PARTILHAR
Há 44 anos terminava o Estado Novo em Portugal. O 25 de Abril, dia da liberdade à portuguesa, continua a ser uma data a festejar em Macau. A Casa de Portugal faz o tradicional convívio que conta hoje com a participação de um grupo de cantares alentejanos, enquanto um grupo de residentes organiza o também tradicional jantar alternativo onde se juntam amigos à mesa para partilhar canções, poemas e, acima de tudo, alegria

 

Este ano a Casa de Portugal vai promover uma iniciativa diferente das dos últimos anos para assinalar mais um 25 de Abril. “Desta vez resolvemos fazer uma coisa diferente e organizar um jantar concerto”, referiu a coordenadora da entidade, Diana Soeiro, ao HM. Para o efeito, foi convidada uma banda de cantares alentejanos, os Vocalistas, para servir música como um dos pratos principais do tradicional jantar de 25 de Abril. A escolha da banda foi óbvia face à popularidade que tem no território. De acordo com a responsável, “o facto da banda ter actuado no programa  “À Capela” fez com que chegasse ao conhecimento de muitas pessoas por cá”, referiu. Como não poderia deixar de ser o tema “Grândola Vila Morena vai hoje ser muito bem interpretado”, refere Diana Soeiro.

O jantar está marcado para a Torre de Macau, no terceiro andar, e tem o valor de 350 patacas com oferta de vinho. A Casa de Portugal está à espera de uma casa cheia com a participação de 200 a 250 pessoas. Quanto ao menu, “não poderia deixar de ser de inspiração portuguesa”, apontou.

Para Diana Soeiro o dia da liberdade ainda é um momento que une muitos portugueses que vivem no território. “Quem vai, participa com muita alegria e, realmente, com muita vontade. Não têm duvidas acerca da sua presença e do convívio com um grupo que todos os anos festeja a efeméride que já é uma tradição”.

Vão estar ainda presentes o ex-Governador de Macau Rocha Vieira e ex-Presidente da Câmara de Lisboa João Soares.

Liberdade alternativa

À semelhança de anos anteriores há um grupo de residentes que organiza um encontro para brindar à liberdade num evento com um cariz mais informal. “É, mais uma vez, um jantar do 25 de Abril que surge a partir de um grupo de pessoas que, tradicionalmente, organizam este encontro para assinalar a data de uma forma mais alternativa”, começa por dizer um dos organizadores, João Pedro Góis, ao HM. A ideia não é ser um acontecimento para competir com as comemorações organizadas pela Casa de Portugal, mas “apenas mais um jantar para muitas sensibilidades e para todas as tendências”, referiu.

Trata-se de um encontro à mesa muito informal, quase familiar, e,  acima de tudo, descontraído, apontou, “até porque é a forma que define as pessoas envolvidas na organização desta comemoração, bem como os que a ela aderem”.

Se até ao ano passado o jantar deste grupo de amigos era tradicionalmente feito no NAPE, este ano a localização mudou para “O Santos” na Taipa. “Não foi por nenhum motivo especial, mas apenas para ser diferente”, referiu João Pedro Góis.

A ideia era ter cerca de 25 pessoas, número que tem sido mais ou menos constante nos últimos anos, mas desta vez o número de interessados aumentou. “Entretanto, já tivemos de falar com o restaurante a dizer para contar com mais, porque já temos cerca de 40 pessoas inscritas”.

Para João Pedro Góis, o 25 de Abril em Macau é comemorado com muita consciência. “Acho que aqui as pessoa têm ainda muito presente o que foi o 25 de Abril e a sua importância”. Mas, em Macau pode existir uma “pequena” diferença nesta celebração da liberdade quando comparada com Portugal. “A nossa condição de emigrantes, uma vez que moramos fora do nosso país de origem, e tratando-se de uma data tão importante na história portuguesa, faz com que tenhamos um gosto especial em celebrar um momento com o qual nos identificamos particularmente”, considerou.

Improviso à mesa

O serão vai ser preenchido, como nos anos anteriores, sem definição precisa, mas todos são convidados a contribuir, “com uma canção, um poema ou um discurso, o que quiserem”, afirmou.

O mais importante é estar presente, “mais um ou mais cinco, desde que seja com um espírito aberto e livre porque a missão é estar ali felizes, radiantes, profundamente satisfeitos e gratos às pessoas que fizeram o 25 de Abril”, apontou.

De acordo com o organizador, a data é um momento quase solene, “até porque a liberdade tem de ser sempre celebrada e respeitada”, disse.

Os participantes do jantar não precisam preocupar-se com a forma como podem arranjar cravos, uma vez que a organização tem a flor que marca o fim da ditadura à espera de cada um dos participantes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here