PARTILHAR

ACoreia do Sul vai aumentar de forma significativa o seu arsenal de mísseis balísticos e de cruzeiro com o objectivo de fazer frente à “crescente” ameaça da Coreia do Norte, anunciaram ontem fontes da Defesa de Seul.
Esta medida é destinada a permitir que o exército sul-coreano naturalize de forma simultânea todas as bases de lançamento de mísseis da Coreia do Norte, indicaram as mesmas fontes, citadas pela agência sul-coreana Yonhap.
O país prevê destacar mais mísseis balísticos Hyunmoo 2A e 2B, com um alcance máximo entre 300 e 500 quilómetros, bem como aumentar os seus mísseis de cruzeiro Hyunmoo 3, cujo alcance é de mil quilómetros.
Com estes projecteis adicionais e novos sistemas de detecção e intercepção de lançamentos da Coreia do Norte, Seul pretende reforçar as suas capacidades para realizar ataques preventivos contra o país vizinho, segundo as mesmas fontes.
Esta medida é independente do escudo antimíssil THAAD, que Seul e Washington posicionaram, em 2017, em território sul-coreano, e que inclui a aquisição de novos interceptores terra-ar Patriot Advanced Capability-3 (PAC-3).
Seul acredita que o regime de Kim Jong-un tem um milhar de mísseis que é capaz de lançar de forma simultânea.
Cerca de metade destes mísseis, do tipo Scud e com um alcance entre 300 e 700 quilómetros, estão situados numa faixa localizada entre 50 e 90 quilómetros da Zona Desmilitarizada (DMZ) que separa as duas Coreias.
A Coreia do Norte dispõe de um segundo anel de lançamento, a uma distância até 120 quilómetros a norte da DMZ, onde estão entre 200 e 300 mísseis de médio alcance Rodong, que podem chegar aos 1.300 quilómetros de distância, segundo o Ministério da Defesa sul-coreano.
Num terceiro anel localizado mais a norte, Seul acredita que o país vizinho pode ter entre 30 a 50 mísseis balísticos de médio alcance Musudan, bem como mísseis de longo alcance KN-08.
Os Musudan, com os quais a Coreia do Norte realizou vários lançamentos de teste apesar de apenas um ter sido considerado bem-sucedido por Seul, têm um alcance que lhes permitiria atingir várias bases norte-americanas no Pacífico.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here