A protecção que o sexo virtual nos dá

Quem se preocupa com o futuro do sexo já previu um interesse desmesurado no sexo virtual. A premissa é de que o sexo real é difícil. Difícil porque necessita da gestão relacional e emocional entre pessoas. O sexo virtual salta esse passo, permitindo-o sem muitas preocupações ou cedências. No virtual concretizar-se-á o sexo de uma fantasia que não se conseguiria na realidade. Até para quem já tem parceiro, o sexo virtual vai ser sempre aliciante. Este não terá que ser o resultado de uma compreensão mútua, adaptação ou cedência. Este capacitará a pessoa a controlar absolutamente tudo. O envolvimento do corpo será mínimo, e, se existir, será mediado por apetrechos. Os algoritmos criarão figuras virtuais que irão responder da forma como a mente sexualizada deseja, sem grandes problemas. Estas inovações, em quantidades saudáveis, até são bastante boas para acordar a nossa libido.

Também há quem preveja que o sexo virtual possa ser uma realidade partilhada, como em jogos de role-play. Mais realistas e mais sexuais, as pessoas poderão ser personagens em universos paralelos e terem sexo. Aqui a questão da negociação também poderá estar presente. O resto estará protegido e pode ser alterado. Cara, sensação, corpo. Poderão escolher-se os corpos que nunca tivemos, e encontrar outros nas mesmas condições. O sexo, continuará a ter o seu ‘quê’ de facilidade. Estas personagens poderão desenvolver grande química por alguém, que se conhecessem na vida real, não teriam interesse absolutamente nenhum. Que tipo de reinvenção curiosa seria esta? Quão real é o não-real – será das perguntas mais difíceis para o futuro do sexo. Assim que estas práticas se tornarem mais comuns, vai ser preciso discutir o virtual no real, onde as consequências da vida são muito claras, ao contrário destes universos onde seriam facilmente contestadas e alteradas. Como é que os dois universos serão capazes de co-existir? Será que o sexo virtual pode ser considerado sexo verdadeiro, de alguma forma?

O sexo virtual e a sua facilidade escondem-nos de medos que são muito legítimos. Mas mantê-los escondidos em nada contribui às nossas individualidades e muito menos às sociedades em que vivemos. Já todos entenderam a importância central do sexo nas nossas vidas. Não é por acaso que a indústria do sexo é das mais prolíficas e estas inovações não param de sair. A procura incessante por estas formas protectoras de sexo talvez sinalizem o inerente medo de errar – de perceber que não existem encontros sexuais perfeitos (como a ficção gosta de insinuar que existem). Talvez normalizando esse risco poder-se-á ter uma atitude mais progressiva. Tal como o vício da pornografia, se consumido em excesso, o sexo virtual pode contribuir para a sua banalidade. Será necessário aferir os limites saudáveis. Serão necessários consumidores capazes de aferir as vantagens e as desvantagens dos universos paralelos.

O sexo virtual auxilia aqueles que não querem enfrentar o sexo sem mediadores, e os que são capazes do mesmo, mas que querem experimentar coisas diferentes nas suas vidas. No sexo, raramente existem práticas inerentemente más. Mas a falta de reflexividade sobre o sexo e de como nos sentimos sobre ele impossibilita o sentido critico que nos ajuda a navegar estas vidas sexuais futuras.

12 Mar 2020