PARTILHAR

Alíder da Birmânia, Aung San Suu Kyi, iniciou ontem uma visita oficial a Pequim, onde abordará vários assuntos com os líderes chineses, incluindo o projecto da barragem de Myitsone, suspenso pela Birmânia em 2011.
Suu Kyi, que recebeu o prémio Nobel da Paz em 1991, será recebida na China com uma cerimónia de boas-vindas e com honras de chefe de Estado pelo primeiro-ministro Li Keqiang.
Durante o dia de hoje Suu Kyi irá reunir-se com o Presidente chinês, Xi Jinping e leva na agenda a possibilidade de a China participar na reconstrução da barragem Myitsone, um projecto que foi travado e que desagradou a Pequim.
Apesar de liderar a Birmânia, Suu Kyi é oficialmente ministra dos Negócios Estrangeiros e Conselheira de Estado, estando impossibilitada de assumir o cargo de presidente, por estar casada com um estrangeiro.
A primeira vez
Esta viagem acontece uma semana antes de a Birmânia celebrar a Conferência de Panglong, que promove a paz entre o Governo e as guerrilhas constituídas por minorias étnicas e é também a primeira visita à China desde assumiu o cargo .
O apoio da China é visto como crucial para pôr fim a décadas de conflitos étnicos no país, algo em que Pequim está interessado, visto que em ocasiões passadas os confrontos com o exército da Birmânia ocorreram em zonas próximas à sua fronteira.
Esta visita ocorre um mês antes de Suu viajar até aos Estados Unidos da América, o que é interpretado pela China como um sinal de boas relações bilaterais.
Pequim foi o único apoio internacional da Junta Militar que governou a Birmânia (desde o final dos anos 1960 até 2011) e que manteve Suu 15 anos na prisão.
Ainda assim, continuam a existir diferendos entre os dois países vizinhos.
O fundamental diz respeito ao adiamento da construção da barragem de Myitsone, financiada pela China, numa decisão que contou com a influência de Suu Kyi.
A aprovação, no passado fim de semana, por parte da Birmânia, de um comité para rever a situação do projecto despertou as esperanças da China de que este seja reactivado, segundo publicaram alguns jornais oficiais chineses.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here