PARTILHAR
O atletismo começou em grande com a quebra do recorde mundial dos 10 mil metros pela etíope Almaz Ayana. Patrícia Mamona e Susana Costa, garantiram apuramento para o triplo salto. A natação esteve também em destaque na sexta-feira com Phelps a ganhar mais uma medalha de ouro. A ginasta americana, Bile, conquistou cinco e tornou-se a atleta mais completa da história. No sábado a selecção portuguesa despediu-se dos Jogos Olímpicos, ao perder por 4-0 contra a Alemanha

Ndia 12 a natação voltou a estar em evidência com Michael Phelps a aumentar a colecção de ouro, ao vencer nos 200 metros estilos, e com Simone Manuel e Penny Oleksiak a conquistarem o lugar mais alto do pódio nos 100 metros livres femininos.
Emocionante e com final raro foi a prova dos 100 metros livres femininos, considerada a prova rainha dos Jogos, que teve um par vencedor, a norte-americana Simone Manuel e a canadiana Penny Oleksiak, cujos 52,70 constituíram ainda novo recorde olímpico.
O Rio 2016 soma já vários nomes marcantes e, além dos da natação – Phelps, Ledecky e Hosszu a ginástica faz-se representar com Simone Biles. A texana, de 19 anos, campeã por equipas e no concurso individual, ganhou a quinta medalha no sábado ao conquistar o ouro na prova: cavalo, solo e trave. Garantiu assim o domínio dos EUA na ginástica feminina, atingindo aqui um novo recorde: primeiro país a ganhar por quatro vezes o all around feminino.

Águas agitadas

Depois das provas de remo terem sido adiadas na quarta-feira, finalmente entregaram-se medalhas, sendo que apenas uma das seis de ouro não ficou na Europa, sendo entregue à Nova Zelândia. A juntar aos sucessos da catalã Mirea Belmonte na natação, a Espanha festejou o ouro da canoísta basca Maialen Chourraaut nas águas bravas, no K1 slalom. Ainda nas águas bravas, disputou-se a final do C2 slalom masculino, com vitória dos primos eslovacos Ladislav e Peter Kantar.

A marchar

Na prova de Marcha o título foi parar às mãos do chinês Wang Zhen com o tempo de 1.19.14, deixando a prata para o compatriota Cai Zelin, que demorou mais 12 segundos. Em terceiro lugar ficou o Australiano Dane Bird- Smith, a 13 segundos do primeiro lugar. Nesta prova participaram os irmãos João e Sérgio Vieira que ficaram em 31º e 53º respectivamente. Ambos consideraram a prova dura mas mostraram-se satisfeitos com a prestação. João ficou a 3.49 minutos do chinês Wang Zhang e o irmão a 8.25minutos.

Dar ao pedal

No “Sprint” em ciclismo de pista, a equipa feminina chinesa voltou a arrebatar o 1º lugar, batendo o seu próprio recorde. Gong Jinjie e Zhong Tianshi terminaram o exercício em 31,928 superando os 32,034, que já lhes pertencia desde o Mundial de 2015.
A Grã-Bretanha, com Bradley Wiggins, melhorou pela segunda vez o recorde do mundo na perseguição em ciclismo de pista, ao percorrer os quatro quilómetros, na final, em 3.50,265 minutos. Ed Clancy, Seven Burke e Owain Doull, que formam equipa com o vencedor do Tour2012, já tinham batido o melhor registo mundial, com 3.50,570, superando o tempo (3.51,659) obtido por Ed Clancy, Geraint Thomas, Steven Burke e Peter Kennaugh em Londres2012. A medalha de prata foi conquistada pelos australianos Sam Welsford, Michael Hepburn, Jack Bobridge e Alex Edmondson, que cumpriram a prova em 3.51,008, enquanto a Dinamarca arrebatou a medalha de bronze, em 3.53,789, impondo-se na disputa pelo terceiro lugar à Nova Zelândia (3.56,753).

Prova Mãe

Dia 13 teve lugar a grande estreia da prova rainha nos Jogos olímpicos, o atletismo. Começou logo a fazer história com uma prova meteórica da atleta etíope, Almas Ayana, fazendo o tempo recorde de 29,17,45, nos 10 mil metros (ver breve). Esta marca quebrou o recorde em 15 segundos, que estava na posse da chinesa Wang Junxia, desde Setembro de 1993. No segundo lugar ficou Vivian Jepkemol Cheruiyot com o tempo de 29,32,53 e no terceiro Tirunesh Dibaba com 29,42,56, campeã em Pequim 2008 e Londres 2012 . Todas representando a Etiópia.
Destaque maior para Patrícia Mamona e Susana Costa, que garantiram o apuramento para a final do triplo salto.

Partilhas

Michael Phelps e Joseph Schooling partilharam o pódio, mas já tinham partilhado uma selfie, em 2008. Na altura, o então menino de 13 anos, admiração pelo já campeão nadador americano. “Quando era miúdo queria ser como ele”, disse o jovem atleta de Singapura, que agora conquistou o ouro frente a Phelps. O americano ficou em segundo lugar, levando a medalha de prata, nos 100 metros mariposa, naquela que foi a sua última prova individual, antes de se retirar. Encontraram-se a primeira vez depois do nadador conquistar oito medalhas nos Jogos olímpicos de Pequim e oito anos depois defrontaram-se na piscina. Schooling que conquistou a primeira medalha de ouro para Singapura não escondia o contentamento, concluindo, “ele é a razão pela qual eu quis ser melhor nadador”.

Adeus futebol

Portugal foi eliminado, no sábado, nos quartos de final do torneio de futebol dos Jogos Olímpicos Rio2016. Perdeu com a Alemanha, por 4-0, em jogo disputado no Estádio Mané Garrincha, em Brasília. A equipa orientada por Rui Jorge ficou assim pelo caminho retirando a esperança que os portugueses depositaram na sua selecção.

Fé e transparências

Assim que a atleta etíope quebrou o recorde do mundo dos dez mil metros, suspeitou-se imediatamente de doping. No entanto, Almaz Ayana referiu, “tenho três coisas a dizer primeiro: treinei especificamente para esta prova. Segundo, rezo muito e Deus dá-me tudo. O meu doping é o meu treino e a minha fé, Terceiro, sou transparente como cristal”. Que se saiba não foi feita qualquer despistagem, servindo as palavras da atleta como garantia.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here