PARTILHAR

 

 

Não, o mundo não acabou. Teremos acordado, muitos de nós, de ressaca – mas o mundo não acabou, continua a ser o que era, aqui mais frio do que nos dias anteriores, mas isso é normal. O mundo não acabou mas está diferente, dir-me-ão. Está, mas também só mais ou menos. Se virmos bem as coisas, chegamos à conclusão de que só se confirmou. O mundo tem vindo a ser diferente há já algum tempo.

Não, este texto não é sobre Donald Trump. É mais sobre as pessoas que votaram nele, que não conheço, mas imagino mais ou menos como serão. Não são únicas, não são especiais – ninguém é – e não é a primeira vez que vivem na história. O mundo é redondo e escorregamos por todos os lados, a história dos homens é redonda e faz com que escorreguemos sempre para o mesmo sítio, nesta incapacidade que temos, todos nós, de aprender com os erros dos nossos avós. E com os erros dos avós dos outros. Julgamo-nos únicos, especiais – não somos, ninguém é. E a ignorância há muito que foi inventada.

É esse o grande problema de hoje, nos Estados Unidos, na Europa, aqui em Macau e ali na China Continental. A crise – real ou imaginada, como a que vivemos aqui na terra – veio trazer à tona o pior que há na Humanidade. Um por um, todos por mim. Se eu não me safo (ou se não me dou muito bem na vida) é por causa dos outros, jamais por minha causa. Se eu me enterrei e tropecei na recessão, a culpa é dos outros, só dos outros – e os outros são, por norma, os mais fracos. Atribuo a minha derrota a quem tem menos força do que eu, no mais completo e perfeito auto-atestado de estupidez.

Se não tenho sopa na mesa, a culpa é dos imigrantes, legais ou ilegais, tanto faz. O mundo está a dividir-se assustadoramente em dois: os homens com legitimidade para sobreviverem e os homens sem legitimidade para nada – nem sequer com direito a uma morte condigna, que é a morte em paz. Confunde-se imigração ilegal com bandidagem, aponta-se o dedo a quem não tem opções. Achamo-nos incrivelmente melhores do que os outros, só porque nascemos mais ricos, mais brancos e mais lavadinhos, com mais documentos nas mãos.

Não é preciso irmos longe para percebermos como é o eleitorado de Trump – se esticar o braço vai estar a tocar num fã do discurso enviesado do Presidente eleito dos Estados Unidos. Há muitas boas alminhas por estas bandas que acham piada a este conservadorismo sem nível e ao isolacionismo a cheirar a mofo. Há muitas criaturas por estes lados que adoram a globalização, mas só porque dá jeito para viajar e para comprar sapatos e malas italianas feitas por crianças famintas.

Quando a globalização é aceitar o vizinho, deixa de ter interesse: as pessoas dos países aqui ao lado não chegam a ser bem pessoas, pelo que nem sequer há discussão sobre direitos e liberdades e garantias, quanto mais sobre igualdade e sobre sermos todos gente com cabeça, corpo e membros, o que é que isso interessa, eu sou muito melhor porque tenho um cartão no bolso, isto é só meu, esta terra é só minha, eu nem nasci cá mas apropriei-me de um direito que não quero partilhar com mais ninguém, a globalização é boa para eu ir de férias à Europa, os outros que morram à fome que não tenho nada que ver com isso.

O mundo está perigosamente partido ao meio e o trumpiano fenómeno veio confirmar isso. Veio mostrar também que não há memória, não há história na cabeça do mundo. Que os líderes são fracos, porque fracas são as pessoas – não todas, mas muitas, demasiadas. O mundo está partido ao meio e vive tempos difíceis, sem pontos de equilíbrio. Quem tem poder quer ter ainda mais poder – a casa nunca é suficiente – e isso foi sempre assim, foi assim que o mundo se descobriu, por estarmos fartos de mandar em nós, por gostarmos de mandar nos outros. Mas as coisas agora são diferentes: o mundo está assustadoramente dividido entre quem advoga o obscurantismo e quem, sabe-se lá como ou porquê, conseguiu andar para aquilo que deveria ser o nosso tempo.

Fico assustada quando alguém bem mais novo do que eu se encosta ao lado errado desta noite em que parecemos ter acordado. Fico assustada porque sei que não estudou história, não se entristeceu por ver alguém pedir na rua, porque não foi capaz de sair do bairro onde vive apesar de até já ter visto outros mundos. Fico assustada com o que aí vem, pelo que vou ouvindo e vendo. Não foi este o mundo em que cresci, um mundo em que se deu cabo de um muro para que todos pudessem falar, um mundo em que havia uma ideia de que se devia respeitar o outro, os outros, um mundo em que a solidariedade se ensinava desde pequenino.

Há um imperscrutável mundo novo em formação. Para o que der e vier, e porque não mandamos nele para fazer dele uma coisa boa, que consigamos pelo menos torná-lo menos injusto, menos desumano, menos racista, mais igual. E sim, sim, isso depende de todos nós, nos que votam e nos que não votam, nos que vivem nos Estados Unidos de Trump ou na China de Xi Jinping, porque as pessoas estão em todos os lados e a globalização, queridos seres do século XII, não são só sapatos e malas italianas feitas por crianças exploradas e famintas de vida.

 

DEIXE UMA RESPOSTA