PARTILHAR

A ONU está a analisar as candidaturas e a China vai trabalhar com os outros países para assegurar que é o (candidato) mais capaz a assumir o cargo”, sublinhou Lu Kang, porta-voz do ministério chinês dos Negócios Estrangeiros, numa conferência de imprensa em Pequim. Rejeitando referir qualquer candidato, Lu afirmou que Pequim “crê que a decisão deve ser baseada no consenso, como consta na Carta das Nações Unidas, e o secretário ou secretária-geral deve ser alguém capaz de cumprir com as suas obrigações”.
O jornal de Hong Kong South China Morning Post assinala ontem que Irina Bokova, a directora-geral da UNESCO, é a candidata favorita de Pequim, com base na opinião de analistas chineses, que a consideram “alguém que não actuaria a favor dos interesses de nenhum país em particular”.
O ministro chinês dos Negócios Estrangeiros, Wang Yi, reuniu-se com Bokova no passado mês de Junho.
A costa-riquenha Christiana Figueres, que desistiu da corrida na semana passada, foi também recebida por Wang Yi, e outros líderes chineses, em Julho.
Já o ex-primeiro-ministro português António Guterres, que é considerado o favorito à liderança da organização, após ter ficado à frente em todas as quatro votações secretas ocorridas entre os membros do Conselho de Segurança da ONU, esteve na capital chinesa em Maio, mas foi recebido pelo vice-ministro dos Negócios Estrangeiros Li Baodong, segundo informações no site do ministério. Na mais recente votação, Guterres teve 12 votos “encoraja”, dois “desencoraja” e um “sem opinião”.
Lu recusou revelar o candidato preferido por Pequim e limitou-se a dizer que o cargo de secretário-geral “implica uma grande responsabilidade”. Bokova é também apontada como a favorita da Rússia, o principal aliado da China em grande parte dos assuntos internacionais.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here