PARTILHAR

1. Vira o disco e toca o mesmo – mais uma ideia apresentada, mais uma ideia contestada. Desta vez não é um hotel, não é um centro de doenças infecto-contagiosas, não é uma biblioteca. É um restaurante. Um res-tau-ran-te. Um sítio onde se cozinha, onde se come e onde se bebe, numa das zonas mais interessantes da Taipa: as Casas-Museu, de traça portuguesa, uma área onde, à excepção da Festa da Lusofonia e das fotografias de casais de matrimónio contraído, mais um ou outro concerto de jazz, não se passa rigorosamente nada.
Para quem gosta de passear por ali, para quem gosta de cidades e para quem gosta de Macau, um espaço de restauração naquela zona faz todo o sentido. Como faria sentido ter bares e esplanadas e sítios agradáveis espalhados por aí, para as pessoas daqui poderem ter uma vida que vá além da casa, do trabalho, da tasca e (para quem pode) dos restaurantes de luxo nos casinos.
As Casas-Museu fechadas não servem a ninguém, assim como não servem a ninguém as trancas das portas de vários edifícios do Governo espalhados pelo território. A antiga Câmara Municipal das Ilhas é outro taipeiro exemplo, transformada que se encontra em algo sem acesso público, em algo sem qualquer interesse.
O secretário para os Assuntos Sociais e Cultura teve uma ideia – mais uma ideia – e achou por bem tentar dinamizar a zona do Carmo, dar outra vida às Casas-Museu, que se encontram em obras, as primeiras desde 1999. A intenção era receber, num dos edifícios, um “projecto de restauração de estilo português”.
Sucede que, à semelhança de todas as intenções de Alexis Tam, também esta causou “uma discussão acalorada na sociedade”. Vai daí, anuncia-se que o projecto fica para depois, não se faz agora. Não há consenso. O chato do consenso. Começamos a ficar habituados a projectos anunciados, para serem cancelados uns dias ou uns meses depois.
Como é claro para quem vai acompanhando a vida política da cidade, não há nada que venha do gabinete dos Assuntos Sociais e Cultura que mereça o consentimento silencioso de interesses diversos que por aí andam. Nem sequer um restaurante.
Dizem-me que a explicação é de cariz ecológico, o que até teria piada se tudo isto não consubstanciasse a tristeza profunda que episódios como este representam: em Macau nada muda, nada muda para melhor, não há uma pequena ideia de melhoria de um espaço – com as repercussões que essas melhorias trazem para o cidadão que só quer beber um café enquanto passeia – que vingue.
Não é por causa do croquete, do bacalhau ou da salada de polvo, perigosas ameaças aos mangais da Taipa, às espécies animais e vegetais da zona. Não é por causa do copo de vinho tinto do Douro, do queijo e do presunto, substâncias altamente poluentes. É por causa do que tudo isto nos deixa perceber.
Chegou a hora de o Chefe do Executivo tomar uma decisão: Chui Sai On tem de pensar se quer ou não um secretário para os Assuntos Sociais e Cultura. Não precisa de fazer declarações à imprensa sobre as qualidades do político que escolheu para o cargo. Não precisa de lhe tecer elogios. Mas precisa de fazer o trabalho de casa. É que, vistas bem as coisas, as ideias de Alexis Tam fazem parte do caderno de encargos assumido pelo líder do Executivo. As Linhas de Acção Governativa são um compromisso anual de Chui Sai On.
Durante anos, as promessas do Chefe não passavam do papel. Agora, com alguém que mostra vontade em materializá-las, também não passam. Deve ser Chui Sai On a garantir, pelas vias com que se faz a política local, que Alexis Tam não chega ao final do mandato como o secretário que mais projectos anunciou e menos conseguiu concretizar, por manifesta falta de apoio. Incluindo o do Chefe do Executivo.

2. Uns querem fazer e encontram obstáculos que não lembram ao diabo; outros não fazem o que já deveria ter sido pensado e feito há, pelo menos, uma década. Esta semana, o Comissariado da Auditoria anunciou que, entre 2004 e 2014, o Governo gastou 5030 milhões de patacas em rendas e obras de remodelação para que 68 serviços públicos tivessem instalações. Há um grande culpado para o organismo de Ho Veng On – dá pelo nome de Direcção dos Serviços de Solos, Obras Públicas e Transportes. Pecou por inércia, por nada ter feito. Uma culpa que, digo eu, deveria ser partilhada com o secretário da tutela e com os chefes do Executivo que mandaram na terra durante o período a que diz respeito a auditoria feita.
A falta de edifícios próprios para acolher os serviços públicos é de uma enorme conveniência para quem detém os imóveis arrendados à Administração. Há muita gente a ganhar dinheiro com esta situação – ou, se preferirmos, pouca gente a ganhar muito, mas muito dinheiro. Negociar renovações de arrendamentos com a Administração deve ser o sonho de qualquer senhorio: estar a mudar o serviço x ou o departamento y é uma maçada e uma grande despesa, sendo que também não cai nada bem em termos de opinião pública. O pobre do cidadão comum já se habituou a fazer as malas de dois em dois anos porque o que lhe pedem de aumento de renda não bate certo com o salário que cai na conta ao final do mês, pelo que toca a procurar uma opção mais em conta. Mas fazer mudanças de serviços públicos requer outra logística – e o arrendatário cede às pretensões do proprietário, como demonstra o gráfico do Comissariado da Auditoria sobre as despesas de arrendamento, com uma linha que sobe de ano para ano, e sobe muito.
Não tenhamos ilusões: um grupo de descontentes com a possibilidade de um restaurante nas Casas-Museu trava um projecto, mas os relatórios da Auditoria não costumam ter repercussões significativas. É o estado do sítio: vira o disco e toca o mesmo, e fica tudo em águas de bacalhau.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here