PARTILHAR
Migrants crossing the border from Serbia into Hungary.
Chega no final do mês à Casa Garden a exposição World Press Photo. O vencedor deste ano é um fotógrafo australiano, com uma imagem de refugiados, tema que marca grande presença nesta edição do concurso. Mas a China também fez as delícias das objectivas e um fotógrafo do continente venceu um segundo prémio

Um refugiado atravessa a fronteira da Sérvia com a Hungria, perto de Horgoš. É Agosto de 2015, dia 28. E, além do homem que carrega um bebé e de um grupo de pessoas que tentam atravessar a fronteira antes que esta feche, está também Warren Richardson. O fotógrafo capta o momento e a imagem vale o primeiro prémio do World Press Photo do ano de 2015.
Agora, a famosa fotografia chega a Macau, juntamente com as outras vencedoras, entre as quais se encontra também a de um fotógrafo chinês. Aquela que é a 59ª edição do concurso anual chega à Casa Garden a 30 de Setembro, numa organização da Casa de Portugal.
Richardson – que também ganhou o primeiro prémio na categoria de Notícias Locais – é fotógrafo freelancer, actualmente a residir em Budapeste, na Hungria. Ao júri da competição explicou como foi captada a imagem.
“Acampei com os refugiados durante cinco dias na fronteira. Chegou um grupo de cerca de 200 pessoas, que se instalaram debaixo de árvores ao longo da cerca. Enviaram em primeiro lugar mulheres e crianças, depois pais e homens mais velhos. Devo ter estado com eles cerca de cinco horas e jogámos ao gato e ao rato com a polícia toda a noite. Tirei a fotografia por volta das 3h00 da manhã e não podia usar flash para não atrair a polícia. Por isso, usei apenas a luz da lua.”
Para Francis Kohn, presidente do júri e director de fotografia da Agence France-Presse, foi o suficiente. “Assim que vimos esta fotografia percebemos logo que era importante. Tinha muito poder pela sua simplicidade, especialmente o simbolismo do arame farpado. Achámos que teria praticamente tudo para permitir uma imagem visual do que estaria a acontecer com os refugiados. Acho que é uma fotografia muito clássica e ao mesmo tempo intemporal. Retrata uma situação e a forma como foi captada é clássica no sentido mais lato do mundo.”
Já Zhang Lei captou uma nuvem de poluição sobre Tianjin, na China, em Dezembro do ano passado, quando a cidade esteve sob alerta vermelho e as escolas pararam de funcionar devido ao intenso fumo industrial. Zhang Lei venceu a categoria de “Contemporary Issues – Primeiro Prémio de Singulares”.
A China serviu ainda de tela para mais prémios. Com a lente virada para Shanxi, o canadiano Kevin Frayer venceu a Categoria de Daily Life, ao captar um homem idoso a empurrar um carrinho perto de uma fábrica de carvão.

Português premiado

Entre os premiados está também o português Mário Cruz, com a fotografia de um rapaz do Senegal que habita um colégio interno conhecido como os ‘daaras’. Aqui, as crianças são ensinadas a falar Árabe e sobre religião, mas as pobres condições fazem com que as crianças sejam muitas vezes prisioneiras, passem fome e vivam num local onde os seus direitos não são respeitados. Muitas vezes são traficadas. A fotografia de um jovem atrás das grades valeu ao português o primeiro prémio na Categoria de Histórias de Assuntos Contemporâneos.
Entre refugiados, o Estado Islâmico e temas mais suaves, como o desporto, o World Press Photo – a principal competição do mundo para fotógrafos de imprensa, fotojornalistas e fotógrafos documentais – atraiu 5.+775 fotógrafos de 128 países. No total, foram apresentadas a concurso 82.9151 imagens e o júri atribuiu prémios em oito categorias temáticas a 42 fotógrafos de 21 nacionalidades: Austrália, Áustria, Brasil, Canadá, China, França, Alemanha, Irão, Itália, Japão, México, Portugal, Rússia, Eslovénia, África do Sul, Espanha, Suécia, Suíça, Síria, Turquia e EUA.
As fotografias premiadas são apresentadas numa exposição que passa por mais de uma centena de cidades de mais de 45 países e regiões. É vista por mais de “3,5 milhões de pessoas em todo o mundo” e Macau não escapa ao percurso. De 30 de Setembro a 23 de Outubro, na Casa Garden, a exposição tem entrada livre.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here