PARTILHAR

Macau era uma curiosidade desde os tempos de faculdade para Diana Barbosa. A arquitecta residente na RAEM há cerca de três anos recorda as referências ao território por parte dos professores que lhe foram beliscando a curiosidade. “Lembro-me de que comecei a ouvir falar de Macau na área da arquitectura ainda na universidade e já na altura este espaço, que me era dado como tão particular e longínquo me despertava a vontade de o conhecer”, explica ao HM. A vontade transformou-se em oportunidade. A recém licenciada em arquitectura candidatou-se ao programa de estágios Inovjovem, escolheu como destino a RAEM e meia volta ao mundo depois, aterrava no local que lhe veio dar, posteriormente, a  “oportunidade única no que respeita à construção em grande escala”.

Após os meses de estágio regressou a Portugal, mas a Ásia já se tinha instalado na sua vida e não tardou a regressar em busca da sua sorte. “Macau representava aquilo que queria viver profissionalmente. Os casinos são um universo muito rico, também em termos de arquitectura. Escondem um mundo, aquando da sua construção, que as pessoas na generalidade desconhecem, e eu queria aceder a ele”. Após venturas e desventuras, esperas de abertura de quotas em algumas das empresas para as quais se tinha candidatado, Diana Barbosa acabou por receber uma proposta à sua medida. Um gabinete internacional, dedicado aos projectos associados aos casinos apresentou-lhe uma oportunidade que a arquitecta não descurou e que “até hoje é fonte de realização profissional e muita aprendizagem”. “O que se faz em Macau não se faz em mais lado nenhum do mundo nesta área da arquitectura, e como tal, é o sítio certo para se estar”, afirma sem esconder a realização pessoal que o território lhe tem proporcionado.

Diana Barbosa recorda a segunda chegada a Macau como “um momento difícil”. Apesar de ir de encontro aos seus desejos, as maiores dificuldades sentidas foram na logística das mudanças, nomeadamente os problemas que teve de enfrentar para alugar uma casa. “Depois do Inov voltei a Portugal e quando regressei a Macau, em 2014, as rendas estavam a subir em flecha”, recorda.

Os tempos iniciais não foram fáceis neste sentido. O ter iniciado um trabalho recente não ajudava na conquista de um tecto onde ficar: “como ainda estava numa fase inicial de trabalho não tinha como alugar casa. O que me valeu foi que encontrei uma empresa à minha medida e o resto veio por acréscimo.”

Casinos vistos por dentro

Saber os meandros que envolvem as grandes construções associadas ao jogo em Macau, era um dos grandes objectivos de Diana Barbosa. “O que se faz aqui é muito diferente, mas também é muito aliciante”, explica. A razão é porque “permite oportunidades de intervir em questões que de outra forma nunca teríamos as portas abertas”.

Se agora os casinos são o mundo em que vive, Diana Barbosa não abandona uma paixão antiga que vai desenvolvendo por cá. O desenho, que sempre a acompanhou, está agora restrito aos tempos livres mas não deixa de marcar os cadernos de esboços que representam um projecto sempre em construção, a produção de um diário de viagem. A arquitecta pretende com esta iniciativa pessoal criar um registo do que tem sido “a vida aqui na Ásia” para um dia recordar. “Vou desenhado e escrevendo o meu diário destes anos, desde que cá cheguei porque um dia, quando regressar, não quero que nada fique esquecido” comenta.

Diana Barbosa recorda a chegada a Macau, terra a que hoje chama de casa, e não esquece que foram os odores, a primeira coisa que lhe chamou a atenção. Por outro lado “há aqui um sentimento de vizinhança que me faz sentir confortável”. “Lembro-me bem da primeira casa onde vivi, das ruas com luzes e sombras muito bonitas que me acompanhavam até ao trabalho, e da sensação de pertença a um bairro em que de manhã, por exemplo, no meu caminho passava pelas ruas e me cruzava com as pessoas que entretanto tomavam o pequeno-almoço aqui e ali, o que me fazia ter a sensação de proximidade e vizinhança”, comenta.

Para já os planos de regresso a Portugal estão longe dos objectivos a médio prazo. A maior dificuldade que ainda sente é a distância da família, mas a arquitecta está de mangas arregaçadas. “Macau já é a minha casa, já aqui tenho amigos e uma vida. O próximo passo é trazer os meus pais para cá”, explica. “Estou a trabalhar nesse sentido e sei que vou conseguir”, afirma com um sorriso de quem vê o futuro mais luminoso com a presença de todos os que estão dentro do coração.

DEIXE UMA RESPOSTA