PARTILHAR

O assunto da ordem do dia na região é sem dúvida a decisão de Pequim em não aceitar a nomeação de dois deputados da ala pró-democrata do LEGCO de Hong Kong – tema incontornável, e que no fundo nos diz respeito a nós aqui deste lado também, em Macau. Os dois deputados em causa, Baggio Leung e Yau Wai Chin, foram eleitos pelo novo partido “Youngspirations”, também conhecido por “localista”, uma força que surgiu do movimento “Occupy Central”, e que pretende mais do que o actual “elevado grau de autonomia” que a R.P. China concede às RAE de Macau e Hong Kong. Sem mais rodeios, o que esta nova força pretende é uma auto-determinação, idêntica àquela de que usufrui a cidade-estado de Singapura, por exemplo.

Os dois deputados eleitos pelo círculo dos New Territories (NT), o mesmo que elegeu para vários mandatos Emily Lau Wai-hing, actual presidente do Partido Democrático de HK. Pode-se portanto afirmar que esta é um distrito eleitoral com uma forte implantação democrática. Na altura de tomar posse no LEGCO, os jovens deputados eleitos recusaram-se a prestar juramento conforme o texto oficial, optando por satirizar o mesmo, recorrendo ainda a expressões insultuosas para com o Governo Central e a própria RPC, desfraldando uma bandeira onde se lia “Independência para Hong Kong”. O juramento ficou sem efeito, e Pequim recorreu a uma interpretação da Lei Básica, nomeadamente do artigo 104, que se refere à “solenidade e sinceridade” do juramento, que deve ser ainda pronunciado “correctamente e na íntegra”.

Uma leitura mais superficial desta sequência de eventos pode dar a entender que Pequim se socorreu de uma “tecnicalidade” para impedir a nomeação dos dois jovens localistas, mas se o regime tem defeitos – e tem, bastantes – um deles não é o de “andar a dormir na forma”. Já eram assaz conhecidas as suas posições, foi-lhes enviado um “aviso” quando foram eleitos em Setembro último, mas nunca, em circunstância alguma, Pequim obstou à candidatura dos localistas, ou tomou quaisquer medidas para impedir que fossem eleitos. Não consta ainda que tivessem sido obrigados ou coagidos a deturpar o texto do juramento, foi-lhes dada uma segunda oportunidade de o fazer nesse mesmo dia, e nos 30 segundos que dura a leitura daquela meia dúzia de linhas, não está inclusa qualquer concessão da alma ao Diabo. É o mesmo juramento que todos os deputados fazem e sempre fizeram –  incluindo o célebre “long-hair” – quando tomam posse naquele órgão legislativo DA R.P. China. Penso que os Baggio e Yau tinham consciência de que estavam a concorrer para um órgão que para todos os efeitos é DA R.P. China. Posso estar enganado nesse particular, não sei.

Não conheço assim tanta gente em Hong Kong para saber o que pensa a opinião pública em geral deste caso, nem sigo de perto o que se faz aqui a lado em matéria de política. Aqui em Macau a reacção que colhi da generalidade foi de que se trata basicamente de um “no-show”. Não se trata de política, de activismo, ou sequer de um acto de protesto digno desse nome – foi desnecessário, contra-producente e inexplicável. Mesmo a ala moderada que agora apoia os dois deputados e se manifesta contra a decisão de Pequim dá mais ênfase ao efeito do que à causa. Não me recordo de ter visto alguém a dizer o que pensa da atitude dos dois jovens, e cada vez que o tema vem à baila, “chuta-se para canto”, e fala-se da “intromissão de Pequim”, que APROVEITOU…o que lhe foi entregue de bandeja, em suma.

A este ponto falemos de democracia, e aqui o que eu gostava mesmo de saber era o que sentem os pouco mais de 80 mil eleitores que mandataram os deputados localistas, e se o seu comportamento vai de encontro às suas expectativas. Gostava de saber ainda se a generalidade da população de Hong Kong se revê neste “fulgor independentista” da facção localista, ou se aqui por “democracia” se entende a imposição da vontade de uma minoria, porque é “o único caminho viável” – será mesmo? Como conclusão gostaria de deixar um ponto bem assente: a reprovação da atitude dos dois jovens não implica que se concorde com a decisão de Pequim, ou que se “ache bem”. Associar as duas coisas é mais do que fazer uma interpretação extensiva e abusiva da leitura dos factos: é desonestidade intelectual, pura e simplesmente. Se de político este caso começou por ter muito pouco, só para depois vir a transbordar, de respeito pela inteligência alheia nunca chegou a ter nada.

PS: Donald Trump venceu as eleições norte-americanas, um facto que pode ser mais do que apenas uma “curiosidade bizarra” para o resto do mundo, e aqui os principais efeitos vão-se fazer sentir de imediato nos mercados. Mau para quem nada nessas águas, portanto. Quanto ao resto, como não sou religioso não alinho em previsões apocalípticas, mas não posso deixar de pensar que tudo isto culminou com uma grande bofetada de luva branca no “establishment”. Adaptando um velho provérbio português à situação: quem mandou os democratas acharem que “para Trump, uma Clinton basta”?

DEIXE UMA RESPOSTA