PARTILHAR
Ernesto Matos
Fotografia de Ernesto Matos,  poesia de António Correia e pintura de Teresa Portela. O tema é único: a calçada portuguesa. A mostra é inaugurada hoje na Fundação Rui Cunha

Numa altura em que a calçada portuguesa é candidata a património mundial, é tambem a estrela da exposição de fotografia e pintura inaugurada hoje, pelas 18h30, na Fundação Rui Cunha. O momento é também pretexto para o lançamento do livro “Calçada Portuguesa – Lux Platearum” de Ernesto Matos e António Correia.

A exploração da arte no chão que se pisa tem levado o designer e fotojornalista Ernesto Matos pelo mundo fora. A ideia é fazer imagens do legado deixado pelos portugueses e que pelos vistos, pode ser visto nos lugares mais recônditos do planeta.

Ernesto Matos

A exposição de fotografia “A poética da Luz na Calçada Portuguesa” de Ernesto Matos prova isso mesmo. Na fundação Rui Cunha só vão estar 25 imagens por limitação de espaço, mas, “a escolha criteriosa”, disse o autor ao HM, permitiu representar as pedras da calçada com pelo menos uma imagem de cada país por que passou. Macau ganha relevo com quatro fotografias das que saíram de “uma circunavegação que começou em Lisboa”, começa por contar. Daí o autor seguiu Europa fora. O caminho continuou em África e chegou depois ao Havai e mesmo à Califórnia. Médio Oriente e Timor não ficaram de fora, e a viagem, termina onde começou, em Lisboa.

Pintura à mistura

A fotografia não chegava e a pintura impôs-se. Teresa Portela foi a convidada para pintar o tema. Para Ernesto Matos trata-se de uma artista capaz de dar uma visão global do território em todas as suas componentes. “É uma visão diferente de abordar a calçada. De olharmos para as pedras e tirarmos partido delas “, aponta.

Ao HM, a advogada que se dedica à pintura, revela que a ideia do trabalho que vai apresentar é a de juntar a calçada a motivos de Macau, terra onde viveu e que apesar de agora estar mais longe, nunca se desvinculou. As sete telas que vai mostrar são a interacção cultural que se vê todos os dias no território, em que o chão português tem caídos vários motivos que simbolizam a cultura chinesa. “Seria impossível não o fazer” diz.

Viagem escrita

“Calçada Portuguesa – Lux Platearum” é outra das obras apresentadas. Trata-se de um livro que mostra imagens e conta histórias através dos poemas de António Correia. De acordo com Ernesto Matos, “Caminhos de luz é uma visão filosófico poética do modo de ver a calçada portuguesa”.

Quando se fala desta arte, há muito mais além da pedra. No livro é feito o convite para que se esteja atento “não só à parte física da pedra branca e preta ou mesmo vermelha, mas que se embarque numa viagem que se pode chamar de transcendental que está incluída não só na parte escrita dos poemas mas tambem na componente estética que integra a fotografia”, refere o autor das imagens.

A ideia é proporcionar um encontro diferente, “com vários olhares sobre as pedras que estão no chão”.

Este recorrer à pedra não é novo. Para Ernesto é uma herança que vem de longe. “Tal como os nossos entrepassados pré-históricos, que faziam gravuras, como é o caso de Foz Côa e também queriam transmitir qualquer coisa através do valor do risco na pedra, hoje em dia continuamos a transmitir o mesmo tipo de valores da nossa cultura”, explica.

Podem não ser já gravuras, mas a calçada portuguesa tambem é uma espécie de “desenho simplificado”. “Exemplo disso são os motivos que se podem encontrar no chão que pisamos, como as caravelas, as estrelas, etc.”, diz, sendo que muitas vezes estes símbolos podem passar despercebidos, mas cada um deles não deixa de carregar um significado profundo.

De acordo com Ernesto Matos, estamos a falar de um bem português e como tal com um forte traço sentimentalista.

No que respeita à integração da calçada portuguesa enquanto património mundial, Ernesto Matos salienta a diferença desta, de outras calçadas. “Não estamos a falar apenas de por pedras no chão”, diz enquanto lamenta que em muitos locais esta técnica esteja a ser confundida com um simples arrumar de pedras.

A diferença da calçada portuguesa de outras que se fazem no mundo é o facto da pedra ser batida na palma da mão e depois encaixada como se fosse num puzzle. “Há que saber que interpretar este valor e espero que este tipo de valores sejam considerados na candidatura para que a calçada portuguesa continue a manter a sua qualidade e as suas características próprias”, remata.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here