PARTILHAR
(final do episódio passado: “Talvez aguentasse mais um mês a andar, talvez mais, até aguentaria três se fosse poupadinho e soubesse preservar as energias.
“Para trás mija a burra” dizia-lhe a mãe tantas vezes quando ele era criança. Sorriu com a lembrança e teve a certeza que ainda não era altura para desistir. Para além disso, o Outono estava para chegar e previam-se dias bons para caminhar”)

Jacinto caminhava há mais de uma semana. Talvez duas. Não tinha bem a certeza. O tempo ajudava mas para além disso nada mais contribuía para a sua esperança.
Pouco faltava para o dia acabar e Jacinto resolveu procurar o abrigo de uma árvore parecida com tantas outras junto às quais tinha pernoitado em noites que já eram incontáveis. Os três que ainda lhe restavam há umas semanas atrás estavam agora reduzidos a apenas um o que não contribuía em nada para lhe animar o espírito.
O desfiladeiro, esse, ali continuava como se não tivesse fim, largo e intransponível como sempre.
Do outro lado, o lado onde julgava morar o seu destino sonhado e que um dia quase jurava ter visto antes da tempestade desabar, nunca mais tinha surgido no horizonte. Tal facto levava Jacinto a pensar que talvez tivesse sido uma ilusão. Ele quase podia jurar que o destino escondia-se para lá do desfiladeiro, mas provavelmente não tão perto como um dia lhe pareceu. Talvez o desfiladeiro fosse curvo e, ao acompanhá-lo, ele estivesse a afastar-se.
As dúvidas sucediam-se, mas ele conforme podia lá as ia afastando para salvaguarda da sua própria sanidade. O mais estranho de tudo era não se lembrar da última vez que tinha encontrado alguém no caminho, como se estivesse para lá do fim do mundo num qualquer limbo da mente onde apenas ele e a sua obsessão viviam.
Jacinto sonhava com o mar. Tinha saudades do sal e do ruído, da inconstância e da violência do fantástico reino de Neptuno, dos buracos nas rochas prenhes de vida, dos crustáceos deliciosos e das caminhadas que em criança fazia com o pai, praia fora, a sonhar com viagens para além mar, escutando atentamente as fantásticas histórias de piratas que ele lhe contava em tão vívidos detalhes que faziam a sua alma de criança vogar bem para além do seu corpo finito, bem para além das estrelas, numa sensação de possibilidades infinitas.
Jacinto amava o mar e adorava barcos pois achava que água levava sempre a sítios fascinantes. “Desde que houvesse vento a favor”, pensou, pois neste momento sentia-se como um marinheiro, sim, mas ilhado no mar alto após semanas de acalmia e com as reservas de água doce a extinguirem-se perigosamente. Esse pensamento fê-lo estremecer, ou talvez fosse a mão que o abanava do seu torpor onírico avidamente alimentado pela ansiedade, pela fraqueza, pela falta de contacto humano, pelas dúvidas que teimosamente voltavam apesar de ele as afastar à varejada sempre que podia.
Jacinto abriu os olhos para ver a cara de um homem fortemente tisnado pelo sol, a olhar para ele. Vestia trajes demasiado sofisticados para aquelas paragens, ou talvez fosse a comparação com os seus andrajos que lhe suscitaram a ideia. O homem olhava para ele de uma forma que Jacinto se recorda de parecer estranha, com uma atitude de quem o conhecia muito bem apesar de ele ser capaz de jurar nunca na vida o ter visto.
A sensação aumentou quando o homem o chamou pelo nome. Queria saber que andava ele fazer por ali. Jacinto focou-se mais no estranho. As palavras teimavam em não lhe saltar da garganta talvez por espanto, talvez por não falar haver muitos dias, talvez por ter perdido o treino, talvez por medo.
Conforme o fixava, mudo, Jacinto lembrou-se, sem saber muito bem porquê, de um Rei Mago. Talvez fossem as vestes, talvez o porte, ou talvez a fosse a sua própria necessidade de se sentir menino, de se sentir acompanhado, ajudado. Analisando melhor, cedo percebeu que, a ser um Rei Mago, não era daqueles bonzinhos dos contos de Natal. Este apresentava um certo ar feroz, apesar do sorriso que lhe montava a expressão. Eram os olhos, aqueles olhos penetrantes que o fitavam, onde Jacinto pareceu notar uma certa inclemência e que o mantinham em estado de alerta.
“Mas como diabo sabe ele o meu nome?” Essa questão que abafava todas as outras. Passado uns momentos que pareceram eternos, Jacinto conseguiu finalmente mexer as cordas vocais interrogando o estranho mas não obtendo mais do que o acentuar daquele misterioso sorriso. Os olhos dele, todavia, pareceram acalmar. “Vê-se que precisas de ajuda”, disse-lhe o estranho e, simultaneamente, abriu o saco que trazia a tiracolo e de lá tirou dois. “É o que tenho comigo e dou-te”.
Jacinto não queria acreditar no que lhe estava a acontecer. Quem diabo seria aquele estranho que lhe estendia a mão daquela forma? Apesar de necessitado recusou a oferta, sabendo bem que quando a esmola é grande algo não bate certo mas o estranho insistiu de uma forma que acabou por se tornar irrecusável, sabendo Jacinto o que aqueles dois extra poderiam significar para a continuação da sua odisseia.
Talvez tenha verbalizado o pensamento, talvez não, mas o estrangeiro respondeu-lhe dizendo-lhe que o fazia por saber que ele precisava e não esperava nada em troca, pelo menos não para já. “Há algo em ti que me obriga a fazer isto”, disse-lhe, perguntando-lhe se era ou não verdade que ele corria atrás do sonho. Jacinto, pasmado, não sabia muito bem que dizer, ou fazer, acabou por assentir e o estranho lá o foi confortando garantindo-lhe que de onde aqueles dois vieram mais viriam. Jacinto continuava desconfiado tentando perceber as razões do outro. “Queres saber de onde me vem a riqueza?”, perguntou-lhe o estranho.
Jacinto assentiu com um menear de cabeça e o estranho respondeu-lhe sem rodeios: “Engano os incautos. Sou o que normalmente se chama um vigarista. A cupidez dos outros é o meu filão. É aí que me abasteço, é disso que vivo e vivo bem porque o mundo está cheio de gente assim.”
Jacinto estava embasbacado com tanta franqueza. Quis saber mais porquês, que tinha ele para merecer tamanha generosidade de um estranho. “Ainda tens, sonhos” disse-lhe o estranho, “algo que há muito perdi e vejo em ti aquele que um dia me vai ajudar a voltar mim. Porque já percebi que não é a cupidez que te move e isso é raro. Eu sei que procuras a passagem para o outro lado deste desfiladeiro. Não sei se ela existe mas se não existir eu vou ajudar-te a construir a ponte. Voltaremos a encontrar-nos no caminho.”
Jacinto acordou estremunhado, a noite ia alta e do estranho nem sinal. Interrogava-se se teria sonhado ou se algo teria mesmo acontecido. Acometido por um terror instantâneo, apalpou-se para perceber se estava inteiro mas nada de errado encontrou. Foi quando se lembrou de abrir a sacola, e eles ali estavam. Mais dois do que tinha no princípio daquele estranho dia.

MÚSICA DA SEMANA

“Space Oddity” (David Bowie, 1969)

“This is Ground Control 
to Major Tom
You’ve really made the grade
And the papers want to know whose shirts you wear
Now it’s time to leave the capsule 
if you dare

This is Major Tom to Ground Control
I’m stepping through the door
And I’m floating 
in a most peculiar way
And the stars look very different today”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here