Conselho das Comunidades | Secretário de Estado defende continuação

Jorge Gomes, Secretário de Estado da Administração Interna do Governo em Portugal, defende a continuação do Conselho das Comunidades Portuguesas, depois de Tiago Pereira, da secção do Partido Socialista em Macau, ter pedido o seu fim

O secretário-coordenador do Partido Socialista (PS) em Macau, Tiago Pereira, foi a Lisboa defender o fim do Conselho das Comunidades Portuguesas (CCP) no congresso do partido, mas esse desejo não deverá ser concretizado. Jorge Gomes, Secretário de Estado da Administração Interna, defendeu a continuação do trabalho desta entidade.
“Têm tido uma óptima relação com o Governo português e são pessoas que fazem um trabalho de excelência, o qual deve ser mantido”, disse Jorge Gomes no âmbito de uma visita às instalações da Associação dos Trabalhadores da Função Pública de Macau (ATFPM), da qual fazem parte os três conselheiros de Macau: José Pereira Coutinho, Rita Santos e Armando de Jesus.
Jorge Gomes, que faz parte de um Governo de coligação entre o PS, Bloco de Esquerda e Partido Comunista Português (PCP), e que é militante do PS, optou por se distanciar das palavras de Tiago Pereira.
“Há duas áreas distintas que temos de respeitar: aqui represento o Governo de Portugal e não o PS, apesar de eu ser militante. Quando temos um congresso todos nós temos o direito de ir lá manifestar as nossas opiniões. Isso não vincula nada o programa e as posições que o Governo deve ter. O PS tem o direito à sua opinião e estratégia. O Congresso do PS tem uma moção aprovada, o resto são propostas que aparecem mas não são vinculativas.”
A visita de Jorge Gomes à ATFPM foi acompanhada pelos três conselheiros e pelo cônsul-geral de Portugal em Macau, Vítor Sereno. Na sua visita guiada, Coutinho aproveitou por falar do trabalho realizado pela ATFPM e da sua candidatura à Assembleia da República pelo partido Nós! Cidadãos, descrevendo os cartazes espalhados pela sala.

Óptimas relações

Jorge Gomes, que visitou o território de forma oficial pela primeira vez, destacou as boas relações de Portugal com a China. “Trago essa mensagem do Governo português, a de que a nossa relação com a China e Macau tem sido uma relação extremamente facilitadora. A China é dos países mais importantes nas relações com Portugal fora da Europa. Temos aqui duas junções importantes: Macau com todos os portugueses e a relação com a China, que é de excelência.”
“A minha vinda aqui em representação do Governo português é uma vinda de solidariedade para com todos os portugueses que aqui estão, pelo reconhecimento do papel e trabalho que os portugueses têm tido, e também um reconhecimento para os conselheiros e o cônsul que faz uma representação diplomática de muito bom nível”, concluiu Jorge Gomes.

Voto electrónico | Caro demais para o país

Questionado sobre a possibilidade de implementar o voto electrónico, outro pedido feito por Tiago Pereira no Congresso do PS, o Secretário de Estado da Administração Interna disse que o projecto deverá custar mais de 360 milhões de patacas (cerca de 40 milhões de euros), algo que leva à adopção de alguma prudência por parte do Governo. “Fica muito mais caro (do que o actual sistema). O orçamento que temos no Ministério da Administração Interna rondaria os 40 milhões de euros de investimento imediato, e temos de ter o bom senso para perceber qual o momento em que o país está preparado para o fazer. Para além disso é um projecto sobre o qual não temos ainda segurança suficiente para o implementar.”
Jorge Gomes referiu que será adoptado, para já, o voto antecipado em mobilidade nas eleições regionais dos Açores. “Todo e qualquer cidadão dos Açores pode votar em qualquer ponto do país. Este vai ser um projecto piloto, não falamos em voto electrónico porque falamos de valores incomportáveis para o nosso país, mas vamos fazer o primeiro teste e depois iremos progredir. É um assunto que faz parte da modernização administrativa do nosso país, queremos progredir mas com muita segurança e com muito realismo, com cuidado, porque as eleições são um acto muito importante”, rematou Jorge Gomes.

13 Jun 2016