PARTILHAR

A Wynn Macau tem diversos processos em tribunal: a maioria deles diz respeito a investidores da Dore, mas há um processo a decorrer nos tribunais locais que coloca frente-a-frente Kazuo Okada e Steve Wynn. As informações constam do último relatório da empresa entregue à Bolsa de Valores de Hong Kong e onde frisa a existência de obstáculos para fazer dinheiro.
O relatório indica que a operadora, que abre hoje o seu novo casino no Cotai, tem “vários” processos no Tribunal Judicial de Base interpostos por “indivíduos que dizem ser investidores ou pessoas com créditos em contas da Dore Entertainment Company, uma empresa de junkets licenciada que opera na Wynn Macau”.
A empresa explica à Bolsa que os autores das acções judiciais alegam que a Dore não honrou o compromisso e que tal resultou em algumas perdas para estes indivíduos. As principais alegações comuns a todas as acções judiciais são de quea Wynn, como concessionária de jogo, deve ser responsabilizada pelo comportamento da Dore, uma vez que é responsável pela supervisão das actividades da Dore no Wynn Macau. A operadora diz que tem “procurado conselhos de seus assessores em Macau” e acredita que as alegações são “desprovidas de mérito e são infundadas”.
O caso Dore remonta ao ano passado, quando mais de 50 pessoas denunciaram à Polícia Judiciária (PJ) que tudo o que tinham “depositado” na sala VIP controlada pela empresa dentro do casino Wynn tinha sido desviado. A alegada autora do furto será a contabilista da empresa, que desapareceu com mais de 300 milhões de dólares de Hong Kong. Os processos estão ainda na fase inicial.

Ainda Okada

No mesmo relatório, a Wynn dá conta que ainda não se livrou de processos judiciais onde consta Okada, antigo parceiro de negócios de Steve Wynn que perdeu, recentemente, um processo no tribunal do Nevada face a uma doação da empresa à Universidade de Macau.
Agora, a Wynn diz ter sido “nomeada ré” numa acção movida no Tribunal Judicial de Base por Kazuo Okada e por duas empresas por si controladas, a Aruze USA, Inc. e a Universal Entertainment Corp.
“As principais alegações no processo são de que a retoma de Okada nas acções da Wynn foram impróprias e desvalorizadas, que o pagamento anteriormente divulgado pela Wynn a uma terceira parte sobre qualquer desenvolvimento futuro num terreno no Cotai era ilegal e que a doação à Universidade de Macau era ilegal. Okada quer a dissolução da Wynn e danos compensatórios”, pode ler-se. A empresa diz que as alegações são desprovidas de mérito e infundadas, mas estes processos estão ainda em fase inicial. A operadora diz ainda que continua a cooperar com o Comissariado contra a Corrupção no que ao terreno do Cotai diz respeito, depois de ter sido lançada a suspeita de que a empresa poderá ter pago 50 milhões de dólares americanos a um grupo de intermediários de Pequim que, alegadamente, tinha os direitos de utilização do terreno. Esses direitos “nunca foram documentados”.

E outros obstáculos

Apesar de notar alguns balanços positivos, nomeadamente com a abertura do novo Wynn Palace, a operadora não traça uma perspectiva muito satisfatória para a continuação dos negócios no território. Desde a perda de receitas à perda dos clientes vip, são diversos os obstáculos apontados pela Wynn Macau no relatório.
“Um número significativo dos nossos clientes vêm da China continental. Qualquer contracção económica ou incerteza na China tem impacto no número de clientes que visitam as nossas propriedades e no dinheiro que estes estão dispostos a gastar. Além disso, as políticas adoptadas de tempos a tempos pelo Governo Central, incluindo restrições de viagem e a campanha anti-corrupção, tem influenciado o comportamento dos chineses, o que pode continuar a ter impacto em Macau ou resultar mesmo num declínio ainda maior que vai continuar a afectar negativamente as nossas receitas e resultados operacionais.”
A Wynn fala ainda num aumento “significativo” no número de casinos em Macau e alerta para o facto de que, se o Governo permitir concorrentes aquando da revisão dos contratos, “poderá haver um efeito adverso sobre negócios, condição financeira e resultados de operações”. Mas isto não é só o que assusta a Wynn.
“Uma quantidade significativa dos nossos jogadores é trazida até nós pelos promotores de jogo (…) e dadas as condições actuais do mercado em Macau e certos factores económicos e outros que ocorrem na região, eles estão a encontrar dificuldades em atrair clientes para vir a Macau e certos promotores estão a expandir as suas operações para outras jurisdições.”
Mais ainda, a operadora diz que também os junkets estão a enfrentar dificuldades de liquidez, “o que pode limitar a sua capacidade de concessão de crédito aos clientes” e que resulta em menos receitas para a Wynn.

PARTILHAR
[email protected]

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here