O terrorismo do Hezbollah II

(continuação)

“Hezbollah was declared as a terrorist group by the US, Arab Leage, UK, Germany and other countries. It is an organization used by Iran to plan and be ready to execute terror attacks in the future”.

Itamar Kasztelanski

Antes e depois da retirada israelita em 2000 e até à guerra de 2006, o Hezbollah era essencialmente um partido armado com uma base de apoio popular crescente e uma presença institucional à escala local. Imediatamente após 2006, acelerou a sua transformação numa força política, social e institucional libanesa, alargando a sua rede de alianças transconfessionais e a sua presença nas instituições centrais. Desde 2012, promoveu-se como uma força regional, primeiro na Síria, depois no Iraque, no Iémen e na Faixa de Gaza, provando ser capaz de gerir, em nome do Irão, as outras articulações do “eixo da resistência”, ao mesmo tempo que a linha de contacto com Israel entre o Sul do Líbano e a Alta Galileia se manteve um dos locais mais estáveis da região durante dezassete anos. Em 2022, graças à mediação americana que durou cerca de dez anos, o Hezbollah chegou a um acordo histórico com o inimigo sobre a divisão dos recursos energéticos no Mediterrâneo oriental e acordou a demarcação da fronteira marítima.

No entanto, há um ano e meio, sabiamente, deixaram em suspenso qualquer possível abertura de negociações para a demarcação da fronteira terrestre. Deste excurso resulta que o Hezbollah chegou à data de 7 de Outubro de 2023 com uma bagagem de interesses estabelecidos muito mais pesada do que aquela que trazia consigo nas vésperas da guerra, no verão de 2006. O facto de o Partido de Deus ter hoje muito mais a perder do que no passado contribui decisivamente para moldar a sua posição táctica no conflito em curso. Com efeito, uma guerra em grande escala com o Estado judaico poderia fazer com que o movimento xiita pro-iraniano perdesse uma parte significativa do poder a nível local, nacional, regional e mesmo global. Por estas razões, o Hezbollah não está interessado numa guerra total com Israel. Em 8 de Janeiro, Mohammad Rad, líder do grupo parlamentar do Hezbollah, que perdeu um dos seus filhos combatentes num ataque israelita em 22 de Novembro de 2023, afirmou explicitamente “Não queremos que a guerra se alastre. Queremos que a agressão (israelita) termine. Depois, claro, se Israel quiser alargar o conflito atacando o nosso país, iremos até ao fim. Não tememos as suas ameaças”.

Um conceito reiterado várias vezes pelo líder do Hezbollah, Hasan Nasrallah, que em 3 e 14 de Janeiro chamou ao Sul do Líbano uma “frente de dissuasão”. Segundo Nasrallah, esta frente de guerra está aberta por duas razões; para pressionar Israel a cessar a sua agressão a Gaza e para se abster de lançar uma grande ofensiva no Sul do Líbano. “Se esta batalha for iniciada por Gaza”, disse Nasrallh a 3 de Janeiro, “também o será para defender o Sul do Líbano. Em resumo, disparamos contra o inimigo para o manter ocupado e não o deixar atacar. É por isso que, até agora, o Hezbollah não respondeu de forma agressiva à escalada armada desencadeada pelo Estado judaico entre Dezembro de 2023 e Janeiro de 2024”. À sombra de um porta-aviões e de cinco outros navios de guerra americanos que permaneceram no Mediterrâneo oriental, em frente à costa libanesa, entre Outubro de 2023 e o início de Janeiro de 2024, desde o início do inverno as FDI atacaram repetidamente nas profundezas libanesas, chegando mesmo a perpetrar, a 2 de Janeiro, um assassinato selectivo contra Saleh Muhammad Sulayman al-Arouri, um alto expoente do Hamas no coração do reduto do Hezbollah, nos subúrbios do sul de Beirute.

Este ataque insere-se numa campanha de ataques aéreos e de bombardeamentos israelo-anglo-americanos que, no espaço de duas semanas, entre o final de Dezembro de 2023 e o início de Janeiro de 2024, atingiu quatro capitais árabes, todas elas cruciais para a projecção do Irão no Médio Oriente. Durante o mesmo período, Israel matou no Sul do Líbano, em mais um assassinato selectivo, Wissam Tawil, um dos chefes militares do Hezbollah, um “mártir” por excelência que se junta aos mais de 160 combatentes mortos entre 8 de Outubro e o início de Janeiro. Perante estes ataques repetidos, o Hezbollah limitou-se a responder alvejando duas bases militares israelitas, uma no monte Merom (Garmaq) e outra perto da cidade de Safed, respetivamente a cerca de dez e vinte quilómetros da linha de demarcação com o Líbano. Alguns dias antes destes dois ataques, Nasrallah tinha avisado que a resposta ao assassinato selectivo de al-Arouri em Beirute teria lugar “quando e como o campo de batalha (Maydan) decidir. O campo de batalha não vai esperar”, disse o líder do Partido de Deus, deixando assim algum trabalho para os comentadores e cenaristas profissionais.

Oito meses após o início do conflito, a prioridade do Hezbollah continua a ser, portanto, a de preservar, no Líbano e na região, as posições que adquiriu ao longo dos anos. E isto em plena continuidade com os últimos vinte anos da sua história pois participou activamente no assassinato do antigo primeiro-ministro Rafiq Hariri, em Fevereiro de 2005, em Beirute, para evitar uma alteração do equilíbrio regional a favor do eixo pro-soviético. Em Maio de 2010, levou as suas armas e as dos seus aliados para as ruas de Beirute para se opor a um governo libanês muito próximo de Washington. Em 2012, interveio militarmente na Síria com o mesmo objectivo de impedir que o sistema de poder encarnado pela família Asad em Damasco fosse derrubado a favor de forças locais e regionais hostis à influência iraniana, desde o Planalto Iraniano até ao Mediterrâneo. Em Outubro de 2021, participou activamente, juntamente com os seus parceiros e rivais libaneses, em confrontos armados numa das praças emblemáticas de Beirute, para efectivamente dar o empurrão final à instável investigação sobre a devastadora explosão do porto da capital libanesa em Agosto de 2020.

O inquérito, há muito enterrado, tinha então revelado que altos responsáveis da cúpula do sistema de poder libanês de que o Hezbollah faz parte integrante, juntamente com outras forças políticas cristãs e muçulmanas tinham conhecimento, desde há anos, da presença de material altamente explosivo no interior de um dos hangares do porto de Beirute, situado a algumas centenas de metros do coração residencial, institucional e comercial da cidade. Todas estas iniciativas, sempre levadas a cabo na ponta das baionetas desde o início dos anos 2000, foram ditadas pela necessidade do Hezbollah de consolidar e alargar o seu poder dentro e fora do Líbano. É certo que nem o Partido de Deus, nem o Irão e os outros membros do “eixo da resistência” pretendem libertar os territórios palestinianos e desfilar triunfalmente sobre os antigos mármores da esplanada que vai da Cúpula da Rocha à Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém.

E, na linha da sua visão reacionária, o Hezbollah nem sequer parece verdadeiramente interessado em chegar a um acordo político e diplomático, a curto ou médio prazo, para pôr fim a este novo conflito com Israel. Entre Dezembro de 2023 e Janeiro de 2024, o enviado francês Bernard Émié, primeiro, e o enviado americano Amos Hochstein, enviaram ao governo libanês e ao Hezbollah uma proposta de acordo de cessação das hostilidades em troca, entre outras coisas, do início de negociações para a delimitação do conflito terrestre com Israel, que tem pelo menos treze pontos fronteiriços contestados. A 5 de Janeiro, Hasan Nasrallh falou desta proposta, mencionando a possibilidade de “libertar”, através de negociações e apenas “após o fim da guerra em Gaza”, “o resto do território” do Líbano. O líder libanês tinha mencionado três zonas que estão no centro das disputas territoriais entre o Líbano, a Síria e Israel desde há décadas que são Gagar, as colinas de Kfar Sab e as quintas de Sabá.

Consciente de que o conflito entre Israel e o Hezbollah está intimamente ligado ao que se passa na Faixa de Gaza e que, por conseguinte, é impossível que o Partido de Deus e o Estado judaico cessem as hostilidades sem um acordo global sobre Gaza, Amos Hochstein propôs, a 11 de Janeiro, um plano de desanuviamento mais específico, articulado em três momentos-chave diferentes sendo (1) O Hezbollah e Israel limitam as trocas de fogo dentro de uma faixa territorial de oito quilómetros de profundidade, tanto no Sul do Líbano como no Norte de Israel; (2) As partes cessam as hostilidades e regressam às regras de combate em vigor antes de 8 de Outubro; (3) Iniciam-se negociações entre as partes sobre a demarcação da fronteira, incluindo os treze pontos em disputa e as quintas de Sabá. Três dias depois, a 14 de Janeiro, o Hezbollah respondeu a Hochstein através de um novo discurso televisivo do líder Hasan Nasrallh de que “Continuaremos a lutar enquanto a guerra em Gaza continuar. O resto veremos mais tarde”.

Afinal, para o Hezbollah, chegar a um acordo político e diplomático com Israel sobre a demarcação da fronteira significaria sacrificar um dos pilares da sua identidade, o de ser um partido armado de resistência e de libertação da ocupação inimiga. O Partido de Deus teria assim de admitir, nomeadamente no Líbano, que poderia prescindir do seu arsenal, perdendo desse modo um instrumento fundamental de dissuasão interna e regional. Se algum dia, num futuro longínquo, o Hezbollah vier a negociar uma tal opção, só o fará em troca de garantias libanesas e internacionais adequadas à sua sobrevivência e à manutenção da sua posição de domínio agora adquirida. Neste sentido, o movimento pro-iraniano tem todo o interesse em empatar e prolongar a situação actual na frente sul (“Primeiro é preciso acabar com a agressão em Gaza, depois veremos…”). Esperando assim conseguir equilibrar internamente as repercussões socioeconómicas e políticas do conflito prolongado com Israel, sobretudo tendo em conta a deslocação no Sul do Líbano de quase 100 mil civis, na sua maioria pertencentes à sua própria comunidade.

Manter-se dominante, equilibrando vulnerabilidade e resiliência, é a própria essência do exercício do poder. Para isso, o Hezbollah é chamado a negociar incessantemente, pelas armas e pela política, não só com Israel e os seus aliados, mas também com o seu parceiro iraniano e, sobretudo, com os seus aliados e rivais políticos libaneses. O Hezbollah terá de esperar que o contexto regional não se inflame numa espiral de violência descontrolada. Para aqueles que temem que um acidente ou um erro de cálculo de uma das partes em jogo possa desencadear uma sequência devastadora, a história do último quarto de século no Médio Oriente vem em socorro, pois apesar das tensões e rivalidades repetidas, os actores fazem tudo para evitar uma guerra total, que acabaria por minar a resiliência dos seus próprios sistemas de poder. Não nos devemos deixar enganar por uma retórica que, tradicionalmente, é muito mais agressiva do que a prática no terreno.

Mas se o Irão procurasse um alívio extremo junto do seu aliado Hezbollah, este último seria obrigado a responder. Na medida, porém, em que tal acção não conduza ao seu próprio suicídio político. Longe de ser um fantoche da República Islâmica, a identidade e os interesses libaneses ancoram-no firmemente em certezas e interesses locais, não necessariamente ligados aos do Irão. Este último, em todo o caso, fará tudo para não arriscar sacrificar o seu melhor aliado mediterrânico. Mais realisticamente, o Hebollah continuará a dar apoio moral, logístico, político e militar a todas as articulações do “eixo da resistência”, do Hamas às milícias iraquianas e às forças iemenitas apoiadas por Teerão. A fim de manter o equilíbrio da dissuasão e desta com o eixo rival constituído pelos Estados Unidos e por Israel.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários