PARTILHAR
Existe a possibilidade de ser instalada uma estação de radar habitada na lua, no programa espacial chinês. Mas este projecto megalómano tem merecido especial atenção devido aos custos e à viabilidade do mesmo. A comunidade internacional receia que fins militares falem mais alto e mostra-se desconfiada

O programa espacial chinês pediu a um grupo de cientistas nele envolvido, para estudarem a hipótese de uma estação de radar habitada na Lua, um projecto cuja viabilidade e custo elevado têm levantado algumas questões, segundo o diário South China Morning Post.
O estudo foi iniciado este ano com um financiamento de 16 milhões de yuan. Nele é contemplada a hipótese de instalar uma antena de radar, até 50 metros de altura, capaz de monitorizar áreas da Terra muito maiores do que o conseguido pelos satélites convencionais. Com uma base deste tipo poder-se-iam obter imagens mais claras do planeta, que permitiriam um melhor estudo da superfície terrestre, do fundo do mar e até do subsolo.
O radar lunar, por enquanto apenas um projecto, poderia ter usos científicos tais como a previsão meteorológica ou de terramotos, mas também militares, segundo o diário de Hong Kong.

Conselhos académicos

Uma das pessoas envolvida no estudo é um especialista em radares Guo Huadong, da Academia Chinesa de Ciências, que já propôs esta possibilidade há três anos num artigo de uma revista científica publicada na China. Nela, ressaltou que a Lua poderia oferecer grandes vantagens para a observação terrestre frente aos satélites artificiais, desde uma melhor estabilidade a uma maior durabilidade dos aparelhos que se construam nela. Advertiu também que, uma estação deste tipo requereria uma enorme quantidade de energia, sobretudo para o envio de transmissões de rádio de alta intensidade, por isso sugeriu que a sua construção fosse acompanhada da instalação de uma central de energia solar ou nuclear em solo lunar.
As ambições deste projecto são ciclópicas e não deixam a comunidade internacional descansada. É que há quem desconfie das intenções deste estudo e receiam que tenha fins militares.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here