PARTILHAR
Melissa Gilbert and the original cast of "Little House on the Prairie." Gilbert just released a new cookbook, "My Prairie Cookbook: Memories and Frontier Food from My Little House to Yours." ORG XMIT: MIN2014090907124702

Uma das coisas que nos salta à vista assim que arredamos os pés de Macau é a quantidade de coisas que não encontramos nos supermercados e mercearias do território. Sim, é verdade que basta ir aqui ao lado a Hong Kong para constatar que os supermercados de lá têm muito mais variedade de produtos, mas é quando vamos mais longe e por mais tempo que nos apercebemos da dimensão do “problema” – pelo menos para mim é um problema, mas já lá vamos. Uma mercearia de esquina na Alemanha ou na Itália, por exemplo, tem nas prateleiras produtos alimentares que aqui seriam catalogados de “gourmet”, e o seu preço seria inflacionado dez vezes. Pode ser que haja quem defenda que os gostos deste lado “são diferentes”, e não vou discordar, de todo. Enquanto noutros lugares as pessoas não se importam de investir nos prazeres da vida, comer num bom restaurante ou ter uma dispensa cheia e variada, em Macau “dá-se valor ao dinheiro”. Não por sensatez, mas mais por falta de alternativas, infelizmente.
Quando abordo este tema, gosto sempre de recordar um episódio que se passou comigo há uns anos, quando comprei um gelado de uma marca conhecida numa mercearia aqui perto de casa. Quando perguntei quanto era, a senhora pediu 15 patacas, e enquanto eu tirava o dinheiro do bolso, é para meu espanto que a ouço desabafar“…esse dinheiro dava para comprar duas caixas de arroz”. E eu estava a dar-lhe negócio, convém recordar. Isto passou-se há anos, e apesar de já não custar apenas sete ou oito patacas, uma caixa de arroz continua a ser o que era: uma caixa de esferovite com arroz branco acompanhado de uma quantidade diminuta de carne, peixe ou vegetais, a escolher de umas travessas de alumínio colocadas à porta dos estabelecimentos da especialidade ao final da manhã e depois da tarde. Há quem compre uma caixa de arroz ao almoço, coma apenas metade, e “guarde o resto para o jantar”.
Assim como estas que vendem as caixas de arroz, há ainda as lojas de “sopa de fitas”, e quanto a estas não há que enganar, pois há praticamente uma em cada esquina. Pode-se mesmo dizer que é a única aposta em termos de investimento na restauração em Macau em que não se corre o risco de ter a loja completamente às moscas: a qualquer hora do dia há alguém que quer uma “sopa de fitas”. E como escolher? Os entendidos na matéria podem atender a factores como a antiguidade do estabelecimento e um ou outro particular em termos de ementa, mas basicamente são todos a mesma coisa, e leva vantagem aquele que for “mais barato”. Pode servir a melhor “sopa de fitas” do mundo, mas que não se atreva a cobrar 50 patacas por uma tigela de massas (a não ser que seja algum estabelecimento procurado por clientela de fora, normalmente de Hong Kong, e nesse caso pode cobrar aquilo que quiser).
Tudo isto não quer dizer necessariamente que em Macau as pessoas tenham mau gosto, ou não gostem de comer bem. O que acontece é uma espécie de “ditadura das prioridades”, e para os chineses em geral o que está em primeiro lugar é “ter uma casa”, ou seja, habitação própria. No passado era menos complicado comprar uma fracção, mas com a especulação imobiliária empolada por uma interpretação muito singular do conceito de “mercado livre”, tornou-se praticamente impossível a um casal da classe média adquirir uma moradia decente, e mesmo este conceito de “decente” passa muitas vezes por uma caixa de fósforos inflacionada num bloco de 30 andares com oito moradias em cada um deles, e onde vivem literalmente milhares de pessoas. A estes está reservada uma longa dieta de caixas de arroz e de sopas de fitas.
Quem já tinha habitação própria e entretanto adquiriu mais uma ou duas, entrou no jogo, que é como quem diz, recuperou o investimento com lucros avultados, ou tornou-se cúmplice do desregrado mercado do arrendamento de imóveis, onde qualquer desculpa serve para se aumentar a mensalidade. Outros investiram nos “lao fa”, os tais imóveis que ainda antes de existirem são vendidos e revendidos várias vezes. A recente bronca envolvendo o edifício Pearl Horizon seria revoltante em qualquer parte do mundo, mas sabendo o que se sabe, como é que os investidores ludibriados daquele empreendimento convencem seja quem for de que se arriscam a ficar a viver na rua se não for encontrada uma solução? Estas “casas” que tantas vezes se compram e vendem sem que alguma vez tenham entrado nelas estão depletas de humanidade. Não foi ali que conceberam os filhos, ou onde os viram crescer, nem lhes dão qualquer outro valor que não seja o do mercado. E no fim ainda pedem ao Governo que interfira, quando antes queriam tudo menos a sua interferência.
Não é porque não gostem ou porque não queiram que os residentes de Macau se abstêm de aproveitar os pequenos prazeres que a vida lhes proporciona, mas sim porque se tornaram escravos de um esquema pérfido, mais negro que a face mais negra do capitalismo. Não é o pragmatismo que os leva a calcular as despesas em caixas de arroz e sopas de fitas, que assim se tornam numa denominação local não-oficial, mas que no entanto consegue ser tão corrente como a própria pataca. E há ainda os que têm e querem mais, que fazem das caixas e das sopas o seu combustível, que avidamente aproveitam promoções de descontos de dez patacas do McDonald’s, passando para fora de Macau a imagem de que no território existe fome endémica, e tudo apenas porque de barriga vazia não se fazem negócios. A esses espera-lhes um dia uma caixa maior, e tudo o que têm para enchê-la é arroz.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here