PARTILHAR

Apaixonado por teatro e seduzido pela cultura Oriental, o português Samuel Gomes foi este mês distinguido com o prémio “Melhor Performance Artística”, no maior concurso do mundo para alunos de língua chinesa, o Chinese Bridge. “Foi uma surpresa. Entre mais de cem países, com tanta gente boa, a última coisa que se espera é receber um prémio”, conta à agência Lusa o jovem de 25 anos, natural do Porto.
Licenciado em Línguas e Culturas Orientais, pela Universidade do Minho, Samuel Gomes completou no ano passado um mestrado em Estudos de Teatro, na Faculdade de Letras da Universidade do Porto.
A edição deste ano do Chinese Bridge, que decorre em Hunan, província no centro do país, conta com a participação de 146 estudantes de Mandarim, oriundos de 108 países. Samuel, que estuda actualmente no Instituto Confúcio (IC) da Universidade do Minho, é o único concorrente de Portugal.
A declamação do poema Qiang Jinjiu (“Trazei o Vinho”, em Chinês), de Li Bai (701-762 D.C.), um dos maiores poetas da China antiga, valeu-lhe a distinção.
O interesse de Samuel pelo Oriente vem “desde muito pequeno”, quando “adorava ouvir música tradicional chinesa” e se deliciava “com fotos de templos chineses”, que chegava a desenhar no infantário.
Em 2009, optou por estudar Chinês, ainda a China não era “moda” em Portugal e “os estereótipos sobre o país entre os portugueses eram bastante acentuados”. “Existia uma espécie de complexo em aprender Mandarim”, recorda. “Hoje, todos os portugueses falam da China”, diz Samuel.
Em 2011, o Instituto Politécnico de Leiria criou, em colaboração com o Instituto Politécnico de Macau (IPM), a primeira licenciatura em Portugal de Tradução e Interpretação Português/Chinês – Chinês/Português. Desde o ano passado, o ensino de Mandarim foi também introduzido em algumas escolas portuguesas, ao nível do secundário e do terceiro ciclo, como alternativa de língua estrangeira.
O Mandarim é a língua mais falada do mundo. Para Samuel, trata-se de “uma língua justa, que expõe nitidamente o grau de esforço de quem a estuda”. “Quem a quiser estudar seriamente não pode apenas reter a consciência da dimensão da sua diferença. Tem, sobretudo, de a aceitar e sentir”, realça. Mais do que o seu sistema de escrita, é a existência de tons que torna o chinês numa “língua especial”, defende.
Assimilar estes processos exige anos de dedicação: “Actualmente, estudo cerca de 12 horas por dia. Estudo vocabulário, pratico dicção, vejo televisão chinesa ou faço traduções”, descreve Samuel. Ainda assim, “tudo isto não chega para se atingirem resultados mais elevados”, admite.
Segundo Samuel, para obter um bom domínio da língua chinesa é indispensável imergir na sociedade onde esta é falada. “Preciso da China à minha volta 24 horas por dia”, conclui.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here