PARTILHAR

Na sequência da publicação de um artigo de opinião publicado na edição do Hoje Macau, do dia 23 de Agosto, entende este gabinete prestar alguns esclarecimentos relativamente à deslocação do Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura ao Brasil entre os dias 3 e 8 deste mês.

1. Sabemos há mais de 20 anos, das dificuldades inerentes ao desejo de sermos acolhidos na família olímpica. Macau não era membro do Conselho Olímpico Asiático e em Dezembro de 1988 conseguiu-o. O comprometimento público para com a causa olímpica, manifestamente demonstrada na construção de infra-estruturas, nas políticas para os atletas mas também na organização de eventos desportivos internacionais cuja capacidade organizativa, foi e é recorrentemente reconhecida, permite-nos acreditar que vale a pena prosseguir com aquela pretensão. Estamos naturalmente conscientes das dificuldades que a sua concretização acarreta nomeadamente do facto de dependermos de um conjunto de boas vontades dos membros do Comité Olímpico Internacional e também porque outros territórios chineses, como é o caso de Hong Kong e Taiwan, já fazem parte da família olímpica.

2. Macau, desde 2009, preside à Associação dos Comités Olímpicos de Língua Oficial Portuguesa (ACOLOP), o que revela bem a importância que a RAEM assume naquela organização. Aliás, esta presidência confere a Macau um prestígio e uma dimensão que ultrapassa largamente a pequena dimensão geográfica ou demográfica que, na verdade, a nossa região representa.

3. O Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura deslocou-se ao Rio de Janeiro após ter recebido um convite para, no âmbito da organização das olimpíadas, presidir a um jantar com os membros da ACOLOP, representados ao nível ministerial, como foi o caso do Brasil ou de Cabo Verde, ou ao nível dos comités olímpicos nacionais dos membros daquela organização. Neste contexto, o Doutor Alexis Tam foi, também, convidado para assistir à cerimónia de abertura e a visitar algumas instalações desportivas.

4. A República Popular da China, tal como a grande maioria dos países e regiões presentes, fez-se, igualmente, representar ao nível ministerial, de vice-ministro e ao nível de director-geral.

5. O Secretário para os Assuntos Sociais e Cultura, seguiu aliás uma tradição que já remonta ao tempo da administração portuguesa, onde a Administração se fazia representar também ao nível de membro do governo e considera que a sua curta presença no Rio serviu para estreitar laços de cooperação, não apenas com os membros da ACOLOP mas também com os dirigentes desportivos da República Popular da China.

6. A presença nos Jogos Olímpicos, ainda que ao nível político, porque o desportivo nos está vedado por não sermos membros do COI, ajuda a projectar a imagem de Macau e a aprofundar as relações de cooperação com outros países. Aliás, só assim foi possível conhecer, em particular, as medidas adoptadas pelo governo do Brasil relativas à segurança em grandes eventos desportivos, como são realizadas as acções de controlo antidoping, como são estabelecidos os protocolos de transportes de e para os locais dos eventos, e num âmbito mais político, como foram definidas as políticas do governo brasileiro na formação dos atletas que participaram nestas olimpíadas. Por outro lado, no âmbito da saúde pública e preventiva, dos atletas, foi também possível compreender, in loco, como é que a organização brasileira dos Jogos Olímpicos lidou com as medidas para evitar a propagação e proliferação de mosquitos que provocam a doença pelo vírus Zika.

7. Recorde-se ainda que o Governo Central confiou à RAEM a prestigiante tarefa de estabelecer uma plataforma entre a República Popular da China e os países de língua portuguesa. Este desiderato só é possível através da aproximação entre os países e através do estreitamento das relações pessoais e institucionais que se estabelecem entre os governantes. Daí que estes encontros internacionais, além de propícios, sejam fundamentais para o êxito dos desígnios que nos foram confiados.

8. Refira-se, ainda, que a qualidade das infra-estruturas desportivas existentes em Macau, mercê do grande investimento do Governo, continua a ser reconhecida e recordada por várias equipas olímpicas que por aqui passaram aquando da preparação para os Jogos Olímpicos de Pequim em 2008. Disso nos deram conta. Daí que todo o trabalho efectuado pelo Governo em prol da evolução do Desporto deva ser contínuo e promovido a todos os níveis. Continuamos a acreditar que a construção do centro de alto rendimento permitirá dotar a cidade de uma infra-estrutura fundamental para a melhoria da qualidade dos nossos atletas.

9. Por último: Macau terá um atleta no Rio de Janeiro, nos Jogos Paraolímpicos que decorrem no próximo mês de Setembro. Desde 1988 que a RAEM faz parte do Comité Paralímpico Internacional e participa desde então, naquela competição. É de toda a justiça reforçar e relembrar que o Governo de Macau decidiu, em 2016, igualar o prémio monetário atribuído aos atletas sejam eles portadores de deficiência ou não. No desporto também seguimos o lema olímpico: Queremos ser mais rápidos, mais altos e mais fortes.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here