Amélia Vieira

92 ARTIGOS 0 COMENTÁRIOS
info@hojemacau.com.mo

Ouro, Incenso e Mirra

Mais tarde as serpentes vêm com suas bocas abertas mas na voragem dos solos nada terão para tragar

O dom das lágrimas

Sofrer é um nobre mistério se interpretarmos a vida como uma manifestação onde a dor é presença constante

Os Prémios

Os imensos esforços de camaradagem forçada que se denota nestes ambientes impulsiona o mais desprevenido a desejar sair dali.

O ovo de Símias de Rodes

Este poema inaugural foi escrito três séculos antes de Cristo e aparece-nos como um primeiro poema visual

Escorpião

Urdiduras, sinais, rebentações. Transformamo-nos. E agora que a morte é tabu, acabarás como Urizen por ver consumado o perpétuo isolamento do teu mundo

Ai flores de verde pino

Oito séculos depois do rei amigo ter plantado o seu pinhal as chamas deste ano o devoraram.

Uma frescura de asas

Descarnar, não querer efeitos, retirar o excesso de humano, vencê-lo, secar o pântano acre-doce do instinto que alimenta espectros - movimento extinto.

A China fica ao lado

Estar em Macau é como aterrar na Lua, ou algures na Galáxia, onde a grande mobilidade nos acelera de modo estranho, talvez metabolicamente

Um vermelho tardio

Para Oriente nos fascina a cor vermelha - a sua cor vermelha - tão diferente daquelas que conhecemos.

Intertextualidade e poema

Quem se move na esfera do poema sabe o quanto inacabado um verso é.

A narrativa do crescimento

O herói passa por metamorfoses, sim, mas o mito do crescimento quase se esconde. O aprendizado da dor como manobra de crescimento não tem aqui significado.

1888

Há anos especiais e números que se repetem como anunciados. Este oito, três vezes repetido, é uma miríade de números, sem dúvida, mas neste ano a trindade poética nasceu como se fora um octogonal propósito: Pessoa, Ungaretti, Eliot

Definitivos

A legenda de um tempo pode ser feita a partir dos títulos comerciais para o consumo.

Como água que corre

Nenhum poeta, nenhum artista, detém sozinho o seu completo significado e tudo o que herda é de árduo labor.

Livre Pauvre – Livre Riche

Falo de uma criação que há muito galgou o espaço da sua origem e tem unido poetas e pintores pelo mundo « Livre Pauvre-Livre Riche», criado por Daniel Leuwers, professor de literatura na universidade de Tours, crítico literário e especialista de Rimbaud.

A ressurreição da rosa

Diz a lenda que rosas nascidas no Inverno são prenúncio de mau agouro. Talvez por isso a exclamação do rei não tenha sido de desconfiança mas de receio, de súbita apreensão, nesta altura ainda ele plantava uma nação feita de baldios por todas as áreas recentemente conquistadas e a cavalo conhecia bem o país e dele tirava amplas vantagens de generosos acolhimentos.

O senhor sete

Desarticuladas andam as funções entre leitura e narração, como se houvesse um hiato intransponível entre fenómenos complementares, esquecendo o poder encantatório da linguagem no desenvolvimento de um cérebro saudável.

Todos os dias o medo

O nosso quotidiano não disfarça ainda a nossa perplexidade perante o efeito do desastre e suas leis que devem ser muito precisas e por isso de infalibilidade revestidas: comovem-nos sempre como se não pertencessem por inerência a todo este propósito.

As móveis estradas de Eros

Aqui estamos como que filtrados e caídos na Terra, em cima dela, movendo-nos na horizontal, uma linha deitada nos traça os movimentos e só subidos vamos quando nas passagens aéreas descolamos os pés do solo.

Gustavo Adolfo Bécquer

Estamos, os da minha idade, naquele tempo em que mais, muito mais, do que a receptividade ao novo, somos automaticamente levados a recordar, a lembrar...

Baleia azul

Apareceu esta estranha designação que tem por detrás práticas destrutivas e incentivo à destruição como meio de averiguar o limite das capacidades quando norteadas por um engenhoso cérebro de « Encantador de Serpentes»

Tempo de ser a coisa outra

A transparência nada nos diz que transpareça grande coisa nas questões que hoje nos propomos contemplar

Orpheu e Salvador

Os mitos órficos são suficientemente carregados de simbolismo para que se retirem deles ilações e não raro aspectos factuais a um determinado momento da...

Holderlin

A partir de uma curvatura subtil da língua devíamos ter um trema ali por cima do "o" mas não existe mais na nossa gramática, nem a ninguém lembra agora voltar a colocá-lo, um pouco como os chapéus que tirados não mais voltam por norma às cabeças