UCP | Filme “A última vez que vi Macau” exibido no Porto

A Escola das Artes da Universidade Católica do Porto recebe, de 18 a 23 de Junho, uma semana de actividades gratuitas dedicadas ao cinema, com um programa de formação e várias projecções de filmes, conferências e exposições. No último dia, os realizadores João Pedro Rodrigues e João Rui Guerra da Mata apresentam “A Última Vez que Vi Macau”, juntando-se após a sessão a Haden Guest, para discutir a obra, numa projecção marcada para o auditório da Escola das Artes.

A “Summer School on Cinematic Art” começou na segunda-feira e decorre até sábado com um programa aberto ao público, decorrendo ainda em vários espaços da cidade do Porto, do auditório da escola ao Cinema Passos Manuel, à Biblioteca Municipal Almeida Garrett ou a Serralves, com um conjunto de projecções de filmes, debates e exposições.

A reitora da Universidade Católica Portuguesa, Isabel Capeloa Gil, abre o programa com uma aula sobre “cinema e o inconsciente tecnológico”, num dia que terá ainda uma projecção de “El Dorado XXI”, filme documental de Salomé Lamas, na Escola das Artes.

A realizadora portuguesa inaugura ainda a exposição “Auto-retrato”, projecto final da residência artística que levou a cabo na Católica do Porto e ancorada numa experiência de filmagem na Transnístria, território que contém uma república autoproclamada, não reconhecida pelas Nações Unidas, em conflito com a Moldávia desde a dissolução da União Soviética.

Amanhã, o cineasta tailandês Apichatpong Weerasethakul apresenta, na Biblioteca Almeida Garrett, o filme “Tio Boonmee Que se Lembra das Suas Vidas Anteriores” (2010), com que venceu a Palma de Ouro do Festival de Cannes.

Weerasethakul inaugura, na sexta-feira, a exposição “The Serenity of Madness”, uma mostra de curtas-metragens experimentais e instalações vídeo, bem como fotografias, ‘sketches’ e materiais de arquivo, que podem ser vistos no Núcleo de Arte da Oliva, em São João da Madeira.

O realizador, que considera “muito belo” o cinema de Manoel de Oliveira e de Pedro Costa, esteve em Portugal em 2016, para as estreias nacionais de “Cemitério do Esplendor”, o filme, e do espectáculo que o prolonga em palco, “Feever Room”, apresentado no âmbito do festival Temps d’Images, tendo ainda concebido a exposição “Liquid Skin”, para a casa das caldeiras da antiga Central Tejo, do Museu de Arte, Arquitectura e Tecnologia.

20 Jun 2018

João Rui Guerra da Mata: “A cultura tem de estar focada no futuro”

João Rui Guerra da Mata e João Pedro Rodrigues co-realizam “270, San Ma Lo”. O filme, que ainda só é uma ideia, tem como pano de fundo o Hotel Central de Macau e está a ser apresentado no “Crouching Tigers Project Lab”. O HM falou com Guerra da Mata que considera a possibilidade de comunicação entre a arte e a indústria uma oportunidade “fantástica”

A dupla de realizadores João Rui Guerra da Mata e João Pedro Rodrigues estiveram em Macau para apresentar à indústria cinematográfica o novo projecto “270, San Ma Lo”, para o qual obtiveram ontem um financiamento de 20 mil dólares, atribuídos pela Fox International Productions.

O projecto “Crouching Tigers Project Lab”. Sem querer adiantar ainda muito acerca do filme, Guerra da Mata admite que é uma ideia já com alguns anos. “Partiu de uma carta-branca para participarmos num festival que acabou por não avançar”, explicou ao HM.

No entanto, fazer uma história a partir do Hotel Central de Macau, cuja morada corresponde ao nome da película, não ficou esquecida. “Mas a ideia de fazermos um filme que tivesse este hotel como ponto de partida era um projecto que queríamos mesmo fazer. É um lugar com uma história extraordinária, na altura era o prédio mais alto do chamado império português e nós sempre achámos que o facto daquele hotel ser um ninho de espiões era fantástico”.

“O filme não é o Hotel mas o que se lá passa”, referiu. “Este filme tem muito a  ver com o período da guerra do Pacífico que, na minha opinião, não é muito conhecido em Portugal. É um período que nos interessa muito”, mencionou enquanto desvendou um pouco mais do que poderá aparecer no grande ecrã: “o filme começa na actualidade e depois, sem revelar muito, vamos encontrar Macau e personagens de cá nesse período em que o território foi um importantíssimo centro geopolítico e tinha militares das várias tendências políticas mundiais”. A importância em abordar Macau no contexto da guerra reside no facto de ser “um assunto que ninguém sabe ou, quando muito, é do conhecimento de um grupo muito reduzido em Macau”. O desconhecimento abrange, na opinião do realizador, os países asiáticos: “por outro lado, tenho visto nos encontros que se estão a fazer aqui que é uma história que ninguém conhece”.

Para o mundo

João Guerra da Mata considera a ideia do Festival Internacional de Cinema que está a decorrer “absolutamente extraordinária” porque podia ser uma forma de divulgação de cinematografias de países com menos visibilidade em território chinês e asiático.

A secção em que está a participar, o Crouching Tiger Project Lab, é no entender do cineasta, “uma ideia absolutamente maravilhosa”. “Esta coisa de existir uma secção que selecciona uma série de projectos entre os muitos que foram enviados, e permitir que o autor possa ter uma conversa, durante alguns minutos, em que se apresenta o projecto de modo a que possa haver possibilidades de produção, financiamento e distribuição é uma coisa muito boa”, explicou.  Por outro lado, “o cinema português tem co-produções que já existem num registo imediato, como a França ou a Alemanha e esta iniciativa permite a possibilidade de associação a países asiáticos. Macau podia servir de ponte entre o mundo e o mercado chinês.”

A ideia para o filme está a ser bem recebida, apesar de se encontrar ainda numa fase muito embrionária. “Nas reuniões que tenho tido apercebi-me que já há aqui filmes muito desenvolvidos, o que não é o nosso caso, mas as pessoas mostram-se interessadas”.

De relevo, é a comunicação entre a arte e a indústria e, para Guerra da Mata, “o que é mais interessante é que o cinema enquanto arte, aqui tem o contacto que precisa de ter com a indústria. O cinema é uma arte, mas também é uma indústria”.

Guerra da Mata passou a infância no território e tem-no “sempre muito presente”. Não sendo uma presença “nostálgica”, classifica a sua atracção por Macau como “quase física”. “No entanto tenho pena que não haja um pensamento relacionado com cultura”, admitiu ao HM.

“A cultura não é só o passado, antes pelo contrário, tem de estar focada no futuro e, por causa disso mesmo, custa-me muito ver as coisas serem todas destruídas, porque qualquer dia é tarde demais”, explicou. Para o cineasta, “Macau, culturalmente, é única no mundo por ser um lugar de fusão e influencia mútua pelo que gostava que a cultura luso chinesa não fosse vista como um complemento aos casinos. Gostava que fosse mais dinâmica.”

12 Dez 2016