PARTILHAR
As expectativas de Biles caíram por terra e a atleta viu escapar-lhe o ouro numa prestação que teve alguns deslizes. Nelson Évora no atletismo e Fernando Pimenta na canoagem cumpriram as expectativas e estão nas finais do triplo salto e de K1 1.000 metros, respectivamente. A queda de uma câmara de televisão fez ainda sete feridos no Parque Olímpico

Depois de dominar a sua série sem dar hipóteses à concorrência, Fernando Pimenta chegou à meia-final para assegurar o segundo lugar e segundo melhor tempo entre os oito finalistas nos K1 1.000 metros.
“Vão ser os 1.000 metros da minha vida”, disse o canoísta de Ponte de Lima, bicampeão europeu de K1 1.000 e K1 5.000 metros e prata em K2 1.000 em Londres.
Nelson Évora saltou 16,99 metros, naquele que é o seu melhor registo até hoje. O “capitão” da equipa de atletismo de Benfica “voou” ontem até à quarta melhor marca da qualificação entre os 12 atletas. Visivelmente satisfeito comentou, “vou lutar por uma medalha. Sempre disse que estava em boa forma e tenho mais dinamite para dar”. Tanto Nelson Évora, que venceu em Pequim com 17,67 metros, como Fernando Pimenta procuram a segunda medalha, sendo que o canoísta tenta a primeira individual, depois de ter arrebatado a prata em Londres em K2, ao lado de Emanuel Silva.

Biles ‘deslizou’ para o bronze

As expectativas da ginasta americana caíram por terra ao não conseguir alcançar a tão desejada medalha de ouro, nem fazer os cinco títulos olímpicos na categoria de ginástica artística. Escorregou duas vezes na final da categoria de Trave, ficando-se pelo terceiro lugar. A holandesa Sanne Wevers recebeu a medalha de ouro. Após os títulos na prova por equipas, o concurso completo individual e no salto de cavalo, Biles pode ainda alcançar uma quarta medalha de ouro, se ganhar a final de solo.  

‘Martelada’ no recorde mundial

Anita Wlodarczyk reconquista o primeiro lugar no pódio, ganho em Pequim 2008, depois de em 2012 se ter ficado pelo segundo lugar nos jogos de Londres.
A atleta estabeleceu novo recorde mundial no lançamento do martelo a uma distância de 82,29 metros, que acrescentou mais de um metro (1,21) à anterior marca. A polaca é a única atleta que lança acima dos 80 metros.

Recordista dos 400 metros treinado por bisavó

O sul-africano Wayde van Niekerk conquistou o primeiro lugar nos 400 metros e arrebatou o recorde do mundo que estava, há 17 anos, nas mãos do americano Michael Johnson. Por trás deste enorme feito está uma bisavó de 74 anos que é a sua treinadora.
“Tannie Ans”, como é conhecida Ans Botha, a bisavó que treina o atleta de 17 anos, tem quatro bisnetos e é treinadora desde a década de 1960.
“Ela é uma mulher formidável. Estou muito satisfeito de poder contar com o seu trabalho, que fala por si”, disse Wayde van Niekerk, depois de conquistar o ouro olímpico. O agora campeão conheceu Ans Botha em 2010, nos campeonatos do mundo de juniores realizados no Canadá. 

“Aterragem” na meta

Shaunae Miller, das Bahamas, conseguiu ontem o triunfo nos 400 metros de forma invulgar: totalmente em queda na passagem da meta. Exausta e a ver o título a escapar, Miller atirou-se para a frente e ‘mergulhou’ sobre a meta, segurando a vantagem por escassos sete centésimos de segundo sobre Felix. Os tempos ficaram em 49,44 segundos, melhor marca do ano, e 49,51, respectivamente. O pódio desta prova acaba por ser composto pelas mesmas atletas dos Mundiais de 2015, já que o bronze foi para a jamaicana Shericka Jackson, com 49,85 segundos.
O queniano David Rudisha manteve o título olímpico dos 800 metros, ganhando a final da prova com a marca de 1.42,15, melhor marca mundial do ano.
A corrida, disputada no estádio olímpico do Rio de Janeiro, foi afectada pelas chuvadas que caíram antes mas tanto Rudisha como os medalhados de prata e bronze acabaram por fazer grandes marcas e ocupam agora o ‘top’ do ano naquela distância.
Taoufik Makhloufi melhorou o recorde da Argélia para 1.42,61 e o norte-americano Clayton Murphy fez recorde pessoal, com 1.42,93.

Ainda os portugueses

Na vela, os portugueses Jorge Lima e José Costa desceram para a 13.ª posição da classe 49er dos Jogos Olímpicos ao marcarem um 12.º lugar, um 19.º e um quarto, este último o melhor registo desde o primeiro dia.
Cumpridas nove das 12 regatas, a dupla lusa totaliza 83 pontos, menos dois do que o Brasil, que segue no 10.º posto, o último de acesso à ‘Medal Race’.
O dia foi de despedida para Vânia Neves na natação, com a atleta a fazer a prova da sua vida e a terminar no 24.º lugar em águas abertas, que concluiu em 2:01.39,3 horas. A atleta disse “não tive a classificação que tive em Setúbal (16.º lugar), mas fiz perto de sete quilómetros com o grupo da frente e à frente de nadadoras que já foram campeãs do mundo, campeãs da Europa e tudo e mais alguma coisa”, acabando por concordar que sim, foi a prova da sua vida.
Vera Barbosa também vai estar em competição nas eliminatórias dos 400 metros barreiras. Aguardemos o resultado.

Sete feridos em queda de câmara

A tarde na Cidade Olímpica ficou marcada pela queda de uma câmara de televisão suspensa, provocando sete feridos, dois atingidos pela câmara e cinco pelos cabos de aço que cederam. O incidente ocorreu junto à Arena Carioca 1,onde se realizam os jogos de basquetebol e o equipamento de recolha remota de imagens é da responsabilidade da empresa encarregue pela transmissão oficial dos Jogos.

O herói de Singapura

Joseph Schooling que no sábado conquistou a medalha de ouro dos 100 metros mariposa, vencendo Phelps, foi recebido como um herói na sua terra natal. Além de receber um prémio de um milhão de dólares de Singapura (cerca de 665 mil euros), Schooling, de 21 anos, viu também ser-lhe concedido um adiamento do cumprimento do serviço militar obrigatório para que possa preparar-se para os próximos Jogos Olímpicos a realizarem-se em Tóquio.
 

Cavaleira britânica conquista ouro e marido

Bafejada pela sorte, a cavaleira Charlotte Durjardin de 31 anos venceu a terceira medalha de ouro de hipismo e no final da sua prova, foi surpreendida com um pedido de casamento do noivo. Empunhando uma mão vermelha gigante, Dean Golding, o noivo, apontou para t-shirt que trazia vestida, onde se lia: “Já podemos casar?”. “Agora que ele tornou o pedido tão público, não há como não o fazer”, ironizou Charlotte Durjardin.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here