Paulo José Miranda

112 ARTIGOS 0 COMENTÁRIOS
José Saramago atribuiu-lhe o primeiro prémio literário com o seu nome. Viveu na Ásia, no Médio Oriente e no Brasil. De escritor-promessa a persona non grata no meio literário, Paulo José Miranda, licenciado em Filosofia, é poeta, escritor e dramaturgo, e tem obra publicada.

Heráclito responde a Parménides

O pensamento ontológico de Parménides mostra-nos a radical diferença entre a verdade e a opinião. A primeira alcança-se através do espírito, da consciência, e a segunda através dos sentidos

A SOMBRA DE PARMÉNIDES

Ele diz aqui uma coisa fundamental, que hoje pode parecer, por um lado uma redundância e por outro um absurdo: há dois caminhos para o pensar, o do ser e o do não-ser, sendo que este não é

Conversão e Existência

Conversão é uma palavra importante no Novo Testamento, que tem a sua etimologia no grego clássico, epistrophe, de onde é original a palavra

A última garrafa

DOUTOR: Julga que alguém vai acreditar no que aqui se passou?

A última garrafa (num consultório privado)

Diga-me uma coisa, você já contou essa sua doença a alguém, para além de mim?

A última garrafa (Num consultório privado)

RAUL: Então o que é que está em causa, doutor? DOUTOR: Remédio. O que está em causa é o remédio. Os outros encontram-no e você não. É isto que está em causa.

A última garrafa

Por exemplo, isso, a vida, não lhe pode estar a doer todo o tempo. Mesmo agora, você parece bastante calmo, a conversar e a beber whisky. Está a perceber?

A última garrafa

O que quero dizer é que a vida, para mim, não é vida. É e não é. É, porque estou vivo e tenho as minhas responsabilidades como todos os outros.

A Última Garrafa

RAUL: Bem, doutor, o que aqui me traz é que gostaria muito que o senhor me ajudasse a morrer.

OI, de Luís Brito (parte 2)

As diferenças sociais no Rio vêem-se, contrariamente a São Paulo, estão expostas a cada esquina, a cada bar junto à praia

OI, de Luís Brito

Oi é o quarto livro de Luís Brito. Três deles de prosa e um de poesia, embora este de poesia esteja dentro de um dos livros de prosa, precisamente o livro que aqui nos traz.

A Sombra de Teseu – Quinto Estásimo

Temos no fim o que foi sempre! / Teseu descobre um mal maior / Que a força do Minotauro: / Um amor não correspondido

A Sombra de Teseu

Porque não confessas que nunca me amaste, como amaste Antíope, a grande amazona, mãe de Hipólito? Porque não acreditas nas minhas palavras, mesmo que os factos pareçam contrariá-las?

A Sombra de Teseu

Já escutei o que precisava escutar, mulher. Podes ir embora. Sai!

A Sombra de Teseu [Terceiro Estásimo]

Continuo a acreditar em Fedra, Hipólito! Mas estás certo quando referes os diferentes comprimentos do fio de espada. Aguardemos que Fedra chegue

A Sombra de Teseu [Terceiro Estásimo]

De que adianta tudo o que se faz, se os filhos serão sempre o que os deuses quiserem?

A Sombra de Teseu

Onde está a minha mulher? Onde está Fedra? Alguém a pode avisar da minha chegada?

A Sombra de Teseu

Mas como pode o desejo ser bom, Fedra? Explica-me isso, por favor!

A Sombra de Teseu

Não são fantasmas, são tristezas

A Sombra de Teseu (1)

A acção passa-se nos limites da floresta, junto à cidade de Trezena, no Peloponeso

O Primo Basilio – Continuação da quarta e última parte

A grandiosidade do vício está em fazer de nós animais justificativos.

O Primo Basílio | Quarta parte

Há uma estreita relação entre desejo e vício, que é preciso apurar agora.

Análise acerca de O Primo Basílio – Terceira parte

A palavra “vício” é usada apenas onze vezes ao longo de todo o livro. Tentemos entender a importância desta palavra na economia geral do texto

O Primo Basílio de Eça de Queirós

O que nos traz aqui é a Luísa e a Juliana, a senhora e a sua criada.