PARTILHAR

*por António Graça Abreu

VViagem curta de avião desde Kunming, uma hora de voo.
Estamos agora na província de Guangxi que tem por capital a cidade de Nanning, nas margens do Yongjiang, um dos principais afluentes do rio das Pérolas, a uns seiscentos quilómetros de Macau, a trezentos e cinquenta de Hanói. A região é habitada sobretudo pelos zhuang, a maior de todas as minorias nacionais chinesas ainda algo aparentada com os tailandeses. Mas a influência han na região, ou seja dos chineses propriamente ditos, é muito antiga e hoje os zhuang correspondem apenas a um terço da população de Guangxi, absorvida, aculturada pelo mundo chinês.
Com o grupo de estrangeiros meus companheiros de viagem e de trabalho nas Edições de Pequim, visitámos a Universidade de Nanning e sentimos o entusiasmo com que fomos recebidos pelos estudantes da Faculdade de Línguas Estrangeiras que estudam inglês há vários anos e que jamais tinham tido a possibilidade de falar com um cidadão inglês ou norte-americano. Até eu dei o meu melhor para conversar com os estudantes na língua de Shakespeare.
Nanning, apesar da presença dos zhuang e outras minorias, é uma cidade predominantemente chinesa, verde e bonita. Em volta do rio são muitos os jardins, bambuais, palmeiras, flores e relvados e, nos subúrbios da capital de Guangxi, existem pequenos bosques e lagos.
Em Janeiro de 1958, quando aqui teve lugar uma conferência do Comité Central do Partido Comunista, Mao Zedong nadou por duas vezes nas águas deste rio Yongjiang. Tinha sessenta e cinco anos, havia lançado o movimento Anti-Direitista de 1956, criado as comunas populares em 1957 e preparava-se para avançar com o desastre do Grande Salto em Frente. Mao Zedong quis mostrar o vigor físico de um sexagenário na força da vida e, — apesar do clima subtropical da terra, em Janeiro a temperatura em Nanning não ultrapassa os 15 graus –, o timoneiro não receou o frio e lançou-se à natação no rio, acompanhado no banho por uns tantos seguranças militares. Tudo foi filmado, mostrado por toda a China e, no local onde Mao iniciou a jornada aquática, foi construído um pavilhão da Natação de Inverno. Hoje, as margens do rio, algo poluído, são a grande praia para as gentes de Nanning.
A região de Guangxi foi um ponto importante no apoio ao Vietname do Norte quando do recente conflito sangrento entre os Vietname do Sul, do Norte e os norte-americanos. Na altura, a cidade estava completamente fechada à presença de estrangeiros. Por aqui eram canalizados poderosos meios militares e todo o tipo de auxílio, em combustíveis, armas, comida, vestuário, com que os chineses apoiavam os exércitos e a população vietnamita, o que garantiu a subsistência e sobrevivência do povo vietnamita, dos vietcong e do regime de Ho Chi Minh.

Guilin, 24 de Abril de 1978

Guilin é um lugar de eleição nas viagens à China, um deslumbramento diante da recortada e sumptuosa paisagem de rios, lagos e estranhas montanhas. A magnificência do lugar não terá a ver com Guilin propriamente dita, mas com as visões fantásticas da descida de barco pelo rio Li, ou Lijiang.
Em paisagens de magia, não será de esquecer o quotidiano difícil das gentes, a dura e extremada labuta diária, o pasmo e as doenças. Num passado não muito distante, a malária, a cólera, a lepra eram uma constante na região.
Guilin fica no sul da China, na província de Guangxi ou região autónoma, na nomenclatura actual. A cidade é antiga e considera-se que começou a ganhar importância no reinado de Qin Shihuang (entre 221 a.C. e 209 a.C.), o primeiro imperador e unificador do império.
A cidade tem alguma indústria mas vive sobretudo do turismo. São milhares de turistas que diariamente chegam a Guilin para depois fazerem os 83 quilómetros de barco na descida pelo Lijiang até à originalíssima cidadezinha de Yangshuo, já perto do rio Xijiang, o braço oeste do rio das Pérolas.
Aqui, tal como acontece na vizinha província de Guangdong, come-se tudo o que mexe, está parado e parece comestível, tudo o que anda no ar e não é avião, tudo o que anda na terra e não é comboio, tudo o que anda no mar e não é navio. Ainda tudo o que tem quatro pernas e não é mesa. Podemos bem imaginar a riqueza da cozinha de Guilin…
As especialidades locais podem começar por uma sopa de cobra perfumada com ervas aromáticas, depois um estufado de gato selvagem (ou proveniente das casas e dos telhados da cidade) com gengibre, continuando o banquete com perna de pangolim (um animal protegido, em vias de extinção) frita no wok com pimentão picante. E mais uns tantos petiscos como caldeirada de enguias, peixe do rio em molho de soja e ananás, pombos de escabeche com açafrão e canela e, delícia das delícias, um cozido de pedaços de cão com cenoura e rebentos de bambu.
Deixemos a cozinha típica da região, e vamos até à gruta da Flauta de Cana rasgada pela água do tempo. É semelhante às nossas grutas calcáreas de Alvados e Mira Daire, um pouco maior e, como os chineses adoram excessos da mais variada espécie, resolveram iluminar tudo por dentro, num exagero barroco que transforma as grutas num pitoresco festival de luz e cor. Vale a pena ver.
Depois é tempo de descer o rio Lijiang até a vila de Yangshuo. O rio corre devagar, abençoado pelo esvoaçar da brisa e pelo chilrear dos pássaros, a viagem fluvial faz-se, sossegada e límpida, entre bambuais, arrozais dourados e montes de pedra cobertos pelo veludo verde dos séculos, entre bosques de acácias e osmantos, à sombra da penedia gigantesca que sobe até ao céu.

26 de Abril de 1978, nos céus, sobre a província de Hunan

Voando no avião chinês nos grandes espaços sobre montes e montanhas da província de Hunan, penso num pintor louco que um dia pegou em todas as bisnagas de tinta amarela, castanha e verde existentes no mundo. Despejou o conteúdo dos tubos ao acaso sobre uma imensa paleta que era um pedaço sinuoso da terra. Foi a suprema inundação da cor, verdes, castanhos, amarelos formaram colinas e montanhas, os líquidos escorreram e surgiram vales nublados, florestas azuis e rios de prata.
Vieram depois os homens que regaram tudo com toneladas de suor e adubaram a terra com incontáveis manchas de sangue. Lá em baixo, adivinha-se hoje uma ou outra bandeira vermelha flutuando no topo dos socalcos dourados e fitas de água faiscantes onde cresce o arroz de cada dia.
De cima, vejo sobretudo o colorido esfuziante das montanhas e, na imensa serrania escalavrada e inóspita, adivinho por única colheita, o trigo e as lágrimas das gentes.

Pequim, 25 de Maio de 1978

Pequim, cinco e meia da manhã. Saio de bicicleta. Sãs as rodas que me levam a toda a parte, e não deixa de ser saudável pedalar 15 ou 20 quilómetros, em terreno plano, iniciando o percurso quando o sol começa a doirar a cidade.
Pequim tem sete milhões de habitantes e três milhões de bicicletas que inundam ruas e avenidas ao longo de todo o dia. Saio cedo para ver e fotografar os chineses no taijiquan (leia-se taitchichuan) matinal. Não é preciso comprar bilhete para assistir ao espectáculo deste povo que se espalha por aqui e por acolá, nos relvados, nos jardins, nas alamedas, debaixo das árvores, em grupos de dez ou vinte pessoas, ou mesmo um ou outro indivíduo isolado. Estão alinhados e profundamente imersos no ritmo lento dos movimentos do corpo. Executam uma luta fantástica e estilizada contra um inimigo imaginário. Parece que estamos a assistir a um combate de boxe filmado em câmara lenta, com um pugilista que golpeia o vácuo. Os ingleses chamam ao taiqiquan o “shadow box”, o boxe das sombras, o que não deixa de ter a sua razão de ser.
São sobretudo pessoas de meia e terceira idade que o praticam como meio de conservar a saúde. O objectivo é obter a unidade e harmonia entre o espírito e as diferentes partes do corpo. Cada pessoa move, simultaneamente, o tronco, os braços e as pernas com grande lentidão mas com muita flexibilidade e ritmo. Os golpes, os socos contra o tal inimigo imaginário são precisos e o corpo está sujeito a um total controlo da mente. Os músculos estão soltos, cada gesto organizado faz parte de uma série complexa de exercícios que podem ter 24, 32 ou 64 movimentos. Só os craques se aventuram no taijiquan 64 ou ainda no mais completo de todos, o de 88 movimentos.
A respiração é calculada, o que reforça o controlo subjectivo do sistema nervoso e a velocidade de circulação do sangue.
Surpreende a agilidade e aparente simplicidade com que tudo é executado. Há pessoas com mais de sessenta anos que levantam o pé com facilidade e tocam com ele na testa.
O taijiquan é uma prática desportiva praticada todas as madrugadas e manhãs por dezenas e dezenas de milhões de chineses. Esta forma de entender o desporto como educação e equilíbrio entre corpo e espírito tem raízes profundas na filosofia chinesa, na tão difícil arte de saber viver.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here