PARTILHAR
Vista nocturna de Macau øD™˘•´∞œ©]¥∫ A night view of Macau

Medidas completamente cumpridas e mais um molhe delas a caminho reflectem o sucesso que se mantém desde a IV à V Conferência Ministerial do Fórum. No entanto, Macau é chamado às suas responsabilidades enquanto plataforma que necessita de continuar a reunir esforços para um bom desempenho. Este é o balanço de Gao Hucheng, Ministro do Comércio da República Popular da China, expresso ontem em conferência de imprensa.
Na opinião do ministro chinês, nem a conjuntura menos positiva da economia global ou o abrandamento da economia chinesa interferiram para que a cooperação, que se tem vindo a registar e personificar através do Fórum Macau, abrandasse.
Entre 2013 e 2015, o volume de negócios entre a China e os Países de Língua Portuguesa foi superior a 360 mil milhões de dólares americanos e até agora, todos os tipos de investimento chinês nos PLP já ultrapassa os 50 mil milhões.
Em termos de cooperações no que respeita a infra-estruturas, agricultura e medicina tradicional, o volume de negócios feitos pelas empresas chinesas para a empreitadas de obras públicas foi superior a 70 milhões de dólares, quase mais 50% do que o valor registado no último Fórum.
O intercâmbio cultural não está esquecido e desde 2013, a China já construiu dois novos Institutos Confúcio em Portugal, tendo actualmente um total de 17 Institutos e 3 salas de aula associadas à instituição espalhadas pelos PLP.
Por último, mas não menos importante para o Ministro do Comércio, é o papel de Macau que tem vindo, neste processo, a promover sistematicamente a construção de plataforma de serviços de cooperação.
Gao Hucheng deixou ainda uma proposta com quatro pontos sobre como implementar os consenso acordados por líderes e estreitar ainda mais as cooperações entre a China e os Países Lusófonos. Destes pontos faziam parte a implementação de consensos pragmáticos, a promoção e facilitação do comércio e investimento, o apoio ao desenvolvimento sócio económico e a intensificação do papel de Macau como plataforma de intercâmbio.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here