PARTILHAR

Ninguém estava à espera de novidades, eu não estava à espera de novidades, às tantas não é suposto haver novidades. No que toca a Linhas de Acção Governativa, já ficaria satisfeita se houvesse alguém dentro do Executivo com capacidade e força política para fazer cumprir metade dos grandes projectos anunciados no passado. É um estudo comparativo que devia ser levado a cabo: uma análise aos planos anuais de quem alegadamente manda na terra, desde a transferência de Administração, para se tentar chegar a uma taxa de execução de ideias. Trabalho chatinho e demorado, eu sei. E inglório.

Ninguém estava à espera de novidades e todos nós sabemos, mais ou menos, do que é que a casa gasta. Ainda assim. Não consigo deixar de ficar incomodada com a incapacidade – ou a falta de desejo – de respostas concretas. Da conferência de imprensa onde fui, onde esteve o Chefe do Executivo, ficou-me a imagem do costume: muito gosta esta gente de adiar decisões (ou de não revelar decisões) com o pretexto dos estudos.

O metro: não se compreende como é que, depois de se dar a volta às entranhas da Taipa, continua a não haver uma decisão final sobre o que vai ser o metro em Macau, por onde é que vai passar e a quem vai servir. Recordou Chui Sai On que os planos apresentados ao longo dos anos deram polémica. Faz parte, é assim em todos os lados. A falta de consenso – essência da democracia, diria eu – é, aqui, um grande obstáculo (ou uma excelente desculpa) para quem tem a obrigação de decidir. E porque não se decide, surgem ideias peregrinas, contestações mais profundas vindas de gente influente.

Há umas semanas, três deputados à Assembleia Legislativa viram a luz: faça-se um metro só na Taipa, com ligação à Barra, e pronto, está feito, ou quase. Para evitar o caos na península, o melhor é um monocarril pela orla costeira, que os turistas vão achar piada. Se houver umas carruagens temáticas – sugiro eu – vão achar mais piada ainda. O Chefe do Executivo não comprou a ideia de um sistema de metro ligeiro para as ilhas, mas admitiu a possibilidade de um trajecto costeiro, sem entrada na cidade. Mas não sabe. Ou não diz.

Também não diz ou não sabe – são os estudos, pá, são os estudos – o que vai acontecer ao Instituto para os Assuntos Cívicos e Municipais (IACM) com a criação de um órgão municipal no próximo ano. Sei que, às vezes, não parece, mas o IACM – ou um organismo com as mesmas funções – é uma coisa muito importante numa cidade. Se já está a ser concebido um órgão municipal e o Chefe do Executivo não sabe – ou não diz – o que vem a seguir, é sinal de que há algo profundamente errado.

O IACM é capaz de ter sido o maior erro concretizado no pós-transferência de administração. Decidiram acabar com as câmaras municipais, a de Macau e a das Ilhas, e criaram uma entidade com uma estrutura orgânica estranha. Acabaram com as assembleias municipais e assim se acabou com um bom mecanismo para ouvir as queixas das freguesias, que passaram a ser matéria com estatuto para o órgão legislativo. Acabou-se com a concorrência entre Macau e as Ilhas – a minha câmara faz melhor do que a tua –, coisa muito saudável a uma terra que se quer com algum brio. E o pior: o Governo assumiu problemas de gestão municipal que se transformaram em papões políticos.

Já foi tudo inventado. Os grandes problemas de Macau são, sobretudo, questões do quotidiano. Mas os grandes pensadores do território complicam o que, não sendo simples, já foi resolvido noutros lados. E estudam aquilo que, noutras cidades, já deixou de ser matéria de reflexão há muito tempo. Não se copiam soluções com o pretexto da especificidade local, como se as pessoas daqui fossem especiais de corrida, diferentes de todas as outras. Às tantas são, dada a incapacidade de, como temos visto nos últimos tempos, se relacionarem com quem vem de fora e que não tem o cérebro à venda por meia dúzia de milhões de patacas.

No meio do reboliço habitual de Novembro, este mês vai estranho. O ar está denso, está pesado, às tantas é melhor deixar tudo como está e não mexer muito, afinal habituaram-nos a isso e não temos nada que ver com as possibilidades de mobilidade do futuro ou com quem limpa o chão que pisamos.

DEIXE UMA RESPOSTA