PARTILHAR

(continuação da edição passada: “Acredita quando mais ninguém for capaz, mesmo quando tudo parecer indicar o pior.” Assim era de facto e a tempestade que normalmente achamos trazer apenas desgraças tinha sido o seu bilhete para a salvação.”)

Assim foi. A tempestade tinha liberto Jacinto e, com esforço e algum jeito, lá conseguiu trepar os metros que o separavam da salvação. Mas a chuvada estava a perder o “sex appeal” muito rapidamente; ao ponto de já não ter piada nenhuma, ao ponto de o enregelar e fazê-lo desejar, com toda a sua intenção, por um raio de sol que o aquecesse.
A chuva caiu forte por mais uns bons minutos mas acabou por amainar. Estilo subtropical. Jacinto verificou a mochila que ainda tinha aos ombros. Deu graças pelo dinheiro extra que tinha pago, e que tanto lhe tinha custado a dar, por uma versão impermeável e revolveu os seus poucos haveres. Não encontrava nada. Já febril e de respiração suspensa, revolveu mais ainda até que se lembrou do compartimento secreto. Ali estavam. Ainda lhe restavam três. Respirou de alívio.
Mas agora chegava a fome. Daquelas fomes impiedosas que não nos deixam pensar. Os mantimentos existiam mas não eram muitos. Jacinto sabia que não iriam durar muito mais mas aquela lazeira animalesca tinha de ser apaziguada. Era o mínimo depois de tudo por que tinha passado naqueles últimos momentos.
Resolveu-se por uma porção mais avantajada do que a necessária austeridade obrigava mas, pensou Jacinto, “se tiver de ir, ao menos que vá de barriga cheia. Hei-de arranjar mais”, concluiu com um optimismo quase inesperado.
Lembrou-se dos vietnamitas do sul, que levavam uma vida leve por saberem terem três colheitas por ano; Jacinto também tinha três mas não se podia comparar às colheitas vietnamitas. Eram três, todavia, o número que alguém um dia lhe disse ser sagrado.
Mas Jacinto estava sozinho, era apenas um, e também sabia que poucos aguentavam a penúria naquele território aparentemente acolhedor mas profundamente hostil. Podia ser que alguém o ajudasse, mas também poderia ser que o seu destino fosse definhar até morrer sem alguma vez chegar ao destino sonhado.
Jacinto engoliu duas latas de feijoada, um bolo seco e pegou numa das duas mini garrafas de champanhe que tinha decidido trazer, não fosse a ocasião justificá-lo. Olhou para a garrafa com um ar divertido.
O chão era agora um autêntico pântano e Jacinto estava encharcado até aos ossos, pés ensopados mas, em vez de se sentir miserável, abriu a garrafa e emborcou o borbulhante goela abaixo, daquela garrafa que um dia teria visto o sol de uma quinta francesa e escutado o trinar primaveril dos pássaros.
A chuva continuava. Mais leve. Estilo subtropical. Ao longe, Jacinto viu um relâmpago rasgar o céu cinzento chumbo, mas também reparou que o subsequente trovão demorou algum tempo até ser escutado. “O pior já passou”, pensou, pelo menos no que à tempestade dizia respeito.
Aos poucos, o céu começou a clarear e não um mas três raios de sol rompiam agora o tecto cinzento. “Magia”, pensou Jacinto divertido, lembrando-se dos três que lhe restavam e pensando estar, talvez, ali um bom augúrio de alguma espécie.
Os três raios deram lugar a uma aberta considerável e Jacinto sabia que pelo menos ia conseguir secar. Confirmou de novo que ainda tinha três de sobra. “Podia ser melhor, mas também podia ser muito pior”, pensou. Pelo menos davam-lhe algum aconchego e tempo para descobrir alguma forma de passar para o outro lado do desfiladeiro. Não muito, mas algum. Talvez mesmo à justa, talvez não desse, sequer, para chegar a meio caminho. Encolheu os ombros.
As nuvens negras moviam-se agora na direcção do destino que Jacinto acreditava estar para lá daquela garganta inclemente que o barrava. Mas, agora, nem os contornos adivinhava tanto era o negrume para aquelas bandas. A imagem fê-lo reflectir sobre se a sua teimosia não o estaria a levar para uma tempestade ainda maior no sentido mais lato do termo, mas acabou por afastara a ideia e decidir não pensar mais nisso. A realidade é que ele não fazia a mínima ideia, nem sequer isso interessava agora. Não tinha feito aquele caminho todo para agora começar com filosofias baratas. O melhor era começar a andar. Talvez existisse uma passagem mais estreita. Talvez mesmo outra ponte, de preferência mais consistente do que a anterior. Talvez aguentasse mais um mês a andar, talvez mais, até aguentaria três se fosse poupadinho e soubesse preservar as energias.
“Para trás mija a burra” dizia-lhe a mãe tantas vezes quando ele era criança. Sorriu com a lembrança e teve a certeza que ainda não era altura para desistir. Para além disso, o Outono estava para chegar e previam-se dias bons para caminhar.

(continua)

Música da Semana
“Silly Boy Blue” (David Bowie, 1969)

You wish and wish, and wish again
You’ve tried so hard to fly
You’ll never leave your body now
You’ve got to wait to die 
La la la la la la la la la la [x2]
La la la la la [x2]
Silly boy blue, silly boy blue
Child of the Tibet, you’re a gift from the sun
Reincarnation of one better man
The homeward road is long
You’ve left your prayers and song
Silly boy blue, silly boy blue
Silly boy blue, silly boy blue

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here