PARTILHAR
O compositor e director do coro de Santa Rosa de Lima Aurelio Porfiri abandona Macau para ingressar em novos projectos, como investir na sua carreira de edição discográfica. Para trás deixa um coro de “anjos”, mas também várias desilusões

Sete anos depois da sua chegada a Macau, anuncia que vai deixar o território para embarcar em novos projectos. Qual é a principal razão para esta decisão?
Optei por me ir embora, principalmente por não me querer tornar numa pessoa frustrada. Sei que, especialmente para pessoas com a minha experiência e passado, Macau não é um local capaz de oferecer uma carreira profissional no mundo das artes. Vi outras pessoas que já estão frustradas e se sentem “presas” e consegui relacionar-me com a situação delas. Esta é a principal razão: Macau não consegue oferecer-me aquilo que quero e outra das justificações é que sinto que o meu ciclo aqui acabou. Fiz bastante enquanto cá estive, nomeadamente lançamento de vários trabalhos em diversos países. É tempo de abrir um novo capítulo na minha vida.

Há quem diga que essa pequenez de Macau faz com que haja mais oportunidades para os mais talentosos singrarem. Qual é a sua opinião?
Infelizmente, o que acontece é que esse aspecto aqui se reflecte da forma mais negativa. Algumas pessoas disseram-me que se ficasse em Macau, seria sempre considerado o melhor porque não existe competitividade. Mas o problema é precisamente esse. Quero crescer e isso só acontece quando o ambiente é desafiante e quando temos oportunidade para nos superarmos a nós próprios e a terceiros. Se não estivermos perto dos melhores, não crescemos. Aqui não há essa oportunidade, porque é demasiado fácil sermos os melhores.

Em retrospectiva… Quais foram as suas maiores conquistas aqui?
A maior delas todas foi manter-me vivo. Julgo que é uma coisa que se dá como garantida, mas não. Senti-me muitas vezes frustrado e desiludido e não importa com quem, porque acredito que o problema está no tipo de mentalidade. Faz-me rir quando as pessoas dizem que Macau é uma cidade internacional, porque basta viver aqui um dia para perceber que é um sítio com uma mentalidade provinciana. O exemplo mais simples disso é apanhar um táxi: se não soubermos falar um pouco de Chinês, o condutor nunca vai perceber porque não fala Inglês. Mesmo nas clínicas privadas… É preciso mostrarmos onde nos dói e onde os médicos devem procurar, porque também não sabem. Hong Kong e Londres são cidades internacionais, mas Macau não o é e não o digo num tom ofensivo. Assim sendo, toda a gente funciona como de uma vila se tratasse. Os meus pais têm casa numa pequena aldeia italiana e há lá um músico considerado pela população como Beethoven, mas só porque é o único. Isto acontece em Macau.

Em que sentido?
Como não existe nível de comparação, mesmo aqueles que estão abaixo do nível de mediocridade, são considerados muito bons. Quando as pessoas de fora chegam, sentem-se assim presos e começam a lutar contra o sistema. Isto torna a vida dos estrangeiros muito complicada. Por outro lado, posso dizer que ensinar os meus alunos foi das melhores coisas que me aconteceram. São realmente brilhantes e falo de forma enfática, porque sinto que eles são puros, no sentido criativo. E só o são porque são ainda muito novos, porque o sistema social de Macau tende a matar o espírito criativo. O talento de muitos deles está bastante acima de crianças de Singapura ou da China.

Recentemente, houve um maestro de Macau que disse que os locais não tinham capacidade suficiente para ingressar na Orquestra de Macau. Concorda?
Quando as pessoas dizem isso, acredito que estejam a referir-se às academias de música locais. Se os professores, o ensino e a escola não forem boas, como é que os alunos podem singrar? Sem querer puxar a brasa à minha sardinha, a verdade é que o coro de Santa Rosa de Lima, que dirijo, canta como anjos. Isto acontece com muito treino e o problema está no desenvolvimento do potencial que têm à priori, que não acontece porque não têm quem potencie isto. Aqui acontece ao contrário.

De que forma?
As pessoas estrangeiras têm oportunidades profissionais, mas nunca serão inteiramente bem-vindas, parte integrante da comunidade. Seremos sempre “de fora”. A mentalidade é muito semelhante à da China. Perguntaram ao Padre Teixeira porque é que se ia embora de Macau depois de quase 60 anos em Macau, ao que respondeu que não queria ver a cidade morrer. As comunidades chinesa e portuguesa vivem paralelamente. Aurelio Porfiri_GLP_01

Não existe, então, homogeneidade…
Gostava de acreditar nisso, mas não. É uma ideia metafísica, platónica, que seria bonito, mas que nunca aconteceu.

Acredita que o facto dos seus alunos serem brilhantes advém do facto de terem um professor ocidental?
Diria que são bons quando têm um professor muito bom, é assim que as coisas se fazem. Mesmo que tenhamos que lutar contra o sistema, incluindo pais e corpo académico. Sabemos que o universo musical local é muito pobre e os pais nem se interessam pela música que os filhos desenvolvem. Tive sorte, porque tive o apoio da escola, mas tive que lutar muito por determinadas coisas. Provavelmente esta cidade não vai numa direcção positiva de crescimento, mas sim negativa. Não é uma sociedade na qual quero viver, porque que sei as minhas limitações, reconheço que posso ter um mau temperamento enquanto músico e por isso sinto que tenho que evoluir.

A cultura chinesa é conhecida por ter o culto da disciplina e rigor na educação. Também são assim na aprendizagem de música?
A mentalidade europeia prima pela criatividade e a oriental pela disciplina. Veja-se o pianista chinês Lang Lang: na sua autobiografia, fala da severidade com que o pai o obrigava a estudar. Um dia, foi até ao Canadá e ouviu um pianista russo a tocar… Disse que foi quando finalmente se apercebeu do que era realmente a música. Os artistas chineses podem ser tecnicamente muito bons, mas a música ocidental é, como a expressão indica, ocidental, com uma filosofia, teologia, religião e linguagens associadas. Não se pode simplesmente misturar as duas coisas. Se perguntar a alguns dos meus alunos o nome do compositor e a história da peça que estão a tocar, não sabem, porque nunca ninguém lhes ensinou esta parte, só a técnica.

Um outro maestro disse que, devido ao estilo de aprendizagem da música na Ásia, é provável que o Ocidente perca vários talentos da música clássica por causa da incapacidade de concentração no estilo educativo europeu. Concorda?
Em termos de quantidade, talvez seja verdade. Contudo, tenho as minhas reservas relativamente à qualidade destes artistas. A maioria dos melhores artistas de música clássica continua a ser dos EUA ou da Europa. Os poucos chineses que lá estão começaram noutros locais que não na Ásia. O problema é quando se fica no mesmo sítio. Não se evolui. Os melhores compositores de Macau vão embora porque sabem que aqui não conseguem singrar e o problema é pequenez de mentalidade.

Não será possível alterar esta mentalidade?
Penso que não, porque as pessoas estão conscientes do mundo onde vivem e não têm uma posição reactiva, mas sim passiva. Ninguém aqui faz o que deve ser feito.

Falou sobre a diferença entre as culturas da música europeia e oriental. Como é possível ensinar estes dois estilos musicais, sendo um professor ocidental e tendo alunos chineses?
O principal é a confiança. Eles sempre confiaram cegamente em mim e fiquei muito feliz quando, no outro dia, passei por dois alunos meus na rua e disseram-me que tinham estado a acabar de cantar uma peça que lhes tinha ensinado. Isto mostra que consegui chamar a atenção dos alunos e fazê-los sentir-se especiais. Eles gostam da cultura europeia, mas temos é que os manter interessados.

Deu aulas em países ocidentais, nomeadamente Itália. Qual é a grande diferença entre ensinar crianças ocidentais e orientais?
Pela minha experiência, posso dizer que os chineses são certamente mais disciplinados. Em Itália, a sala de aula às vezes assemelhava-se a um campo de guerra, mas julgo que este é o outro lado da moeda. Isto só acontece porque somos mais emocionais e criativos. Por outro lado, isto é também o que potencia que façamos grandes coisas no mundo das artes. Aqui são mais silenciosos, mas temo que isto em parte seja dificuldade de comunicação. Egoisticamente prefiro os mais disciplinados, mas confesso que, em termos de talento e desenvolvimento pessoal, os mais entusiásticos fazem mais sentido.

O Festival Internacional de Música de Macau não deveria englobar mais estilos musicais além da clássica e do jazz?
Julgo que seria interessante, mas a ideia da organização é apresentar trabalhos que possam ter algum impacto real em Macau, uma coisa que chame mesmo a atenção da população local. Não sei quantas pessoas, exactamente, conhecem Placido Domingo em Macau e por isso percebo que a organização prefira fazer algo que chame a atenção. Não sei é se vai mudar os ventos. É um grande evento anual, mas o resto do ano continua tudo igual, seja na educação musical, na oferta de cultura…

Numa entrevista à TDM, referiu-se à música como uma forma de comunicação. O que quis dizer?
Precisamente isso. É uma forma de conhecimento, tão válida como as ciências exactas. Beethoven disse que a música é a forma mais elevada de conhecimento, mas porquê? Porque a música entra, muitas vezes, enquanto substituta das palavras, traduzindo emoções. A música não é uma linguagem conceptual, mas sim imagética e de emoções. O que temos que perceber é que somos precisamente isso: emoções. Se virmos um filme com uma cena de amor muito intensa e a imaginarmos sem a banda sonora, perde grande parte do seu impacto.

Fecha agora este capítulo de Macau. O que vem aí?
Não tenho uma mente fechada e experimento coisas novas se achar que faz sentido. Futuramente, quero desenvolver a minha empresa discográfica, com toda a série online. Depois, é ver o que surge. Tenho tantos livros que quero publicar…

Que publicações tem planeadas?
Tenho mais um para ser publicado já em Outubro, em italiano. É sobre Macau e a minha experiência na Ásia, sobre a mentalidade e nada que ver com aprendizagem da música. Vou continuar também a minha colaboração com o jornal O Clarim, como correspondente a partir de Roma.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here