PARTILHAR
O dia nove foi marcado pela medalha de bronze de Telma Monteiro, na categoria de 57 kg do Judo ao bater a romena Corina Caprioriu. Um momento emotivo para todos os portugueses e em especial para a atleta do Benfica, “já chorei muito. É uma grande emoção viver este momento, ter a oportunidade de fazer história pelo país, conquistar a primeira medalha do judo feminino”

Já tinha conquistado cinco medalhas em mundiais e 11 em europeus, conseguiu agora levar para casa a que faltava e dar ao desporto nacional a sua 24ª medalha olímpica. A atleta já tinha no seu currículo um 12.º lugar em Atenas 2004 e um nono em Pequim 2008, ainda na categoria de -52 kg, e um 17.º em Londres 2012. Telma Monteiro não escondia o entusiasmo “ uma emoção muito grande. Subir ao pódio nos Jogos Olímpicos é, sem dúvida, o momento mais emocionante da minha carreira, uma consagração”. Já de medalha ao peito, acrescentou “se conseguir continuar ao mais alto nível, o meu objectivo é estar em Tóquio. Nos próximos quatro anos, quero continuar a ganhar medalhas, somar à minha lista, nunca é demais.”
Portugal passou a contar com quatro medalhas de ouro, oito de prata e 12 de bronze, duas das quais no judo, com Telma Monteiro a juntar-se a Nuno Delgado, terceiro em -81kg em Sydney2000.Portugal finalmente estreou-se no quadro, ocupando o 34.º posto igualado com outros cinco países.

Brasil dourado

Apesar das esperanças do Brasil estarem muito centradas na equipa de futebol, foi com Rafaela Silva que quebraram o jejum. A adversária de Telma Monteiro arrecadou a medalha mais desejada, levando assim o ouro para o país anfitrião. A judoca nascida numa favela do Rio de Janeiro alcançou o lugar mais alto do pódio depois de ter ultrapassado os mais diversos obstáculos. (ver texto em baixo).

Piscina sem surpresas

Ao contrário do dia anterior, não houve grandes novidades na natação, nem queda de recordes. O principal foco recaiu sobre a atleta húngara, Katinga Husszo, que venceu a final dos 100 metros costas, depois de já ter conquistado o primeiro lugar no sábado, nos 400 metros estilos. A “Dama de ferro”, como é conhecida, venceu a prova com o tempo de 58,45 segundos, superando a norte-americana Kathleen Baker, medalha de prata e a canadiana Kylie Masse, medalha de bronze. Ainda na piscina os Estados Unidos voltaram a dominar, desta vez através de Ryan Murphy nos 100 metros costas masculinos e de Lilly Kings nos 100 metros bruços femininos ao vencer com o tempo de 1.04,93 minutos. A medalha de prata foi para a russa Yulia Efimova, repescada à última hora para os Jogos na sequência do escândalo de doping que teve como protagonista a Rússia, enquanto a de bronze foi para outra norte-americana, Katie Meili.
A quebrar a hegemonia americana a China recebeu a medalha de ouro nos 200 metros livres. O quarto título do dia foi assim direitinho para o atleta Sun Yang.

China salta em grande

Se nas provas de natação os Estados Unidos estiveram a liderar, nos saltos para a água foi a China a consagrar-se potência inquestionável. A dupla Chen Aisen e Lin Yue sagrou-se campeã na prova sincronizada a 10 metros. Anteriormente, Wu Minxia, de 30 anos, tornou-se na primeira atleta a ganhar o ouro olímpico em cinco Jogos consecutivos, na prova de saltos sincronizados a três metros.
Feito o resumo das provas o balanço dita o seguinte resultado: os Estados Unidos mantiveram o primeiro lugar, com as mesmas cinco medalhas de ouro da China, mas com mais medalhas de prata, sete contra três, e de bronze, sete contra cinco.

Portugueses em acção

Marcos Freitas, o único português ainda em prova no quadro de singulares de ténis de mesa, disputa a próxima prova com o japonês Jun Mizutani, quarto cabeça de série. Pode ser o acesso às meias-finais. Gastão Elias vai ter como adversário o norte-americano Steve Johnson, na prova de ténis, singulares masculinos. O canoísta José Carvalho participa nas meias-finais de C1 slalom, na tentativa de conseguir um lugar na final. Na vela estão três atletas lusos; Gustavo Lima segue em 14.ª na classe Laser, o porta-estandarte João Rodrigues é 18.º em RS:X, e finalmente Sara Carmo é 34.ª em Laser Radial. Esperemos bons ventos.

Da favela ao pódio

A história da actual campeã de Judo, Rafaela Silva é feita de sangue, suor e algumas lágrimas. Nascida na favela Cidade de Deus, começou a praticar judo aos cinco anos, numa academia de rua. Actualmente com 24, tem já no currículo medalhas importantes; Jogos Pan- americanos, 2011, prata, em 2015 conquistou o bronze no Pan de Toronto e foi vice campeã no mundial de Paris em 2011. As lágrimas vêm nos jogos de Londres. A atleta foi acusada de ter aplicado um golpe ilegal, sendo desclassificada na segunda ronda. Momentos que marcaram a atleta. No final da prova que lhe deu o primeiro lugar no pódio, falou aos jornalistas: “depois da minha derrota, muita gente me criticou, disse que eu era uma vergonha para a minha família, para o meu país. E agora sou campeã olímpica”.

Marcelo elogia judoca portuguesa

Marcelo Rebelo de Sousa que se encontra numa visita de seis dias ao Recife, Brasil, congratulou Telma Monteiro, dirigindo-lhe algumas palavras de agradecimento. “Em meu nome pessoal e em nome de todos os portugueses, muitos parabéns pela conquista da medalha de bronze! A tua conquista enche-nos a todos de orgulho!”, escreveu, em mensagem dirigida à judoca benfiquista, acrescentando o seu desejo de que esta medalha “seja a primeira de muitas e uma fonte de inspiração e motivação para os compatriotas em competição!”.

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here