PARTILHAR
O sonho luso não vingou uma vez mais. Nelson Évora e Fernando Pimenta não subiram ao pódio. Simone Biles arrepiou caminho colocando-se ao nível mais alto da competição. A atleta ganhou quatro medalhas de ouro. Usain Bolt volta a surpreender e corre em direcção ao oitavo título. Por fim, a história do atleta que dedica a sua conquista ao líder do país

Oportuguês Fernando Pimenta foi o melhor a arrancar na prova de K1 1.000 metros, mas o sorriso da liderança foi desaparecendo à medida que algas e folhas da Lagoa Rodrigues de Freitas o impediam de ganhar velocidade. No fim, ficou a tristeza da conquista de um quinto lugar. O português foi medalha de prata em K2 1.000 metros em Londres, em dupla com Emanuel Silva.
O ouro foi conquistado pelo espanhol Marcus Walz, que seguia no quinto lugar aos 750 metros da regata.
Outro atleta em quem os portugueses tinham depositado esperanças era Nelson Évora. Alcançou o sexto lugar no concurso do triplo salto, com o seu melhor registo, (17,03), no entanto a vitória foi direitinha para o norte-americano Christian Taylor que revalidou o título conquistado em 2012, graças aos 17,86 metros do primeiro ensaio.
O norte-americano Will Claye (17,76), celebrou a medalha de prata com o pedido de casamento à sua namorada, a também atleta Queen Harrison, que estava nas bancadas.
Para a China seguiu o bronze, a primeira medalha de sempre nesta modalidade, e o responsável é Dong Bin com a marca de 17,58. 

Salto à vara desilude

Apontada como favorita no salto com vara, a brasileira Fabiana Murer foi incapaz de reeditar o êxito do conterrâneo Thiago Braz, que na segunda-feira conquistou a medalha de ouro na especialidade.
O sonho de Murer terminou logo nas eliminatórias com os três falhanços em 4,55 metros, uma marca que lhe tinha valido, pelo menos a presença na final. Marta Onofre (4,30) e Leonor Tavares (4,15), também foram afastadas.

Bolt corre para o oitavo título

Depois de ter conquistado a sétima medalha de ouro, ao vencer pela terceira vez consecutiva a prova dos 100 metros, o jamaicano Usain Bolt qualificou-se facilmente para as meias-finais dos 200 metros.
Bolt gastou 20,28 segundos, abaixo do rival norte-americano Justin Gatlin (20,42), e poupou esforços nos últimos 50 metros, assegurando a 15.ª marca das eliminatórias. Ainda no atletismo a queniana Faith Kipyegon sagrou-se campeã olímpica dos 1.500 metros nos Jogos batendo a etíope Genzebe Dibaba, campeã e recordista mundial.
Kipyegon, que chegou ao Brasil com a melhor marca do ano (3.56,41 minutos) ganhou no estádio Olímpico do Rio de Janeiro em 4.08,92, enquanto Dibaba terminou em segundo, com o tempo de 4.10,27, trocando de posição com a queniana em relação aos Mundiais de 2015.
A norte-americana Jennifer Simpson, campeã do mundo em 2011, ficou com a medalha de bronze, terminando em 4.10,53.

Biles vezes quatro

Muito se esperava de Simone Biles, mas a atleta não conseguiu chegar às cinco medalhas, arrecadando “apenas” quatro. A americana que tem tido prestações intocáveis, igualou o melhor registo, ao conquistar o quarto título, na final de solo.
Aos 19 anos fica assim ao lado das ‘imortais’ Larissa Latynina (1956), Vera Caslavska (1968) e Ecaterina Szabo (1984), depois de ter vencido o concurso completo individual, a prova por equipas e no salto de cavalo.
Para se isolar na história olímpica, faltou-lhe o ouro na trave, em que conquistou o bronze.

Solidariedade vale presença na final

A queda da neozelandesa Nikki Hamblin e da norte-americana Abbey D’Agostino nas eliminatórias dos cinco mil metros acabou por se tornar um exemplo de solidariedade, que assegurou a presença das atletas na final.
Hamblin foi a culpada. Ao pisar a corda desequilibrou-se e caiu, levando a que D’Agostino, que seguia atrás de si, também fosse ao chão, a 2 mil metros do fim. A neozelandesa tentou recompor-se e perante as dificuldades físicas da adversária ajudou-a a levantar-se para cumprir a prova.
Apesar de terem cruzado a meta mais de um minuto e meio depois da etíope Almaz Ayana (15.04,35), o espírito olímpico de Hamblim (16.43.61) e D’Agostino (17.10,02) foi recompensado com a repescagem para a final.
Norte Coreano dedica título ao líder
Ri Se-gwang venceu o ouro no salto de cavalo com a pontuação de 15,691. O título estava anteriormente nas mãos da Yang Hak-seon, atleta da Coreia do sul. Ao vencer a prova o jovem de 21 anos, disse “É com uma alegria e uma emoção indescritível que dedico esta vitória ao nosso líder”, sem nunca referir o nome de Kim Jong-un. O ginasta de 21 anos, que fez uma saudação militar no pódio enquanto ouvia o hino nacional e reiterou esta dedicatória. “A medalha não me diz nada, é um presente para o meu país. Esta medalha de ouro é a alegria para o meu país”, rematou. A medalha de prata foi para o russo Denis Abliazin, que já a tinha conquistado em Londres, atleta que nas argolas foi medalha de bronze e o japonês Kenzo Shirai obteve a medalha de bronze, apesar de ter terminado com a mesma nota do romeno Marian Dragulescu, mas terá feito uma melhor execução, segundo os juízes.

COI não homenageia João Havelange

O Comité Olímpico Internacional (COI), ao qual João Havelange esteve ligado durante quase 50 anos, decidiu não colocar a bandeira oficial a meia haste em homenagem ao antigo presidente da FIFA, que morreu na terça-feira. O COI aceitou, contudo, o pedido do Comité organizador para que a bandeira do Brasil fique a meia haste. Mark Adams, porta-voz do COI, abriu a conferência de imprensa diária de terça-feira sem nomear o nome de João Havelange e não quis prestar declarações sobre o assunto, segundo o jornal Folha de São Paulo.
 

Taxista investigado por homicídio involuntário

O homem que conduzia o táxi envolvido no acidente que vitimou o treinador alemão de canoagem Stefan Henze, está a ser investigado por homicídio involuntário, informou a Polícia Civil do Estado do Rio de Janeiro. “O procedimento policial instaurado para apurar o pormenores do acidente que vitimou alguns membros da equipa de canoagem da Alemanha, na manhã do dia 12 de Agosto, na Avenida das Américas, foi alterado para o crime de homicídio culposo, devido à morte de Stefan Henze”, segundo comunicado da polícia. Stefan Henze, de 35 anos estava internado com ferimentos graves na cabeça e chegou a ser operado, mas acabou por morrer na segunda-feira.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here