PARTILHAR

Há semelhanças assustadoras entre o início e o fim da vida. A vida começa e acaba num estado extremo de fragilidade, como se o entretanto não tivesse servido para nada. No entretanto, entre o princípio e o fim, andamos demasiado ocupados a viver a vida que inventámos para nos lembrarmos de que o princípio e o fim são demasiado parecidos. Há momentos em que a realidade nos invade e aí deixas o orgulho com que empurras o carrinho do bebé e usas a tua força para não chorares enquanto fazes a cadeira de rodas deslizar pelos corredores do hospital.
No entretanto esquecemo-nos do que fomos e do que vamos voltar a ser. A dependência inconsciente do nascimento não deixa marcas para recearmos a dependência atordoada do fim, aquela de que todos temos conhecimento, mas que preferimos ignorar no entretanto. Temos ainda tendência para achar que o entretanto dura sempre, não tem fim, apesar de o entretanto acabar quando menos a gente espera.
Temos um modelo social que não faz qualquer sentido. E sofre de falta de lógica desde a primeira hora: o nascimento não é um momento familiar, não é humanizado, não é o momento mais importante das vidas que ali estão, mas sim um acto médico como outro qualquer. Despacha-te que a seguir vêm outros.
Os primeiros dias dos nossos também não são da melhor qualidade. Nesta cidade, ter filhos ou não ter é mais ou menos irrelevante em matéria de legislação laboral, concede-se o tempo do puerpério e depois já está, volta ao trabalho que há outros à espera, agora até querem dar uns dias a mais em casa mas é se as mães não respirarem, não comerem, não derem de comer aos filhos, que são dias livres de encargos para quem as emprega. Despacha-te e não olhes para trás.
Porque os patrões ainda não descobriram que mães e pais felizes são trabalhadores sossegados, também não há dessas modernices de horários reduzidos, possibilidades de redução salarial se nos primeiros anos houver necessidade de ficar mais por casa, não interessa se os filhos dos outros são bonitos e rechonchudos ou frágeis e doentes. O que conta é o entretanto e o entretanto é a despachar.

Macau é uma terra pouco educada para as pessoas, para as outras pessoas, para os outros. Não se decide nada a pensar nos outros, não se pensa nos outros, há só o entretanto que é meu, só meu, eu quero lá saber de ti

No entretanto os anos passam e a malta vê os filhos de manhã e talvez à noite, que bem que estão a crescer, a creche do bairro faz bem o trabalho, a escola onde anda continua a fazer bem o trabalho, olha que grande que já está, olha só, cresceu tanto e nem deste por isso. O entretanto passa depressa, nós aqui entretidos a tentarmos ser os melhores, não porque nos apeteça mas porque tem de ser, é este o mundo em que vivemos, um mundo que não se compadece com entretantos, um mundo que não se compadece nem com o princípio, nem com o fim. Já não há espaço para dores, para alegrias. Ninguém anda descalço na terra. Ninguém se deita na relva ao sol, porque não nos deixam.
As imagens que foram postas a circular na Internet no fim-de-semana passado: há uma filha enraivecida que espanca uma mãe indefesa numa cadeira de rodas, uma filha que grita, grita, eu não sei chinês mas não interessa, percebe-se tudo o que ali está. E grita e volta a gritar, está no meio da rua e os outros não têm nada que ver com o assunto, a mãe é dela e ela bate-lhe se quiser, já bateu, mete-te na tua vida, que isto é um entretanto.
O Governo reagiu, o que aquela mulher fez é um caso de polícia, a mãe precisa de ajuda, a filha de certeza que também precisa. Faz-se o relato da vida difícil da agressora, apuram-se as causas, procura-se uma explicação para semelhante raiva, como se a raiva carecesse de fundamentação. Caso resolvido, voltamos ao entretanto.
Esquecemo-nos dos velhos cada vez mais frágeis, dos que são agredidos e dos que são ignorados, dos que não são nem uma coisa nem outra mas queriam ser aquilo que já não podem ser e, por isso, não são felizes, esquecemo-nos de que o entretanto não dura sempre, de que também nós, egoístas, vamos ter rugas e perder a força nas pernas, a força nas mãos. Esquecemo-nos do que é morrer e do que é nascer, porque não fomos ainda capaz de perceber a vida, de saber viver. Não nos deitamos na relva em dias de sol.
Prometem-nos mais apoios sociais, mais atenção a casos como o da mãe espancada – que história de vida teve ela, que já se conjuga no passado? –, uma maior sensibilização e coisa e tal e nós dizemos que sim, sabemos que isso é preciso, sabemos que são coisas que fazem falta aqui e noutro sítio qualquer, os filhos estão perto mas não têm tempo, não têm paciência, depois há os filhos que estão longe e também não podem. Mas o que faz falta, mesmo, é pararmos e olharmos para o que temos à nossa volta, se o PIB nos basta, se a educação que damos aos nossos filhos é suficiente, se é neste mundo de entretantos que nos queremos entreter, a deixar para amanhã o que já devíamos ter sentido ontem, o que já devíamos ter mudado ontem.
Macau – e às tantas o resto do mundo também, mas do resto do mundo sei pouco – é uma terra pouco educada para as pessoas, para as outras pessoas, para os outros. Não se decide nada a pensar nos outros, não se pensa nos outros, há só o entretanto que é meu, só meu, eu quero lá saber de ti, dos teus filhos, dos teus velhos, dos teus.
A relva é minha, não é nossa e nela não te esticarás ao sol.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here