IPM | Propinas mais caras para alunos do continente, Hong Kong e Taiwan

As propinas do Instituto Politécnico de Macau vão ser mais altas para os alunos do continente, de Hong Kong e de Taiwan.

Se até agora estes estudantes pagavam as 20.800 patacas anuais requeridas para as licenciaturas de quatro anos, a partir de 2019, o valor mantém-se para os estudantes do território mas vai sofrer um aumento de 2500 patacas para os alunos que vêm das regiões referidas. A informação foi dada ontem em Boletim Oficial e também prevê que os estudantes de outras nacionalidades, vejam as suas propinas aumentadas. De 32.000 patacas, os estrangeiros que queiram estudar no IPM vão passar a pagar 35000, por ano.

Apesar de ser uma instituição de ensino superior pública, o IPM estará a optar por estratégias financeiras associadas ao privado e à optimização de receitas. De acordo com Éric Sautedé, “é apenas uma forma de fazer dinheiro e todas as universidades privadas já o fazem”, disse ao HM. Por outro lado, considera, trata-se de uma estratégia para criar junto da própria população, uma maior aceitação do “número crescente de “estrangeiros” a quererem estudar no território. O académico dá o exemplo da MUST, que em 2015 tinha 69 por cento de alunos vindos de fora de Macau.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários