PARTILHAR

Estamos numa altura em que todos defendem os seus interesses pessoais, em que todos nós gastamos dinheiro e tempo com as coisas que gostamos, aprendemos e conseguimos um trabalho, com o qual ganhamos o nosso próprio dinheiro. Depois juntamos dinheiro para o nosso futuro. Isso é normal, mas quais são aquelas pessoas que podem ajudar quem não consegue fazer nada por si próprio, os que precisam mesmo de ajuda?
Há sempre aquelas pessoas que acham que é estúpido fazer de tudo para ajudar os outros e não ganhar nada, ou aquelas que pensam que não têm de fazer absolutamente nada. Há outros que pensam que são ricos e que não têm pressões na sua vida, como a compra de uma casa ou de um carro, ou ainda cuidar dos filhos, tendo em conta os elevados preços de Macau.
A meu ver, aqueles que ajudam os outros, sejam pessoas ou animais, são brilhantes e alvo de orgulho, porque fazem aquilo que a maioria das pessoas não consegue fazer.
Uma edição recente do programa “Pessoas de Macau, Assuntos de Macau” (澳門人·澳門事), do canal chinês da TDM, tocou-me profundamente, pois foram entrevistadas duas voluntárias independentes que ajudam cães e gatos abandonados. Acredito que, quem gosta de animais, tenha chorado por causa de experiências pelas quais elas passaram.
A mais jovem, com a alcunha “Seafood”, ajuda os cães dos estaleiros de construção em Coloane em todos os tempos livres de que dispõe. Ninguém pode imaginar o trabalho de uma mulher, com cerca de 30 anos, que frequenta locais onde trabalham homens, na sua maioria, muitas vezes rudes e sujos. Ela apenas quer dar água e comida a esses animais e limpar os seus excrementos, bem como os lugares onde eles dormem.
Esta mulher gosta de cães e simplesmente não se importa de cuidar deles nos momentos livres a troco de nada. Tentou abstrair-se do seu sofrimento, não pensar neles, mas não conseguiu. Não se sentiu confortável no dia em que foi cuidar daqueles animais. Ficou triste perante o seu abandono ou a morte de um animal num acidente.
Bo, outra voluntária, desde vez de meia idade, contribui há muitos anos e gasta quase todo o seu dinheiro para ajudar gatos. Alimenta todos os felinos que vivem no jardim da montanha russa, mas também salvou outras vidas. Actualmente vivem cerca de 30 gatos numa loja que Bo alugou só para que tenham direito a uma casa e para que possam, um dia, ser adoptados por outras famílias.
Estas mulheres choram em frente e atrás das câmaras, porque viram os animais que costumavam cuidar morrerem devido a maus tratos ou mesmo por atropelamentos de carros.
Elas não nasceram pelos animais, têm uma vida melhor mas escolhem viver assim, a dar mais espaços para a sua sobrevivência, sem se importarem com a perda de tempo ou de dinheiro.
A vida não é permanente. Acredito que as duas salvadoras de animais sentem isso mais ainda. Não é difícil encontrar no Facebook outros grupos de apoio a animais, com pessoas e associações. Já prometi eu própria dedicar-me a esta causa quando tiver tempo.
Posso contribuir e nada receber em troca, mas se contribuir farei os outros contentes. É algo que “não tem a ver connosco”, algo que não conhecemos, e que não é das nossas áreas de trabalho, mas podemos dar os primeiros passos e tentar contactar e ajudar quem realmente vale a pena e precisa, para além das doações monetárias. Receber faz-nos felizes, mas contribuir dá-nos outro tipo de felicidade.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here