PARTILHAR

Na cultura chinesa, acredita-se muito numa coisa: o destino (緣份). Destino no sentido das relações que vamos tendo com outros. Acredita-se que conhecer uma pessoa é algo já destinado, marcado para as nossas vidas: porque é que conhecemos este mas não aquele? Porque é que nos tornamos amigo de uma pessoa que conhecemos há pouco tempo e não de um colega com quem estamos sempre? Todas as pessoas que conhecemos na vida têm os seu próprio destino.
Eu valorizo muito as relações com amigos, colegas e, claro, família. Mas, obviamente, nem sempre que consigo manter boas relações com todos. Eu também ignoro, eu também sou responsável por mal-entendidos. Eu também me zango, ralho, magoo outros, com ou sem razão. Apesar de tudo, tento não manter as partes negativas dos outros na minha mente.
Talvez estes meus pensamentos sejam formados através dos filmes ou telenovelas que via muito anteriormente. Mas há algo que ouvi e que me ficou sempre na memória: “Lembra-te sempre que detestar uma pessoa é muito cansativo e essa pessoa não fica cansada, apenas tu”.
É por causa disto que não costumo deixar que o ódio por alguém invada a minha mente mesmo que alguém me tenha feito mal. Não espero vinganças de ninguém por causa dos meus defeitos, desde que não continue a fazer mal.
Também não gosto de olhar de lado nem de detestar uma pessoa sem razão, de forma fácil. O que me interessa mais é saber porque é que uma pessoa faz determinadas coisas, qual é a intenção, o que pensa, ou sentia quando o fez. Se calhar esta forma de pensar pode ser considerada parva, mas sei que, apesar de nem sempre estar certa, também há mal-entendidos ou preconceitos formados.
Mas também acho que é perigoso não esclarecer o que é a verdade quando alguém entender que algo está mal, porque, mesmo que nos possamos importar com o que os outros pensam e falam, estas coisas podem a qualquer momento afectar emoções, relações e até a vida quotidiana. Passando um longo tempo, é possível que esses mal-entendidos façam com que as pessoas se tornam inimigas.
Os mal-entendidos, penso eu, são uma arma “fria”, que destrói e magoa silenciosamente. Sobretudo quando existem entre família, num grupo ou numa equipa. Podem derivar de suspeitas, enganos, raiva, ciúmes e até ódio, algo que não é nada necessário. Além do mais, quando os mal-entendidos se espalham de uns para outros, esse erro desnecessário fica cada vez maior e o resultado poderá ser irreversível.
“Se uma equipa tem uma boa comunicação, se não se poupa a cooperação entre uns e outros, o poder que se produz poderá ser tão forte que até Deus o teme.”
Li esta frase num livro chamado “Avança-se um pouco um dia depois do outro”, de um autor pouco conhecido de Taiwan. Como nenhum de nós vive numa ilha isolada, a única forma de conseguir sucesso é aceitar a ajuda e ajudar os outros. Quando não há comunicação entre as pessoas, nem se tenta conversar, sobretudo no caso de mal-entendidos, quem perde somos nós próprios.
Eu não peço a todos que se perdoem uns aos outros, aos que fazem mal a si próprios ou àqueles à sua volta, mas peço a todos que repensem se existem mal-entendidos e falem! É a única forma de talvez se poder evitar perdas de ambos os lados.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here