Devolvam a dignidade às filhas do galo 为鸡平反

“[Trump é] em primeiro lugar um homem adulto e, em segundo lugar, alguém que esteve envolvido na organização de concursos de beleza e que como tal conheceu ao longo de muitos anos algumas das mulheres mais belas do mundo. Custa-me muito a acreditar que ele fosse a correr para se encontrar num hotel com raparigas de moral duvidosa, embora as nossas sejam sem qualquer sombra de dúvidas as melhores de todo o mundo.” E desta forma promove Putin o turismo sexual na televisão russa.

Os cidadãos cibernautas de todo o mundo ficaram em choque com esta avaliação de cinco estrelas do Sr. Vladimir Bazófias. Apesar de tudo isto sinto-me tentada a disponibilizar aos meus leitores alguns factos alternativos (grin grin), lembrando as palavras eruditas de Lin Yutang: “Ninguém deverá menosprezar o importante papel desempenhado pelas prostitutas chinesas nas relações românticas, na literatura, na música e na política.”

Na antiga China, as damas da nobreza não precisavam de ser inteligentes nem talentosas para ser respeitadas. “Uma mulher é virtuosa desde que seja ignorante” é um provérbio que remonta à Dinastia Ming (1368-1644). Uma boa esposa chinesa é obediente ao marido, dedicada aos filhos, responsável pelas tarefas domésticas, virtuosa e ignorante em todas as outras matérias. Como se esperava que as esposas e concubinas seguissem os códigos sociais, os homens ricos e proeminentes procuravam legitimamente parceiras intelectuais fora de casa.

Agora aqui vai uma lista de prostitutas/poetisas famosas que deixaram uma marca na memória colectiva do povo chinês, e não só porque dançavam e cantavam para ganhar o pão nosso de cada dia. Algumas delas mudaram a história, para sempre.

Su Xiaoxiao 苏小小

Também conhecida como Su Xiaojun, foi uma cortesã chinesa que viveu em Qiantang City (Hangzhou dos nossos dias) durante a Dinastia Qi do Sul (479–502). Morreu com apenas 19 anos de idade. Foi cortesã e também poetisa. Havia quem pensasse que ela não queria ser esposa nem amante de ninguém. Assim, ao contrário das mulheres que ficavam enjauladas nos casamentos, optou por partilhar os seus encantos.

Li Shishi 李师师

Cortesã da cidade de Kaifeng, capital da Dinastia Song (960-1127), Li destacou-se pela sua incrível versatilidade. Era dotada para o canto, para a dança e para a poesia. O seu talento e beleza atraíram muitos escritores, poetas e oficiais abastados. O Imperador Song escapou-se do palácio numa noite de tempestade para ir ao seu encontro. Mais tarde veio a tornar-se viciado em laranjas descascadas pelas suas delicadas mãos. Os 108 heróis de a Margem Aquática não conseguiam conquistar uma posição na corte Song sem a interferência “entre lençóis” de Li.

Chen Yuanyuan 陈圆圆 

Chen Yuanyuan (16241681) foi uma prostituta muito conhecida que viveu durante os finais da Dinastia Ming e os inícios da Dinastia Qing. Foi concubina do General Wu Sangui. A captura de Chen por Li Zicheng, (o rebelde líder da revolta que depôs a Dinastia Ming), foi o motivo que levou Wu Sangui a abrir os portões da Grande Muralha para deixar entrar os Manchus.

Liu Rushi 柳如是

Liu Rushi (1618–1664) uma célebre cortesã que viveu nos finais da Dinastia Ming (1368–1644). Foi considerada por muitos estudiosos como a prostituta mais respeitável da antiga China, devido à sua lealdade à família real. Recusou submeter-se aos Manchu, os novos senhores.

Sai Jinhua 赛金花

Se ela não tivesse seduzido o Comandante Alemão do Exército das 8 Nações Aliadas durante a Revolta dos Boxer, não estou a ver como é que muitos dos artefactos chineses que estão actualmente nos Museus de Berlim, Londres, Paris e Moscovo lá tinham ido parar. Deveria ser nomeada para receber um prémio do Ministério da Cultura.

Sai Jinhua (1864 – 1936) foi uma célebre cortesã dos finais da Dinastia Qing. Tornou-se prostituta aos 20 anos. Casou-se com um oficial imperial de alta patente como sua concubina e viajou com o marido pela Rússia, Alemanha, Austrália e Holanda, como embaixatriz. Depois do Exército das 8 Nações ter invadido Pequim, teve uma relação com o Comandante Alemão.

Xiao Fengxian 小凤仙

Xiao Fengxian (1900-1954) prostituta afamada que conheceu os últimos anos da Dinastia Qing e os alvores da República da China. Foi a prostituta mais célebre do maior bairro de Pequim de “lanternas vermelhas”.  Tornou-se amante do General Cai E, o líder revolucionário que pôs fim às ambições imperiais de Yuan Shikai. Sem a influência da sua alcova o General Cai não teria arriscado a vida e voado para Yunnan para declarar a independência. Os sonhos imperiais de Yuan Shikai teriam vingado e estaríamos a ajoelhar perante o neto do Grande Yuan nos dias que correm. Esta mulher foi sem dúvida o arquitecto da reconstrução da República.

2017 é o Ano do Galo. Da Franga para alguns. “Franga” é calão para prostituta no chinês moderno. Nas ocasiões festivas, um frango bem cozinhado é um dos pontos altos de todos os banquetes familiares. Um chef chinês que se preze passa horas a suar na cozinha para fazer jus às receitas de que tanto se orgulha, subtis, mas cheias de sabor, e que demonstram em larga escala invenção e criatividade. Ao contrário das preparações rápidas, típicas das cadeias internacionais de fast food, a cozinha chinesa trata com o respeito que lhes é devido frangos e … as “frangas”.

Subscrever
Notifique-me de
guest
0 Comentários
Inline Feedbacks
Ver todos os comentários