PARTILHAR

Os primeiros voos directos da TAP para a China podem acontecer antes do verão de 2017, avançou esta terça-feira um dos principais accionistas da TAP, David Neeleman, à margem da III Cimeira do Turismo que decorreu no Museu do Oriente, em Lisboa.
“Inicialmente falámos com os nossos accionistas chineses, a HNA, na possibilidade de fazer dois voos, mas depois fomos à China e eles disseram que podíamos fazer quatro voos semanais e portanto vamos fazer quatro voos para Pequim já no ano que vem e acredito que seja possível antes do verão”, disse.
Neeleman até comentou que, da próxima vez que for à China, ainda consegue chegar acordo para se fazerem não quatro, mas sim sete voos semanais para a China e comentou mesmo, referindo-se à HNA: “É bom ter um tio rico”.
A HNA obteve autorização para lançar uma rota para Portugal no início de Junho deste ano e a concretizar-se como Neeleman e a TAP estão a planear será a primeira ligação aérea directa entre Portugal e a China.
O problema pode mesmo ser o aeroporto de Lisboa que Neeleman diz ser cada vez mais pequeno para os objectivos de crescimento da empresa. “Nós precisamos de mais pistas, mais terminais. Há muita coisa que queríamos fazer, mas não podemos”, comentou.
Para Neeleman, uma das soluções é mesmo o Portela+1, usando a base do Montijo que ficaria para as low cost como a Easy Jet ou a Ryan Air. O empresário acredita que estas duas empresas não teriam qualquer entrave em mudar a sua base de operações para lá, principalmente a Easy Jet que, assim, libertaria o Terminal 2 do aeroporto de Lisboa para a TAP e isso já permitiria à empresa crescer.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here