PARTILHAR

 

Há quem diga que é uma obra para “memória futura”. Anabela Campos e Isabel Vicente, jornalistas de economia e finanças do semanário Expresso, escreveram um livro que explica como foram feitos os grandes negócios em Portugal, na sequência da entrada da troika. A venda de activos em sectores estratégicos não aconteceu com os parceiros estrangeiros habituais: Pequim chegou a Lisboa para investimentos que já provaram ser altamente rentáveis. Macau não entra nestas contas – existe sobretudo na retórica política e agora nos media, um interesse que Anabela Campos tem dificuldade em perceber.

 

Começando pela pergunta clássica: como é que surgiu a necessidade e a oportunidade de escrever este livro?

Surgiu na sequência de uma série de acontecimentos. A crise de 2008 expôs totalmente a fragilidade dos bancos e o ‘esquema’ que usavam de financiamento da economia: os empresários portugueses eram sobretudo empresários a crédito. Quando a crise veio, as acções começaram a desvalorizar e os empresários começaram a ter de pagar os créditos – até porque os bancos começaram a fazer pressão de um modo como antes não acontecia –, todas as fragilidades da economia sobressaíram. Isto acontece em simultâneo com a entrada da troika em Portugal: os bancos são pressionados a obrigar os empresários a pagar. O país estava à beira da bancarrota, era preciso ganhar dinheiro e teve de se privatizar algumas empresas um pouco à pressa. Percebe-se que as empresas estavam superendividadas. Tudo isto abre caminho para que um conjunto de coisas aconteça, nomeadamente o colapso do Banco Espírito Santo, que também pôs a nu a forma como o banco vivia e algumas empresas à volta, nomeadamente a PT, que tinha colocado quase 900 milhões de euros no BES, e que os perde. Ou seja, há aqui um conjunto de circunstâncias negativas que mostram as fragilidades da economia e das empresas portuguesas, e que abre a porta para que, depois, as grandes empresas sejam vendidas a investidores que nem sempre foram aqueles que mais aplicaram dinheiro em Portugal. A grande novidade é o investimento chinês. Antes de 2011, era irrisório; dispara com a entrada no sector eléctrico, a partir do momento em que investidores chineses se tornam o maior accionista da Energias de Portugal (EDP). Depois, compraram a REN – Redes Energéticas Nacionais.

O livro chama-se “Negócios da China” e temos aqui uma dupla leitura: a conotação que se dá, em português, a esta expressão e também pelo facto de serem negócios feitos com investidores ao quais Portugal não estava habituado…

Achamos que são negócios da China não só por causa da novidade da entrada dos chineses, mas também porque muitas das empresas que foram vendidas são monopólios naturais ou são empresas com grande poder de mercado em Portugal. Nesse sentido, quando se compram essas empresas está-se quase a comprar uma renda, ou seja, o lucro é praticamente garantido. O melhor exemplo é a EDP: dá mil milhões de euros de lucro há quatro anos consecutivos. É o caso também da ANA, que era a detentora de todos os aeroportos portugueses, e que foi comprada por franceses, pela VINCI. O lucro da ANA nas mãos da VINCI aumentou 50 por cento. Como não há mais aeroportos em Portugal e são os únicos gestores dos aeroportos, se quiserem subir as taxas, sobem – foi o que já fizeram umas quatro vezes. No fundo, é termos vendido as empresas que são mais lucrativas: são óptimas empresas. Outro exemplo é a venda da Cimpor aos brasileiros, que foi motivada por uma série de acontecimentos e não propriamente pela entrada da troika. A Cimpor era a melhor multinacional portuguesa, estava espalhada por vários países, era a nona cimenteira do mundo e era muito cobiçada por várias cimenteiras internacionais – duas delas tinham tentado comprá-la. Quem o faz são dois brasileiros e compram-na para a desmantelarem. A Cimpor estava a fazer concorrência no Brasil e compram a empresa porque estava frágil – os donos estavam endividados. É um caso de estudo interessante. Não somos contra o investimento estrangeiro, nem este livro é uma crítica ao investimento estrangeiro, mas não há aqui uma visão. Os investidores aproveitaram uma oportunidade interessante, ainda por cima porque algumas empresas estão noutros mercados, como o da lusofonia, que interessa bastante aos chineses. A EDP está nos Estados Unidos e no Brasil, pelo que foi uma forma rápida de entrarem nestes mercados.

Referia que a China é a grande novidade destes últimos anos. Além do caso da EDP, há outros, com investimento chinês em sectores fulcrais. Recentemente, assistimos também à entrada nos media, através de Macau.

O que é extraordinário é que, no mundo ocidental, os investidores chineses não estão em mais nenhum país como estão em Portugal. Estão na energia, no mercado financeiro – na Fidelidade, podem vir a ser o maior accionista do BCP, que é o maior banco privado português, e são um forte candidato à compra do Novo Banco –, estão na TAP, estão nos media, estão na saúde (no Hospital da Luz), estão no imobiliário. Estão em sectores estratégicos: finanças e energia. O que é mais significativo – e para nós, de certa maneira, preocupante – é o facto de o sector eléctrico ser controlado por duas empresas estatais chinesas. Um dos argumentos para vender foi, além da crise, que o Estado não pode estar nas empresas mas, depois, a EDP e a REN foram vendidas a duas empresas estatais chinesas. Quando estávamos a escrever o livro percebemos que também podem vir a entrar no capital da Galp – é muito provável que isso aconteça. Não há nenhum país ocidental onde isto se passe: os investimentos chineses estão a ser questionados em alguns países da Europa e houve até recuos. Na Áustria, tinham entrado numa eléctrica, o negócio já estava fechado e não se concretizou, porque são sectores estratégicos e os países têm alguma dificuldade em vender a capital estrangeiro. Há duas ou três semanas surgiram notícias de que havia investidores chineses interessados em comprar uma grande tecnológica alemã e o Governo opôs-se. Os investidores chineses são muito bem-vindos em Portugal e entraram em força – é uma questão que merece bastante atenção. Não há hostilidade ao investimento chinês, mas começam-se a levantar algumas questões, sobretudo por causa do sector eléctrico. Há a sensação de que estão com demasiado poder. É um país pouco transparente e não temos acesso a muita informação, não sabemos o que pensam.

Mas houve aceitação por parte do Governo português, nomeadamente pelo Executivo anterior, altura em que aconteceram estes negócios da China com a China. Sentem que, em termos de opinião pública, a contestação que terá havido na altura ficou circunscrita ao momento das aquisições? Na visita recente do primeiro-ministro António Costa à China – e depois aqui a Macau – foi muito enfatizada a ideia de um reforço das relações económicas com Pequim, sendo certo que também foi dito na altura que este fortalecimento não passará necessariamente pela aquisição de activos. Como é que vêem agora a situação?

O Governo de Pedro Passos Coelho e de Paulo Portas foi aquele que permitiu a entrada – também não havia uma razão para não permitir. Imagino que depois da entrada na EDP houvesse algumas reticências para a entrada nas restantes empresas, que pudesse ter havido um pensamento mais estratégico. Mas não houve, porque havia uma pressão enorme para se conseguir dinheiro. Não houve grande polémica em Portugal, na verdade – há algumas pessoas que acham arrepiante um país controlar não só a rede eléctrica, que é a REN, como também a produção e distribuição de energia. Aparentemente ainda não há qualquer resistência ao investimento chinês. Os investidores têm entrado de forma pouco visível, no sentido em que não mudam as coisas quando entram: mantêm a gestão, não fazem despedimentos, mantêm os investimentos. Têm entrado de uma forma muito apaziguadora, muito tranquila. Não há uma atitude hostil, é uma entrada com pezinhos de lã – ao contrário do que aconteceu na PT, com a entrada da Altice, que cortou 30 por cento dos contratos com fornecedores e começou a despedir trabalhadores. Foi muito significativa a visita do primeiro-ministro à China: foi recebido pelo primeiro-ministro e pelo Presidente. É um reconhecimento de uma boa relação. Há duas semanas, o vice-chanceler alemão foi à China, tinha encontros marcados e foram todos cancelados por ter sido considerada hostil a OPA sobre a empresa tecnológica. Pelo que se consegue perceber, há uma relação muito boa com Portugal e, se o anterior Governo começou este caminho, António Costa está a trilhá-lo. Aparentemente, Portugal quer posicionar-se como um parceiro relevante para a China na Europa, e isso está a acontecer.

Portugal interessa sobretudo por ser um acesso?

Nalgumas conversas que tive, percebi que os chineses querem estar em Portugal, mas não é por causa do nosso mercado, que é minúsculo. O que vêm aqui buscar é o know-how, porque as empresas que compraram são boas, têm muito know-how, mas também porque lhes reforça a presença nos mercados de língua portuguesa. Os chineses não precisam de nós para entrarem em Angola ou Moçambique, mas estas empresas estão há muitos anos nestes mercados e também são interessantes nesse sentido. Por outro lado, abre-lhes a porta na Europa. Quando se compra bancos em Portugal, começa-se a abrir caminho para se entrar no mercado financeiro europeu de forma mais fácil. O Banco Central Europeu tem de lhes dar autorização – estando em Portugal será provavelmente mais fácil. Outro aspecto muito curioso é o grande interesse na Base das Lages: nos últimos três anos houve quatro visitas do primeiro-ministro e do Presidente. Os americanos estão de saída – ou estão a reduzir a presença – e é como se os chineses estivessem a aproveitar essa oportunidade. Falei com algumas pessoas especialistas nesta matéria e elas não acreditam que se vá substituir os americanos pelos chineses – seria hostilizar um parceiro histórico –, mas o Governo chinês tem feito questão em marcar presença.

Conhece Macau, está a par do modo como o território tem estado envolvido nesta relação entre a China, Portugal e a lusofonia. Macau foi apresentado como uma plataforma para os negócios entre Pequim e a lusofonia mas – com excepção do que aconteceu recentemente no caso da Global Media –, não parece que tenha qualquer relevância, certo?

Nos discursos, Macau é sempre apontado como uma plataforma importante para esta relação. Apesar dessa referência, aparentemente nenhum destes grandes negócios tem passado por Macau. Os media não são um grande negócio. As pessoas que conhecem bem o investimento chinês não percebem este interesse pelos media, porque são um péssimo negócio – são um perdócio, um negócio em que se perde dinheiro. Por isso não se percebe muito bem este interesse – e é o único que vem via Macau. Agora fala-se também que as participações dos privados na Lusa estão disponíveis para vender e que há investidores chineses que podem entrar, via Macau. Parece que Macau tem estado mais nos media, não dos grandes negócios, que têm vindo dos grandes grupos como a Fosun ou directamente do Estado chinês. Mas, de facto, Macau é sempre apontado como um ponto de referência da relação ao nível político.

 

 

 

Sobre as autoras

Jornalista desde 1994, Anabela Campos começou a trabalhar na Agência Lusa, depois de se ter licenciado em Ciências da Comunicação. Esteve nas redacções do Diário Económico e no Público, tendo passado para o Expresso em 2008. Venceu três prémios de jornalismo económico, sozinha e em co-autoria. Destaque para “PT é o euromilhões dos accionistas” (2010) e “Cimpor, o fim de uma multinacional” (2013). Isabel Vicente é licenciada em Direito e é jornalista do Expresso desde 1991. A partir de 2000, começou a acompanhar a área financeira, sobretudo os sectores da banca e dos seguros. Conta com prémios em co-autoria no currículo, com os artigos “Quem é o accionista do BPN?” (2009) e “O Diabo que nos impariu” (2015). “Negócios da China” conta com prefácio do director-adjunto do Expresso, Nicolau Santos, e é uma edição da Oficina do Livro.

DEIXE UMA RESPOSTA