PARTILHAR
Pictured: Santiago Muñez (KUNO BECKER) is congratulated by Jamie Drew (KEVIN KNAPMAN, right), DU'AINE LADEJO (left) and other teammates in a scene from GOAL, starring Kuno Becker, Stephen Dillane, Alessandro Nivola, and Anna Friel. GOAL is directed by Danny Cannon. Distributed by Buena Vista International. THIS MATERIAL MAY BE LAWFULLY USED IN ALL MEDIA ONLY TO PROMOTE THE RELEASE OF THE MOTION PICTURE ENTITLED "GOAL" DURING THE PICTURE'S PROMOTIONAL WINDOWS. ANY OTHER USE, RE-USE, DUPLICATION OR POSTING OF THIS MATERIAL IS STRICTLY PROHIBITED WITHOUT THE EXPRESS WRITTEN CONSENT OF TOUCHSTONE PICTURES. AND COULD RESULT IN LEGAL LIABILITY. YOU WILL BE SOLELY RESPONSIBLE FOR ANY CLAIMS, DAMAGES, FEES, COSTS, AND PENALTIES ARISING OUT OF UNAUTHORIZED USE OF THIS MATERIAL BY YOU OR YOUR AGENTS.

Não gosto de escrever sobre futebol porque não acho que seja assunto. Escreve-se demais, fala-se demais e normalmente mal. Espreme-se um jornal desportivo e é como aquelas laranjas secas que nem que lhes passe um cilindro por cima deitam um pinga que seja de sumo.
Mas hoje vou falar (também) de futebol e de medalhas, e tentar reflectir sobre a razão de toda a esquizofrenia que roda à volta das vitórias desportivas que, em minha opinião, apenas conseguem subverter tudo aquilo que o desporto tem de bom. Ou seja, a saúde para quem o pratica – e não para os atletas de alta competição com tantos a acabarem em farrapos depois dos esforços sobre-humanos que são obrigados a fazer – e o prazer para quem desfruta das exibições dos atletas.
Portugal ganhou o campeonato da Europa mas, em boa verdade, isso serviu para quê? Para umas valentes bebedeiras, para um alucinação colectiva quasi opiácea, para quem quer que seja que fornece as medalhas a São Bento fazer mais uns cobres e para os portugueses, momentaneamente, acharem que são os maiores da cantadeira, para podermos ter o gozo de humilhar os franceses, depois de termos bastas vezes termos sido humilhados por eles. A velha história do “olho por olho” que apenas faz o mundo todo cego.
Mas somos mesmo os melhores da cantadeira? Somos, neste caso, melhores do que os franceses, ou que todos os outros que nos passaram pela frente? Não. Senão éramos mesmo e não tínhamos de andar de joelhos a pedir resgates. Não porque jogámos um futebol horrível que nem para entreter serviu. Não porque andamos a transformar o país num paraíso de férias para quem as pode pagar – que não são os portugueses – cegos pelos cobres fáceis que vão prostituindo as cidades para servir os visitantes.
Tal como a selecção se prostituiu para poder trazer a taça para casa. Disse e continua a dizer, o nosso seleccionador, que não lhe interessa que o jogo seja feio desde que ganhe. Criticá-lo? Não posso porque é isso que lhe pedem. Como profissional que é cumpre.
Como o caro leitor deve calcular, tendo este texto sido escrito ontem não faço ideia do que acontecerá com a Suíça mas tenho quase a certeza que vai ser um jogo feio. Em contrapartida, divulgava hoje o jornal Record, declarações de Jorge Jesus que alegava ter sido inspirado por Cruyff nos seus métodos fácticos porque, diz ele, e cito, “Para Cruyff, o futebol era arte e espectáculo e preferia ganhar por 5-4 do que por 1-0”, um pensamento que alega Jesus, e nós sabemos que é verdade, “ainda existe no Barcelona”. De facto as equipas de Jesus dão espectáculo mesmo que percam e é isso que o desporto de alta competição deve ser. Mas se não ganha vai ser considerado um animal como foi considerado no Benfica quando não o conseguiu apesar da equipa ter jogado do melhor futebol que se viu em Portugal e na Europa nos últimos anos, como o será no Sporting se não ganhar. Aliás, já foi por não ter ganho nada o ano passado. Mas eu, como sportiguista diverti-me a ver os jogos da equipa como não me divertia há anos. Mas isso não interessa para nada se a puta da taça não vier para o armário.
Vivemos na paranóia do vencer custe o que custar, mas a grande questão para mim é: isso faz-nos mais felizes?
Após a vitória no Europeu, seguiram-se mais umas quantas vitórias de equipas e atletas portugueses, mais uma taleigada de medalhas e povo entrou em histeria. Éramos mesmo os maiores da cantadeira.
Mas vieram os Jogos Olímpicos e com eles a depressão. Afinal só deu uma medalha quanto já se faziam contas às dezenas que viriam do Rio e não faltaram as críticas dos que se sentiram defraudados. Porque os atletas são máquinas, claro. Porque durante o ano, para além do futebol, toda a gente se preocupa com eles, claro. Acabaram-se os heróis apesar dos desempenhos brilhantes de grande parte dos atletas que constituíram a nossa comitiva.
Mas as medalhas valem o quê afinal? Nada. Na maioria dos casos valem apenas um micro segundo a menos do que o desgraçado que ficou em quarto e que entrará para as páginas do esquecimento.
O desporto, tal como é encarado nos dias de hoje, em vez de servir como exemplo, como forma de vida, como inspiração serve apenas para que políticos falhados sigam a carreira do dirigismo para continuarem na mó de cima e perto dos centros de decisão, para fomentar inimizades entre países e para que cada vez mais atletas recorram ao doping pois sem medalhas não há artigos de jornais, nem patrocínios, nem honras.
A China, por exemplo, anda em tournée provincial a mostrar os novos medalhados olímpicos para assim fomentar o orgulho nacional e mostrar ao mundo como o Império do Meio é uma potência. Mas esquece-se de duas coisas: a primeira, e a mais grave é a do destino de grande parte dos ex-atletas (mesmo medalhados!) que lutam para terem uma vida digna como Li Xiaopeng antigo campeão olímpico de ginástica e Liu Xiang, antigo campeão dos 110 metros barreiras, que têm de andar a fazer “reality shows” para sobreviver ou Zou Chunlan, medalha de ouro do levantamento de peso em 2006, recentemente descoberta na miséria a lavar gente numa sauna para sobreviver. Um escândalo que obrigou a federação a amanhar uns trocos para lhe abrir uma lavandaria…
Mas a China e os outros países coleccionadores de medalhas, como os Estados Unidos, que a cada quatro anos tentam mostrar ao mundo como são maravilhosos, esquecem-se de outro facto fundamental: a sua própria dimensão. Para perceber o que estou a falar aconselho vivamente o leitor a consultar este sítio: www.medalspercapita.com onde se prova que Granada, com uma medalha apenas, é realmente o grande campeão do Rio de Janeiro, tanto na análise per capita como por PIB.
E agora vou preparar-me para a utopia de ver um grande jogo de futebol entre Portugal e a Suíça.

MÚSICA DA SEMANA

Cygnet Committee (David Bowie, 1969)

“We used him
We let him use his powers
We let him fill Our needs
Now We are strong

And the road is coming to its end
Now the damned have no time to make amends
No purse of token fortune stands in Our way
The silent guns of love
will blast the sky
We broke the ruptured structure built of age
Our weapons were the tongues of crying rage”

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here