Banco Asiático | Anunciada ajuda de 20 mil milhões de euros

O Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) anunciou ontem um programa de cerca de 20 mil milhões de euros para os países membros emergentes, para ajudar a superar o impacto económico da pandemia covid-19.

O fundo triplica o valor do pacote financeiro anunciado há um mês, que o BAD decidiu aumentar devido ao agravamento dos danos económicos associados à pandemia. “A escala e o alcance da crise tornaram imperativa a crescente ajuda do BAD”, explicou o presidente japonês do banco, Masatsugu Asakawa, num comunicado divulgado em vídeo.

Ao abrigo deste programa, serão disponibilizados até cerca de 11 mil milhões de euros em empréstimos aos países em desenvolvimento que são membros do banco e que foram atingidos pela epidemia, além de cerca de dois mil milhões para distribuir pelo sector privado.

Os países em desenvolvimento membros do BAD incluem o Afeganistão, Birmânia, Índia e China.
No início deste mês, o BAD alertou que a pandemia poderia custar à economia global cerca de 4,1 biliões de euros, devastando todas as principais economias, incluindo as dos Estados Unidos e da Europa.

As bolsas de valores têm sido muito afectadas, com os investidores preocupados com o impacto da crise a longo prazo, embora governos e bancos centrais tenham intervindo, comprometendo-se a pagar biliões de dólares em apoios às economias.

14 Abr 2020

BAD | Crescimento económico de 6,6% em 2018

O relatório anual do Banco Asiático de Desenvolvimento destaca a consistência do desempenho da economia chinesa no primeiro semestre deste ano, mas adverte para as futuras consequências negativas que poderão advir do conflito económico com os EUA.

O Banco Asiático de Desenvolvimento (BAD) apresentou esta quarta-feira uma previsão de crescimento da economia chinesa situada nos 6,6%, graças à robustez do consumo doméstico e à sólida expansão do sector de serviços no país.

“O crescimento é incrementado por uma sólida performance económica na primeira metade do ano”, anunciou o Banco Asiático de Desenvolvimento no Asian Development Outlook 2018, a publicação anual dedicada à economia regional do banco.

No entanto, o BAD reviu a sua previsão para 2019 dos 6,4% para 6,3% “perante uma redução no crescimento da procura e da implementação de tarifas alfandegárias dos EUA e respectivas contra-medidas da China”.

“A reforma do lado da oferta, face ao apoio monetário e fiscal, irá, contudo, assegurar que o crescimento permanece no caminho certo”, refere o relatório.

O documento refere ainda que o prolongamento da disputa comercial com os EUA iria afectar cadeias de produção além-fronteiras, advertindo que qualquer aprofundamento do conflito, tal como os 25% em tarifas em todo o comércio bilateral entre os EUA e a China, teria consequências ainda maiores.

Impacto global

O BAD avisa que uma disputa comercial prolongada poderá danificar a confiança e deter o investimento na região.

“O impacto indirecto será profundo em diversas economias da região e a nível global, especialmente se o sector automóvel fizer parte do conflito”, refere a instituição.

O relatório destaca que a estimativa do impacto não é capaz de prever a influência nas unidades de produção, dado que as redes de negócios além-mar são afectadas e os planos de investimento são cancelados durante a relocalização da produção global.

O relatório anual do BAD, originalmente publicado em Abril e actualizado em Setembro, é a sua principal publicação anual. O documento garante uma análise integral de questões macroeconómicas na Ásia, incluindo estimativas de crescimento das maiores economias locais.

1 Out 2018