PARTILHAR
Foi ontem lançada a terceira edição do Ted Summit, do Instituto de Formação Turística. A plataforma pretende mostrar as investigações dos alunos a académicos e à própria indústria. A ideia é contribuir para que haja pensamento crítico

“A percepção dos residentes do impacto sociocultural do Oktoberfest do MGM” é o título de umas das teses ontem apresentadas no Instituto de Formação Turística (IFT), no âmbito da terceira edição do Ted Summit. A investigação, da autoria da aluna Leong Weng U, finalista em Organização de Eventos, incidiu na identificação dos aspectos positivos e negativos do festival para a população local.

O objectivo, disse Leong Weng U ao HM, é compreender como actuar para minimizar as percepções menos positivas. No caso em particular, em que os residentes consideram que o Oktoberfest não é uma tradição local, uma das soluções pode passar pela oferta de bilhetes, de modo a que se sintam mais integrados.

O trabalho da aluna foi um dos 13 que fazem parte de um evento que pretende mostrar algumas das investigações finais dos alunos, sublinhar a importância da pesquisa e da aquisição de pensamento.

A presidente do IFT, Fanny Vong, espera que a edição seja caracterizada pela apresentação de trabalhos relevantes e que o programa do IFT tenha reconhecimento crescente por parte dos agentes turísticos e da sociedade. Para a dirigente, é uma forma de responder às necessidades, numa sociedade em transformação constante. “Os temas seleccionados são, sem dúvida, do interesse geral”, disse.

A iniciativa pretende treinar os alunos para a criação de um pensamento crítico, esclareceu Fanny Vong. “Com o desenvolvimento do turismo no território, enfrentamos frequentemente novos desafios, pelo que a questão é quem pode ajudar na resolução das situações que se levantam e propor soluções”, apontou.

Para Fanny Vong, a resposta está na formação para o pensamento. “Os alunos têm de ser observadores, capazes de entender o que se passa à sua volta e serem investigadores para descobrir as raízes dos problemas e propor soluções com novas perspectivas”, reiterou.

Laurie Baker-Malungu, coordenadora das teses de final de curso, não podia estar mais de acordo. “Enquanto instituição de ensino superior, a realização de uma tese de investigação para os cursos da área científica é fundamental, não tanto pelo resultado, mas pelas capacidades que os alunos adquirem durante o processo. O Ted Summit é a celebração do caminho até aqui.”

“Queremos que os estudantes consigam identificar problemas e sejam capazes de, activamente, resolver as situações com que podem vir a ser confrontados, de uma forma sustentável”, frisou a académica.

Património a não esquecer

Para Fanny Vong, o maior desafio que Macau enfrenta actualmente “é a qualidade que se pode oferecer na experiência aos visitantes”. “O sector é composto por vários aspectos e os profissionais têm de apostar em todos eles”, alerta. Por outro lado, “há que elevar a fasquia de modo a não perder a autenticidade e a herança cultural, porque tudo faz parte da experiência turística”.

A presidente do IFT considerou ainda que Macau é um lugar especial sob o ponto de vista da indústria do turismo. O facto de juntar o “brilho dos casinos do Cotai e a verdadeira Macau” faz com que o território possua aspectos particulares. Ainda assim, Fanny Vong defende que há que proteger o património para que não venha a ser “uma sombra das luzes do Cotai”. A própria instituição a que preside tem um programa de ensino especialmente dedicado ao tema. “Começou em 2005, antes de ser reconhecida pela UNESCO, por já considerarmos a importância da protecção da herança cultural e esperarmos que os residentes não se esqueçam do seu passado.” Fanny Vong frisou que é tempo de colocar os planos do Governo em acção.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here