PARTILHAR

A selecção de Macau conquistou duas medalhas de ouro, duas de prata e uma de bronze no 13.º Campeonato Mundial de Wushu, que terminou ontem em Jacarta. Já Portugal conseguiu o “melhor registo” de sempre num Mundial de Wushu, ao conquistar três lugares entre os dez primeiros no torneio, segundo o seleccionador José Machado.
De Macau, o atleta Jun Hua Huang conseguiu uma medalha de ouro na categoria de Nangun (bastão) e outra de prata em Nanquan (punhos do sul). O outro primeiro prémio que foi para Macau deve-se a Wai Keong Chio, que foi o melhor também em punhos do sul. Todas estas pertencem à categoria de Taolu, coreografias de luta.
Em alabarda, Nok In Wu leva para casa uma medalha de prata, enquanto o atleta Ka Seng Chong completa a lista dos vencedores de Macau ao conquistar o terceiro lugar na categoria de Tai Chi.
A competição de cinco dias contou com 904 atletas de 73 países e regiões, entre os quais Portugal. Francisco Ferreira, Filipe Ramos, Rodolfo Torres, Armindo Moreira, Pedro Santos e André Costa deslocaram-se à Indonésia.
“Conseguimos chegar aos quartos de final com dois atletas, contra superpotências que têm orçamentos completamente astronómicos em relação ao nosso, mas acho que foi muito positivo em todos os aspectos”, referiu à agência Lusa José Machado.
O técnico destacou que a equipa tem “muitos elementos novos” e está a ser renovada, logo, “existe alguma inexperiência” entre os atletas.
Em Wushu Sanda – o sistema de combate das artes marciais chinesas conhecido como Kung Fu – Portugal conquistou dois oitavos lugares, por intermédio de Francisco Ferreira (-60 kg), campeão europeu, e Armindo Moreira (-85 kg).
“Foi uma experiência óptima, aprendi muita coisa”, referiu Francisco Ferreira, mostrando-se motivado para trabalhar ainda mais e preparar-se para o Europeu.
Armindo Moreira concorda que a participação num Mundial trouxe “uma grande experiência”, porque “ver atletas com outro nível” ajuda a “treinar ainda mais para cada vez melhorar mais a n técnica”.
Na categoria de Dadao (alabarda) Filipe Ramos ficou em oitavo lugar, sendo esta a primeira vez que Portugal ocupa um dos dez primeiros lugares em Taolu, segundo o presidente da Federação Portuguesa de Artes Marciais Chinesas (FPAMC), Paulo Araújo.
“Foi um feito conseguir três atletas nos dez primeiros do mundo”, destacou, usando um provérbio chinês para dizer que a equipa lusa tem vindo a “crescer como o bambu, devagar, flexível, mas sempre a direito”.
O responsável admitiu que havia também algum nervosismo entre os atletas, porque para a maioria deles esta foi “a primeira vez que vieram a um Campeonato do Mundo”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here