PARTILHAR

Conheci o Professor Novais Ferreira em 2004. Tinha então chegado a Macau há coisa de ano e meio e tinha desenvolvido um interesse pelo estudo de fundações com estacaria, cuja tecnologia em Macau é marcadamente diferente da praticada em Portugal. Contactei-o, pois, por ser uma referência da engenharia civil, e um especialista em matéria de geotécnica (ramo da engenharia civil dedicado a “obras de terras”, como estradas, escavações profundas, taludes, túneis, fundações, etc). O Professor Novais, pese o facto de ser uma pessoa muito ocupada, amavelmente recebeu-me, e tivemos uma conversa onde ele partilhou comigo ideias chave sobre vários tópicos, deu-me referências bibliográficas, e deixou-me a porta aberta para contactá-lo novamente no futuro.

Fomos mantendo o contacto e, em 2006, convidou-me a integrar o LECM, trabalhando com ele, e onde simultaneamente  poderia escrever a minha Dissertação de Mestrado, da qual foi Co-Orientador com o Professor Catedrático Manuel de Matos Fernandes (Universidade do Porto), autoridade Portuguesa em Geotécnia, e que foi colega do Professor Novais Ferreira no Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) nos anos oitenta.

O Professor Novais era uma pessoa de trato fácil, com uma personalidade muito especial e vincada. Apreciava muito falar com engenheiros mais jovens. Dizia frequentemente que se deve estar sempre pronto para aprender coisas novas. Talvez isso tenha contribuído para que na sua idade avançada mantivesse o entusiasmo no trabalho. Ao longo dos anos em que tive o privilégio de trabalhar com ele, vi essa procura incessante pelo conhecimento, a vontade de fazer de cada dia um dia em que se aprende algo novo.

Não é fácil fazer uma descrição da dimensão da sua Obra. Nos meus primeiros tempos no LECM, ao explorar a sua (rica) biblioteca, encontrei vários estudos da sua autoria que datavam desde os seus tempos como Director do Laboratório de Engenharia de Angola (do qual foi fundador, tendo dirigido o LEA entre 1955 e 1975). São trabalhos de grande complexidade e valor técnico, e que são referências fundamentais.

Novais Ferreira escreveu extensivamente, com dezenas de publicações técnicas, e isto em paralelo com trabalho de consultoria e controlo de qualidade numa multiplicidade de obras, muitas delas emblemáticas. Mesmo em idade avançada, não parou de estudar. Desde a altura em que completou a sua licenciatura em 1945, a engenharia civil teve avanços de grande dimensão, especialmente a partir da década de 70 do século passado, quando a implementação de métodos computorizados teve um forte impulso. Para pôr as coisas em perspectiva, em 1976 o Professor Novais Ferreira tinha já 55 anos. Não foi impedimento para que enfrentasse esse admirável mundo novo com o entusiasmo de um jovem estudante, e mantivesse a sua actividade ao longo de todos estes anos com o mesmo vigor.

Os seus últimos trabalhos de investigação centraram-se na “noção de risco”. Um tópico cujos detalhes são pouco explorados no dia a dia da profissão (e inteiramente desconhecido fora dela), mas cujo aumento de importância, num mundo em que a elaboração dos projectos é feita, fruto dos desenvolvimentos tecnológicos, num espaço de tempo muito mais curto, e em que a finança impõe exigências que chocam não raras vezes com a segurança das obras, foi reconhecida pelo Professor.

Durante os quase oito anos em que trabalhámos juntos, apesar das naturais discordâncias que sempre existem, o respeito e admiração estiveram sempre presentes. À parte do trabalho, falávamos sobre todo o género de assuntos, desde a cultura à política. Novais Ferreira tinha uma visão talvez agora considerada antiquada do papel importantíssimo do engenheiro civil na sociedade.  Visão essa que se coaduna com o espírito de missão com que encarava o seu trabalho. O engenheiro, claro, como garante da segurança das construções e gestor das obras, mas também como elemento chave na construção de uma sociedade de progresso, e como defensor do bem público. O engenheiro civil tecnicamente muito bem preparado, mas necessariamente consciente do mundo onde vive.

O pragmatismo que implementava no seu trabalho e em todas as suas decisões eram o reflexo de uma sabedoria acumulada com os anos, com os livros , e com a experiência.

Agora que partiu para o Oriente Eterno, termina uma Era na Engenharia Civil Portuguesa. A Comenda da Ordem do Infante que lhe foi atribuída pelo Presidente Doutor Aníbal Cavaco Silva em 2013 só pecou por tardia.

Há pessoas que nos marcam. Que alteram a nossa perspectiva das coisas. Henrique Novais Ferreira deixa uma Obra que fica para a História. Um nome que comanda um respeito entre colegas difícil de igualar. E, para mim, um Professor e um Amigo.

Até sempre, Professor. Até sempre.

Tiago Pereira

Engenheiro Civil

DEIXE UMA RESPOSTA