Dia de Todos os Santos

É difícil de perceber como cada pessoa não se esgota nem no seu semblante, nem na sua aparência, nem no seu corpo, mas como é portadora de uma multidão de gente contemporânea, antepassada, posterior. É assim que se passa conosco e podemos adivinhar que se passa com os outros por quem passamos, com quem está à nossa frente, desconhecidos, mas também conhecidos. Cada pessoa é uma atmosfera. Cada pessoa existe não apenas nesse interior contemporâneo à situação em que se encontra, mas está determinada a existir com as influências que os outros têm sobre si próprio. Acontecemo-nos uns aos outros, deixamos os outros ficar bem ou mal, damo-nos alegrias e tristezas. Cada pessoa é o mundo complexo de que é portadora. Leva a sua vida, carrega-a. Todos nós somos as nossas pessoas e estamos implicados em todos os outros por mais abstracto que seja o círculo dos círculos: a humanidade. Levamos conosco todas as pessoas das nossas vidas. Quando duas pessoas se encontram estão multifacetadas por toda a gente que existe no seu interior. Este interior é tão exterior que somos com as impressões que os outros deixaram. As vidas passadas dos outros existem ainda, mesmo que tenham desaparecido, não estejam entre nós, como dizemos. Lembro-me de como antepassados me pediram para levar cravos à sua sepultura futura, de como era importante que soubessem que ficariam a viver em mim, como se isso os isentasse à morte e não os deixasse enterrados numa sepultura não visitada. Ia sempre no dia de todos os santos visitar os parentes mortos, as avós e o avô e aquele amigo de infância desde toda a hora que teve uma vida tão breve quanto violenta e triste. Quando passava de carro com o meu pai pelo cemitério onde estava enterrado, levava-o comigo até à praia. Era só com a voz que eu convivia. Durante anos lembrava-me de como era a sua voz, mas depois acabei por esquecer, para só de quando em vez me lembrar dela. Era miúdo quando passava de carro em frente ao cemitério. Depois despedia-me dele, invisível, como quem deixa um amigo em casa e seguia a minha vida, como todos os que ficaram vivos seguem. Não é quem morre que fica. É quem permanece na vida que fica, pelo menos ainda, para morrer. Todos os nossos mortos estão já isentos, saíram de cena, não estão em jogo. E não desapareceram. Coisa estranha. À medida que o tempo passa, temos mais gente morta viva em nós do que pessoas vivas que nos digam alguma coisa. Somos determinados pelas atmosferas passadas dos outros e que criam ainda agora atmosferas presentes e futuras. Mesmo com o aumento da população mundial, sobrevivemos a todos, somos o resto, sou o resto, como se estivesse com o feixe na mão a alumiar a noite escura.

As labaredas da chama têm ainda iluminado o passado presente dos outros todos que se foram. Há cemitérios cheios de gente que lá foi em romaria no dia de todos os santos, famílias inteiras que se reúnem sentadas a falar dos mortos e com os mortos. Outrora ficava perplexo com as imagens cinematográficas em filmes de personagens norte-americanas que visitavam campas relvadas em cemitérios e falavam verdadeiramente com os seus mortos. Todos falamos com os nossos mortos. Eles falam conosco, quando menos se espera, mas perguntamo-nos e se soubessem como nos encontramos agora, o que fizemos das nossas vidas. Talvez não precisemos de ir aos cemitérios nem que sejam em campos relvados ou tenhamos os nossos mortos em casa como a tradição japonesa. Se os nossos mortos não fazem sentir a sua presença podemos pensar neles, com aquela forma preciosa de conjuramento em que eles aparecem como se fosse véspera de Natal, dia de aniversário, ou então só um dia bom em que eles estavam bem e se sentiam felizes. E nós com eles.

1 Nov 2019

São João | Arraial com mais espaço em São Lázaro

A tradicional festa do São João esteve ameaçada, mas há arraial no próximo fim-de-semana no bairro de São Lázaro e, afinal, ocupa mais espaço do que nas edições anteriores. A organização também conta com mais uma entidade: a Associação dos Jovens Macaenses

“Que o arraial, um dia, ocupe o bairro todo”, são as palavras da presidente da Casa de Portugal em Macau (CPM), Amélia António, visivelmente satisfeita não só com a permanência da festa popular no Bairro de São Lázaro, como, dada a adesão, com o alargamento do próprio espaço para acolher mais uma edição do arraial.

O evento esteve ameaçado quando a Direcção dos Serviços para os Assuntos de Tráfego quis impedir a sua realização naquela zona, mas o bom senso acabou por ganhar. “As pessoas acabaram por ponderar e perceber que era melhor continuar a ter esta festa e manter a atracção para os turistas que já vêm para o arraial, nomeadamente de Hong Kong”, disse ontem Amélia António na apresentação de mais uma edição do São João.

Valores mais altos se levantam e, neste caso, “o valor das coisas acaba por se impor”, sublinhou. Além de manter a localização, a festa vai ter, afirma a presidente da CPM, “um bocado mais de rua”. A razão, apontou a responsável, tem que ver com o cada vez maior número de interessados em participar através da exploração das barraquinhas que a organização coloca ao dispor, gratuitamente, de quem quiser.

A festa vai contar com cerca de 40 tendas comerciais, sendo que, admite o presidente da Associação dos Macaenses (ADM), Miguel de Senna Fernandes, os esforços vão continuar a ser por um crescimento constante e por, finalmente, o arraial de São João poder vir a ser considerado na agenda da própria Administração.

Já Amélia António pretende que, no futuro, “todas as casas estejam decoradas para a festa”. A razão, aponta, é este poder vir a ser um factor de diferenciação relativamente a outros eventos no território e mesmo na região.

Festa para todos

Mais do que uma festa portuguesa, o Arraial de São João pretende vir a ser a festa de todos e para todos. A comissão organizadora lamenta, no entanto, que a maior adesão, nomeadamente às tendas comerciais, seja feita por portugueses, sendo que o objectivo é de que, com o tempo, os pedidos comecem a vir das várias comunidades que integram o território.

Miguel de Senna Fernandes sublinha ainda o empenho que a organização tem tido em tentar fazer entender a população de que não se trata apenas de uma festa de portugueses. Para o responsável da ADM, os contactos são feitos anualmente com as associações de moradores. No entanto, se por um lado estas entidades não se mostram com vontade de fazer parte das actividades, por outro, afirma, “são cada vez mais os membros da comunidade chinesa que aproveitam este fim-de-semana para ir a São Lázaro e assistir a uma festa diferente”.

Foi também ontem assinado o documento de adesão da Associação de Jovens Macaenses ao protocolo da comissão organizadora do Arraial de São João. Para Amélia António, é mais “um novo fôlego de capacidade e trabalho” que se junta à iniciativa.

O Arraial de São João tem anualmente um orçamento fixo entre 400 mil a 500 mil patacas, um apoio dos Serviços de Turismo que se destina a assegurar as despesas básicas inerentes à logística do evento.

21 Jun 2017

Turismo de Natal

Desde que dou o meu humilde contributo a esta grande empresa que é o Hoje Macau (afinal é época de “dar”), este ano deve ser a minha vez de desejar as Boas Festas aos leitores, uma vez que nenhum dos feriados da quadra natalícia caiu a uma quinta-feira. Mas é com muito gosto que o faço, naturalmente, e aqui: Bom Natal e até ao meu regresso. Sim, tal como qualquer outra pessoa que não tem uma boa razão para ficar em Macau pelo Natal e tem quatro dias de férias, vou aproveitar e dar uma volta aqui por perto, onde pelo menos dê para sentir algum do ambiente natalício. O ano passado foi Xangai, este ano é Taipé.

Mas em primeiro lugar gostaria de saudar a comunidade macaense e os restantes cristãos naturais de Macau, pois parece invasivo estar a inclui-los neste rol de lamentações. Estes são os hóspedes do Natal de Macau, na terra deles, e os restantes são convidados. Quem não gosta não é obrigado a comer, e se não quiser ficar à míngua, se calhar o melhor é fazer-se à vida. Dito isto, desejo uma santa consoada aos cristãos de Macau que vão tomar com as suas famílias a ceia de Natal. E agora os outros.

Quem é natural de Portugal e tem aí uma boa parte da família, é natural que faça um esforço suplementar em termos financeiros e de gestão das férias para passar o Natal junto de quem tem saudades, e vice-versa, claro. A estes, que aproveito igualmente para saudar, a época consagrada ao dia 10 de Dezembro e seguintes é chamada de “fuga de Macau” – longe que te quero, lá vou eu, beijinhos a quem fica. Quem acha que as “saudades” são uma coisa que precisa de maturação, ou simplesmente não se pode dar ao luxo de ir “marcar o ponto” a Portugal todos os natais, vai ano sim/ano não, e quando é “não” vai para a Tailândia com o agregado familiar, ou no ausência deste, com amigos e amigas na mesma condição. Acho óptimo, não façam daqui segundas leituras. É uma das muitas vantagens de estar aqui a viver, e não em Portugal. Que bom para nós.

Na eventualidade de nem sim nem sopas, não há disponibilidade, férias ou vontade de sair de Macau, não deve o expatriado comum entrar em depressão. O que é isso, se em Macau os locais aderem ao Natal, ou mais ou menos isso. Primeiro, o dia 25 é feriado para toda a gente, o que por si já é mais que suficiente para não ignorar a noite da consoada. Talvez para quem comemora o Natal na sua vertente cristã e junto da família isto pareça demasiado “insonso”, mas no fundo isto não difere muito do que sentimos em relação ao Ano Novo Chinês, onde por vezes damos connosco a pensar: “What’s the point?”. Ficar em Macau no Natal não é “a mesma coisa” que sair, mas também não representa o fundo do barril da solidão, p’lamordedeus.

O que faz falta em Macau (olha, parece o nome daquela ex-rubrica de um título da concorrência) era…sei lá, mais luzes de Natal, como aqui ao lado em Hong Kong? E que tal uma árvore de Natal no centro da maior praça que não fosse um sólido geométrico feito de papelão, por exemplo; as árvores tinham folhas, da última vez que vi uma. Para evitar esta onda de turismo daqui para fora NO Natal, era preciso que Macau investisse no turismo DE Natal. Como? Talvez com outra coisa que não fosse casinos, e casinos, e mais casinos.

Feliz Natal.

29 Dez 2016

Eu, Português, me confesso

Ontem assinalou-se mais um 10 de Junho, e com este começo de frase na língua em que a estou a escrever quase nem é preciso acrescentar mais nada para que outra pessoa que a esteja a ler e a entenda saiba exactamente o que esta data significa. Isto é tão extraordinário que nem encontro palavras para descrever o que sinto, pois com toda a certeza que iria ser acusado de “não respeitar nada” ou de “ter a mania das gracinhas”, e depois assim “não me levam a sério” (o que para mim dá imenso jeito, que sempre me chateiam menos com bagatelas). Trocando isto por miúdos, não sou patriota nem patriótico, ou nada que rime com “idiota” ou “hipnótico”, mas sinto que tal como todos os que vêm de lá daquela toca-de-rato atirada lá para fundo do continente que levou novos mundos ao mundo (diz-se por aí) chamado Portugal, existe dentro de mim um gene que me torna especial . A mim e a todos os portugueses, naturalmente: somos todos especiais. Os “special ones”, como diz o outro nosso compatriota. Mas o que é, no fim de contas, esse “ser” Português?

[quote_box_right]O 10 de Junho é o único dia em que nos lembramos que somos portugueses, em vez de nos recordarem a toda a hora dessa maldição, que é ao mesmo tempo uma benção. Porquê? Epá não me perguntem. Sou só um português…
[/quote_box_right]

Existe um rol de personagens, reais ou da ficção, com que por vezes associamos os naturais de determinado país, o que pode parecer algo redutor, mas que às vezes tem a sua graça – que me pode garantir que se lhe for apresentado um natural do México, não vai demorar nem dois segundos até pensar no Speedy Gonzalez? Noutros casos somos induzidos a associar factos ou episódios históricos, muitas vezes caindo na tentação de cometer uma pequena crueldade. Assim de repente lembro-me do caso particular dos alemães, que por muito agradáveis que tentem ser (e até vão tentando, coitados) não se safam do rótulo que o tio Adolfo lhes colou durante aquele curto mas a todos os títulos lamentável período durante os meados do século XX. Mas e nós, a quem ninguém chama de “nazi” ou associa a qualquer desenho animado mundialmente famoso pela sua castiça e rústica foleirice? Temos o Zé Povinho, eu sei, “toma!” e tal, mas quantos estrangeiros conhecem o Zé Povinho? Já agora, e com todo o respeito pelo “my main man” Rafa Bordas Pina, este não podia ter pensado num nome menos idiota para dar ao seu personagem? Fica muito a dever à criatividade, para quem é considerado um dos maiores satiristas lusitanos.

Ser português é uma seca: nada acontece, aconteceu ou acontecerá que a isso nos deixe indelevelmente associados. Pois é, os descobrimentos e não sei que mais, tudo bem, mas e o “timing”? Não existia Facebook para se fazer um “like” ao Pedrocas Álvares quando ele escrevesse na sua página que tinha acabado de chegar a um sítio bué giro, com praia a perder de vista e habitado por nativas nuas sem qualquer noção de nenhum tipo de moralidade, e que ia “ficar com aquilo para ele, tipo”. E a malta comentava: “Que invejaaaaaa! LOOOOL!!!”. Não tínhamos “twitter” para seguir o Vasquinho, enquanto ele desbravava o imenso e aborrecido desconhecido inteiramente composto por água do mar, dando assim início ao que conhecemos hoje por “globalização”. Uau, isto é bestial, e até é algo de que os americanos falam a toda a hora, e tal, e foi um português que inventou, dizem vocês? So what? Isto é típico do tuga fala-barato e mandrião: dá início a um projecto que não desenvolve, e quando outros pegam na ideia e a convertem em algo de sumptuoso, quer a sua parte dos louros. Já viram a lata do tuguinha?

É difícil ser só, pequenino, triste e sem amigos. Dez milhões? Se fossemos uma cidade não estaríamos nem entre as vinte mais populosas. E com uma área aproximadamente do tamanho do estado do Indiana, porque carga de água haviam os americanos de se importar connosco, com dúzias de portugáis ali mesmo à mão de semear? Mesmo no contexto da Europa, reparem com somos uma das pouquíssimas nações com mais de um século de existência (cem anos) que nunca ganhou um europeu de futebol nem o Festival da Eurovisão. Na mesma situação encontramos apenas países como a Finlândia, Islândia ou Malta – até a Grécia já ganhou um de cada destes eventos que mencionei, por amor de Deus! Será que é por sermos baixinhos que ninguém se apercebe da nossa insignificante existência? Sabem quantos espanhóis, franceses e italianos ganharam óscares? E até alemães, e checos? Onde está o nosso Ingmar Bergman? E o nosso Van Gogh? Está alguém aí, ou só o eco? Será que existimos de verdade ou atrevemo-nos a fazer essa presunção – no nosso caso é um presuntão.

Perdoem-me esta pequeno desabafo, que no fundo é um pouco parte daquilo que somos, e que até ficamos associados através da nossa própria canção nacional: um longo e triste fado, um lamento sem fim. Mas atenção, alto lá, que há vantagens em toda esta insignificância, pensam o quê? Ninguém nos chateia, por exemplo, o que é bom quando nos dá moleza (sempre), ou na hora da sesta, essa nobre tradição lusitana cada vez mais em desuso. Pensem só nas vantagens que temos no evento de um conflito termo-nuclear. Com toda a certeza que somos um dos últimos (e poucos) países onde despejar umas quantas ogivas em cima não justifica o tempo e os meios a que tal encomenda obrigam. E a propósito, hoje já é dia 11, e por isso estou desculpado. É que o 10 de Junho é o único dia em que nos lembramos que somos portugueses, em vez de nos recordarem a toda a hora dessa maldição, que é ao mesmo tempo uma benção. Porquê? Epá não me perguntem. Sou só um português…

11 Jun 2015