas eram uma alternativa que facilitava “em muito” a vida dos residentes tanto do lado de Macau como de Zhuhai.
Lai Wai, usuária do serviço de transporte, caracterizou este encerramento como “ridículo”. “Este encerramento vem contra aquilo que o Governo tem vindo a desenvolver. Quer que haja uma distribuição das pessoas que passam as fronteiras, incluindo nas Portas do Cerco, Cotai e Porto Interior. Isto vem contra essa vontade”, apontou a utente.
O encerramento foi justificado por uma falha na segurança depois das autoridades de Zhuhai levarem a cabo uma avaliação às instalações do terminal da região vizinha. “As autoridades apontam para um problema de segurança, mas então isto também quer dizer que o problema já existe há algum tempo, ou seja não é de agora”, argumentou ainda Lai Wai, que diz que nunca houve motivo de temer pela segurança. “Usei o barco e não senti que houvesse qualquer problema com a segurança. Os barcos são grandes e confortáveis, a distância em si é curta, demoramos no máximo cinco minutos”, registou.
Para Kai, residente em Wanchai, junto ao terminal em causa, mas a trabalhar em Macau, o encerramento vem prejudicar muito a rotina de muitas pessoas. “Esta viagem era apenas de cerca de três minutos de barco, não existiam muitas pessoas, portanto não há aquele caos comuns noutras passagens. O horário da manhã também era bom e [os barcos eram] muito pontuais. O serviço não era de todo mau”, reforça.

Negócio afundado

A empresa de Ferry Zhuhai-Macau queixou-se que o encerramento influencia em muito o seu negócio e, por isso, vai pedir a reabertura do terminal e o prolongamento dos horários tanto ao Governo de Macau como ao de Zhuhai.
Zhang Qinglan, presidente da empresa, citado pelo jornal Ou Mun, indicou que ontem, depois do anúncio de encerramento, “mais de 50 clientes estavam para usar o serviço para regressarem ao Porto Interior e mais de 200 para o regresso ao Porto de Wanchai”. A empresa critica a postura do Governo de Wanchai, que não só encerrou o espaço sem aviso prévio como não apresenta soluções para o futuro, deixando estes usuários sem transporte.
“O terminal de Wanchai diminuiu a pressão das Portas do Centro e têm sido muitos os residentes que usam este porto para visitar Macau. A rota marítima é uma maneira bastante conveniente, rápida e que respeita a protecção ambiental. O tempo de percurso do ferry é muito curto, portanto é bom. O encerramento deste porto vai ainda influenciar as actividades comerciais do próprio Porto Interior”, argumentou.
Diariamente, indicou o presidente, mais de duas mil pessoas usam a rota, através das várias empresas de transporte marítimo, sendo que anualmente os números ultrapassam um milhão de passageiros. No Ano Novo Lunar, no primeiro e segundo dia, passam mais de seis mil residentes e turistas por dia. “Nos terceiros e quatro dias, o número de turistas pode chegar aos dez mil ou mais por dia”, acrescenta.
O presidente rematou que “a empresa irá discutir com os Governos sobre a reabertura do porto, bem como vai entregará um pedido de prolongamento dos horários”. “Caso os Governos respondem ao prolongamento, a nossa empresa vai adicionar mais barcos”, garantiu.

Efeitos negativos

Zhu Hong In, director da Associação de Mútuo Auxílio dos Moradores da Marginal indicou que, embora o encerramento não influencie em massa os moradores de Macau, a decisão irá ter consequências negativas para as actividades comerciais da zona do Porto Interior, especialmente nos primeiros dias do Ano Novo Chinês. O director sugere que os Governos criem um plano que possa ligar estes portos, como por exemplo uma ponte entre Macau e Wanchai.
Apesar de Ieong Tou Hong, director da Associação Promotora da Economia de Macau, ter lançado uma proposta de renovação do terminal em 2012 ao Governo de Zhuhai, nada aconteceu. A proposta foi recusada e o terminal em causa nunca foi alvo de renovações ou reconstruções. Para o director, que também propôs a construção de uma ponte que ligue as duas zonas, é natural que as pessoas estejam descontentes com o encerramento da única forma de passagem naquela zona.

Mais e melhor

Para Kai, portadora do passe que lhe permite pagar, pelo bilhete diário, dez patacas em vez de 30, o serviço deverá ser restituído mas com nova cara. “A questão dos horários é problemática, porque o último ferry era às 16h30 e isto é muito cedo para quem trabalha em Macau e tem de voltar para Wanchai. A cobrança dos bilhetes é também um ponto negativo do serviço, porque, por exemplo, nas Portas do Cerco não pago nada”, argumenta. “Espero que o porto possa ser aberto novamente, mas com mais barcos e preços baratos, especialmente depois de todas as fronteiras oferecerem flexibilidade de horários. Não vejo porque é que este terminal marítimo deva funcionar de forma diferente”, registou.
Lai Wai acredita que o encerramento desta alternativa vem dificultar e trazer mais problemas. “Isto vai fazer com que a pressão nas outras fronteiras, principalmente nas Portas do Cerco, aumente. Espero que o serviço abra rapidamente e que o horário seja alargado”, rematou.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here